Cli­ma se­co dei­xa a uva mais do­ce

Pre­do­mi­nân­cia do cli­ma se­co na épo­ca de for­ma­ção dos ca­chos con­tri­buiu pa­ra a mai­or do­çu­ra da fru­ta, atra­ção da Fes­ta da Uva Fi­na de Ma­ri­al­va, que vai até do­min­go

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO - Ro­gé­rio Rec­co

“Do­ci­nha fei­to mel”. A fra­se pre­vi­sí­vel da bal­co­nis­ta que aten­de na 19ª Fes­ta da Uva Fi­na em Ma­ri­al­va, a 15 quilô­me­tros de Ma­rin­gá, es­tá ade­qua­da. Es­te ano, o cli­ma foi ge­ne­ro­so com a sa­fra da fru­ta: o tem­po se­co na épo­ca de for­ma­ção dos ca­chos acen­tu­ou o sa­bor ado­ci­ca­do dos grãos.

O re­sul­ta­do é o mai­or in­te­res­se­dos­com­pra­do­res­pe­la­pro­du­ção do mu­ni­cí­pio de 33 mil ha­bi­tan­tes que, não sem mo­ti­vo, é con­si­de­ra­do a ca­pi­tal da uva fi­na do Pa­ra­ná – de on­de sai, pe­lo me­nos, me­ta­de da sa­fra es­ta­du­al. Até do­min­go, quan­do a Fes­ta ter­mi­na, a ex­pec­ta­ti­va é que to­ne­la­das do pro­du­to se­jam ven­di­das di­re­ta­men­te a con­su­mi­do­res­de­to­da­a­re­gião.

No cam­po, cer­ca de 900 pro­du­to­res pos­su­em 1,5 mil hec­ta­res de par­rei­rais que ab­sor­vem o tra­ba­lho de mais de seis mil pes­so­as e de­vem to­ta­li­zar 50 mil to­ne­la­das de uvas es­te ano, co­lhi­das em du­as sa­fras. A pri­mei­ra, a prin­ci­pal, vai de­no­vem­bro­a­ja­nei­ro; ase­gun­da, a“sa­fri­nha”,de­a­bri­la­ju­nho.

Ma­ri­al­va é tam­bém pro­du­to­ra de so­ja, ca­fé, ou­tros ti­pos de fru­tas e flo­res. Mas na­da se com­pa­ra à uva. Além de gran­de ge­ra­do­ra de em­pre­gos, ela vi­a­bi­li­za mi­ni­fún­di­os, fo­men­ta o tu­ris­mo rural, for­ta­le­ce a agroin­dús­tria de vi­nhos, su­cos e ge­lei­as e seus re­sul­ta­dos fi­nan­cei­ros se trans­for­mam em qua­li­da­de de vi­da pa­ra a po­pu­la­ção. “Qu­em tem um hec­ta­re de uva tem car­ro no­vo na ga­ra­gem”, afir­ma o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Agri­cul­tu­ra e Meio Am­bi­en­te, Val­di­nei Ca­ze­lat­to, o Di­nei. Em 2011, de to­da a ren­da agrí­co­la do mu­ni­cí­pio, es­ti­ma­da em R$ 220 mi­lhões, a uva par­ti­ci­pou com mais de R$ 100 mi­lhões, mon­tan­te que de­ve­se­re­pe­ti­res­te­a­no.

O pró­prio Di­nei, de 39 anos, pos­sui 2,5 hec­ta­res de uvas on­de pro­duz de 16 a 18 mil qui­los por hec­ta­re a ca­da sa­fra. Se­gun­do ele, os pre­ços os­ci­lam mui­to ao lon­go do ano e os cus­tos re­pre­sen­tam me­ta­de do fa­tu­ra­men­to, con­su­mi­dos prin­ci­pal­men­te com mão de obra e de­fen­si­vos. “Mas qu­em se de­di­ca, tem lu­cro”, sor­ri.

