Re­a­jus­te nas cus­tas Fi­lho de jo­vem as­sas­si­na­da es­pe­ra de­ci­são da Jus­ti­ça ju­di­ci­ais pro­vo­ca po­lê­mi­ca

De­ci­são do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, a pe­di­do da As­so­ci­a­ção dos No­tá­ri­os, de­sa­gra­da di­re­to­ria da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos. Me­di­da pre­ci­sa ser apro­va­da na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Renato Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com “O re­a­jus­te nas cus­tas ju­di­ci­ais vai di­fi­cul­tar o aces­so à Jus­ti­ça.” A afir­ma­ção é da vi­ce-pre­si­den­te da sub­se­ção da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB), em Ma­rin­gá, Ri­ta de Cás­sia Lo­pes. Ela ava­li­ou que os no­vos va­lo­res a se­rem co­bra­dos pe­los car­tó­ri­os ex­tra­ju­di­ci­ais se­rão exor­bi­tan­tes.

De acor­do com Ri­ta de Cás­sia, a de­ci­são do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Pa­ra­ná (TJ), que apro­vou um an­te­pro­je­to de lei pa­ra re­a­jus­tar as cus­tas ju­di­ci­ais, foi uni­la­te­ral e não con­si­de­rou a opi­nião da OAB no Pa­ra­ná. “Nos­so re­pre­sen­tan­te, José Lú­cio Glomb, se­quer foi con­vi­da­do pa­ra par­ti­ci­par dos de­ba­tes. É la­men­tá­vel. Um acor- do a por­tas fe­cha­das não pre­ju­di­ca ape­nas à clas­se dos ad­vo­ga­dos, mas a so­ci­e­da­de em ge­ral”, des­ta­cou. A me­di­da pre­ci­sa ser apro­va­da pe­la As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, mas, on­tem, não ha­via si­do apre­sen­ta­da ao Ple­ná­rio da Ca­sa.

Pe­la no­va ta­be­la apro­va­da pe­lo TJ, a variação mais al­ta foi no cus­to do re­co­nhe­ci­men­to de fir­ma pa­ra pes­soa ju­rí­di­ca que dis­pa­rou 1.125%, sal­tan­do de R$ 3,06 pa­ra R$ 37,50. Os cus­tos de des­pe­sas li­ga­das di­re­ta­men­te às ro­ti­nas ju­rí­di­cas, co­mo re­gis­tro de eman­ci­pa­ção de me­nor no re­gis­tro ci­vil au­men­tou 318,2% - de R$ 21,15 pa­ra R$ 88,45.

Jus­ti ca­ti­va

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos No­tá­ri­os e Re­gis­tra­do­res do Es­ta­do do Pa­ra­ná (Ano­reg-PR), Ro­bert Jonczyk, res­sal­tou que hou­ve “um en­ten­di­men­to equi­vo­ca­do” em re­la­ção ao au­men­to da ta­xa de cus­to do re­co­nhe­ci­men­to de fir­ma pa­ra pes­soa ju­rí­di­ca. “Tec­ni­ca­men­te é um ser­vi­ço no­vo, que nun­ca exis­tiu e que se­rá pou­co usu­al”, co­men­tou.

Ele ex­pli­ca que, di­fe­ren­te do que es­tá sen­do di­vul­ga­do, o va­lor não se­rá co­bra­do to­das as ve­zes que fo­rem ne­ces­sá­ria o re­co­nhe­ci­men­to de fir­ma de do­cu­men­tos on­de cons­tem pes­so­as ju­rí­di­cas. “É mais quan­do uma em­pre­sa pre­ci­sar re­co­nhe­cer al­gum re­pre­sen­tan­te co­mo uma es­pé­cie de ‘pro­cu­ra­dor’ pes­soa fí­si­ca”, es­cla­re­ceu.

So­bre os de­mais re­a­jus­tes, Jonczyk ar­gu­men­tou que com o ad­ven­to das no­vas tec­no­lo­gi­as fo­ram cri­a­dos ser­vi­ços, que se por um la­do fa­ci­li­ta­ram a vi­da de qu­em uti­li­za os car­tó­ri­os, por ou­tro ge­rou cus­tos pa­ra os car­to­rá­ri­os. “As mu­dan­ças pro­vo­cam cus­tos que atin­gem o dia a dia”, ava­li­ou.

Ou­tra jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra o au­men­to apre­sen­ta­do pe­la Ano­reg é a ne­ces­si­da­de de com­pen­sar a que­da no cus­tos de ser­vi­ços com fi­na­li­da­des so­ci­ais. Ele ci­ta o exem­plo da re­du­ção de 70% nos cus­tos de pro­cu­ra­ções pa­ra fins pre­vi­den­ciá­ri­os de tra­ba­lha­do­res ou apo­sen­ta­dos ru­rais. “Ti­ve­mos que bus­car ou­tras por­tas pa­ra com­pen­sar a que­da na co­bran­ça de al­guns ser­vi­ços”, de­cla­rou.

De­pu­ta­dos

O de­pu­ta­do Evandro Jú­ni­or (PSDB) dis­se que vai se po­si­ci­o­nar so­bre o ca­so após ter aces­so ao pro­je­to. Já os de­pu­ta­dos Ênio Ver­ri (PT) e Dou­tor Ba­tis­ta (PMN) não fo­ram lo­ca­li­za­dos on­tem pe­la re­por­ta­gem. Um be­bê de seis me­ses es­tá abri­ga­do na ca­sa de uma fa­mí­lia de Ma­rin­gá à es­pe­ra de uma de­ci­são da Jus­ti­ça: ór­fão de mãe e com o pai sem pa­ra­dei­ro co­nhe­ci­do, o me­ni­no po­de­rá fi­car sob a guar­da do avô ma­ter­no ou ser en­ca­mi­nha­do à ado­ção. O dra­ma en­vol­ven­do a cri­an­ça é en­vol­to por uma sé­rie de cri­mes e tra­gé­di­as fa­mi­li­a­res. A mãe, uma ado­les­cen­te de 17 anos, foi mor­ta a fa­ca­das nes­ta se­gun­da-fei­ra, pos­si­vel­men­te, por ciú­mes, em Pai­çan­du. Há três me­ses, a cri­an­ça ha­via si­do res­ga­ta­da pe­la ex-ma­dras­ta da ado­les­cen­te em um pon­to de ven­da de dro­gas. A ex­ma­dras­ta dis­se que ou­viu do na­mo­ra­do da ado­les­cen­te que a cri­an­ça es­ta­ria à ven­da por R$ 20 mil, mas con­se­guiu res­ga­tá-la, se­gun­do ela, após con­ver­sar com os tra­fi­can­tes na au­sên­cia da jo­vem - que te­ria se “hos­pe­da­do” na bo­ca de fu­mo. Di­as depois, o na­mo­ra­do da jo­vem foi as­sas­si­na­do - sus­pei­ta-se que por tra­fi­can­tes. Ho­je, o be­bê es­tá abri­ga­do a pe­di­do do Con­se­lho Tu­te­lar, ain­da sem fu­tu­ro cer­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.