Cons­tru­ção ci­vil ga­nha in­cen­ti­vo do go­ver­no

Re­du­ção de im­pos­tos e fi­nan­ci­a­men­to mais ba­ra­to de­vem re­a­que­cer o seg­men­to. Em­pre­sá­ri­os e tra­ba­lha­do­res de Ma­rin­gá fi­ca­ram ani­ma­dos com a me­di­da da União

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Leonardo Fi­lho

Com a in­je­ção de mais de R$ 2 bi­lhões em fi­nan­ci­a­men­tos mais ba­ra­tos pa­ra a in­dús­tria do se­tor e a re­du­ção da car­ga tri­bu­tá­ria na cons­tru­ção ci­vil, o Go­ver­no Fe­de­ral quer re­a­que­cer o seg­men­to. A me­di­da foi anunciada on­tem pe­lo mi­nis­tro da fa­zen­da Guido Mantega. Em Ma­rin­gá, a no­tí­cia sur­pre­en­deu e, ao mes­mo tem­po, ani­mou re­pre­sen­tan­tes do se­tor.

Se­gun­do em­pre­sá­ri­os e o sin­di­ca­to dos tra­ba­lha­do­res, a cons­tru­ção ci­vil vi­ve um bom mo­men­to. “O mer­ca­do es­tá es­tá­vel, o que é um bom si­nal. Es­pe­ra­mos que com es­sas me­di­das anun­ci­a­das pe­lo go­ver­no, a si­tu­a­ção melhore ain­da mais”, co­men­tou o pre­si­den­te da Cen­tral de Negócios Imo­bi­liá­ri­os de Ma­rin­gá, Clau­di­o­mar San­dri.

De acor­do com o em­pre­sá­rio, após uma gran­de al­ta dos pre­ços, ocor­ri­da há pou­co mais de um ano, o mer­ca­do pas­sou por uma es­ta­bi­li­za­ção. “Hou­ve uma al­ta sig­ni­fi­ca­ti­va no va­lor dos imó­veis, mas, ho­je, a si­tu­a­ção es­tá equi­li­bra­da. Mes­mo as­sim, o gi­ro é gran­de em Ma­rin­gá. Pes­so­as de ou­tras ci­da­des e até paí­ses in­ves­tem aqui”, des­ta­cou.

O pre­si­den­te do sin­di­ca­to que re­pre­sen­ta as re­ven­das de pro­du­tos pa­ra a cons­tru­ção ci­vil (Si­ma­tec), Val­de­ci Apa­re- ci­do da Sil­va, tam­bém fi­cou ani­ma­do com a no­tí­cia. “Pa­ra 2012, pro­je­ta­mos cres­cer 10%, mas au­men­ta­mos, em mé­dia, 8% o nos­so fa­tu­ra­men­to. Foi um bom cres­ci­men­to. Pa­ra 2013, a nos­sa es­ti­ma­ti­va é de que a gen­te cres­ça em tor­no de 8%”, pon­de­rou .

O pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Tra­ba­lha­do­res na In­dús­tria da Cons­tru­ção e do Mo­bi­liá­rio (Sin­tra­com), Jorge Mo­ra­es, fi­cou sur­pre­so com a in­for­ma­ção. Se­gun­do ele, ho­je, a prin­ci­pal ne­ces­si­da­de é a de mão de obra qua­li­fi­ca­da. “Fal­ta gen­te em to­dos os se­to­res da cons­tru­ção. As em­pre­sas sa­bem dis­so e se pro­gra­mam pa­ra evi­tar que a obra fi­que pa­ra­da”, res­sal­tou.

Se­gun­do Mo­ra­es, cer­ca de 10 mil pes­so­as de­pen­dem, ho­je, da cons­tru­ção ci­vil em Ma­rin­gá e re­gião. “A re­mu­ne­ra­ção es­tá boa. O bom pro­fis­si­o­nal ga­nha o quan­to qui­ser na pro­fis­são. Com es­sa me­di­da, a si­tu­a­ção de­ve fi­car ain­da me­lhor”, de­cla­rou.

2013

As mu­dan­ças co­me­çam a va­ler a par­tir de mar­ço do ano que vem. Além da in­je­ção pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to, as em­pre­sas do se­tor pas­sa­rão a re­co­lher a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria dos tra­ba­lha­do­res com uma alí­quo­ta de 2% so­bre o fa­tu­ra­men­to bru­to - a alí­quo­ta de 20% so­bre a fo­lha de pa­ga­men­to se­rá ze­ra­da. Com is­so, a re­nún­cia fis­cal da Re­cei­ta Fe­de­ral se­rá de R$ 2,85 bi­lhões em 2013.

Mantega res­sal­tou que a me­di­da é de ca­rá­ter per­ma­nen­te. De acor­do com a le­gis­la­ção em vi­gor, cri­a­da no pro­gra­ma Bra­sil Mai­or, a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­tos vai até de­zem­bro de 2014. Se­gun­do o mi­nis­tro,ho­je, as em­pre­sas re­co­lhem R$ 6,2 bi­lhões, por ano, à Pre­vi­dên­cia. Com a no­va fon­te de tri­bu­ta­ção (o fa­tu­ra­men­to bru­to, e não mais a fo­lha de pa­ga­men­to), vão pagar R$ 3,4 bi­lhões anu­ais. “São R$ 2,8 bi­lhões a me­nos que o se­tor pa­ga­rá pa­ra o ano. Po­de­rá re­du­zir pre­ços dos imó­veis, au­men­tar pro­du­ti­vi­da­de e am­pli­ar os in­ves­ti­men­tos no se­tor”, de­cla­rou Mantega.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.