Bom ne­gó­cio

O pro­du­tor Mar­ce­lo Bus­chi­ni, de 42 anos, di­vi­de seu tem­po cui­dan­do de um hec­ta­re (10 mil me­tros qua­dra­dos) de par­rei­ral e 31 hec­ta­res de so­ja. Por ano, se­gun­do ele, são ob­ti­dos cer­ca de 50 mil qui­los de uvas. Se Bus­chi­ni con­se­guir ven­der a fru­ta es­te ano pe­la mes­ma mé­dia de 2011, que foi de R$ 1,80 o qui­lo, is­to sig­ni­fi­ca que o re­sul­ta­do bru­to de um úni­co hec­ta­re vai fi­car pró­xi­mo ao fa­tu­ra­men­to que ele es­pe­ra ter com os 31ha de so­ja, cu­jos pre­ços es­tão en­tre­os­mai­sal­to­se­ma­nos.

Li­dan­do com uva há 12 anos, Bus­chi­ni diz que a cul­tu­ra “é me­lin­dro­sa e re­quer mui­tos cui­da­dos”. Além de­le, três em­pre­ga­dos tra­ba­lham no par­rei­ral. “Se des­cui­dar com uma do­en­ça, a gen­te po­de per­der uma sa­fra in­tei­ra em pou­cos di­as”, ga­ran­te.

“A uva é uma cul­tu­ra ar­te­sa­nal, que re­quer ca­pri­cho”, acres­cen­ta Bus­chi­ni, que re­pre­sen­ta bem a re­a­li­da­de dos pro­du­to­res lo­cais. Co­mo­e­le,aqua­se­to­ta­li­da­de–90% - man­tém seus cul­ti­vos pro­te­gi­dos o ano in­tei­ro com uma te­la de som­bri­te, que é pa­ra evi­tar da­nos com gra­ni­zo e im­pe­dir o aces­so de pás­sa­ros. Mas só uma pe­que­na par­te, en­tre 20% e 25%, é ser­vi­da de ir­ri­ga­ção, se­gun­do da­dos do se­cre­tá­ri­oVal­di­neiCa­ze­lat­to. As uvas pro­du­zi­das em Ma­ri­al­va têm des­ti­no cer­to: gran­des re­des de su­per­mer­ca­dos que dis­tri­bu­em o pro­du­to pa­ra to­do o País. Con­for­me o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Agri­cul­tu­ra e Meio Am­bi­en­te, Val­di­nei Ca­ze­lat­to, a pre­o­cu­pa­ção das au­to­ri­da­des e li­de­ran­ças lo­cais é man­ter jun­to ao mer­ca­do o pres­tí­gio con­quis­ta­do pe­la fru­ta. Por is­so, um tra­ba­lho per­ma­nen­te de cons­ci­en­ti­za­ção dos pro­du­to­res é man­ti­do com par­cei­ros co­mo a Ema­ter: o ob­je­ti­vo é evi­tar que eles co­mer­ci­a­li­zem o pro­du­to ain­da ver­de, que po­de che­gar aos pon­tos de ven­da com sa­bor fo­ra dos pa- drões. Se­gun­do Ca­ze­lat­to, o brix (te­or de açú­car) ide­al da uva pre­ci­sa es­tar en­tre 13 e 14.

Ao mes­mo tem­po, no­vi­da­des são di­fun­di­das en­tre os pro­du­to­res. A mais re­cen­te de­las é a no­va va­ri­e­da­de de­sen­vol­vi­da pe­la Em­bra­pa, a BRS Vi­tó­ria, de sa­bor mais ado­ci­ca­do e sem se­men­te, que apre­sen­ta pre­co­ci­da­de e to­le­rân­cia ao míl­dio, uma das do­en­ças pre­o­cu­pan­tes da cul­tu­ra.

Atu­al­men­te, a mai­or par­te das uvas pro­du­zi­das em Ma­ri­al­va - cer­ca de 35% - são da va­ri­e­da­de Be­ni­ta­ka, se­gui­da em im­por­tân­cia pe­la Ru­bi e a Itá­lia. O Pa­ra­ná é o quar­to pro­du­tor na­ci­o­nal de uvas de me­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.