Com

Res­pi­ran­do ar­te e cul­tu­ra ao ar li­vre e ex­po­si­ções de de­se­nhos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

re­da­cao@odi­a­rio.com As au­las na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) aca­bam na pró­xi­ma se­ma­na, mas a cul­tu­ra con­ti­nua acon­te­cen­do no cam­pus. Al­gu­mas ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas, co­mo a mos­tra ao ar li­vre das es­cul­tu­ras de Mar­ce­lo Mon­tei­ro e a ex­po­si­ção “En­tra­nhas”, com de­se­nhos e ilus­tra­ções de Gu­to Stres­ser, são al­guns exem­plos dis­so.

Qu­em an­da pe­la pas­sa­re­la cen­tral da uni­ver­si­da­de, mes­mo que apres­sa­do, se de­tém pa­ra con­tem­plar uma es­tu­dan­te sen­ta­da em um tron­co de ár­vo­re. Nos olhos, uma ex­pres­são su­a­ve de tris­te­za e, nas mãos, as pá­gi­nas de um li­vro le­van­ta­das pe­lo ven­to. A ce­na não é um fla­gran­te do co­ti­di­a­no e sim uma obra de ar­te: a es­cul­tu­ra em ma­dei­ra “A Lei­to­ra”, fei­ta pe­lo ar­tis­ta plás­ti­co e alu­no de His­tó­ria Mar­ce­lo Mon­tei­ro, 31 anos. A obra, com mais de dois me­tros de al­tu­ra e cer­ca de 700 qui­los é a pri­mei­ra de uma sé­rie de qua­tro que in­te­gram o pro­je­to de ex­ten­são Ar­te e Meio Am­bi­en­te, do cur­so de Ar­qui­te­tu­ra, ori­en­ta­do pe­la pro­fes­so­ra Maria Dal­va.

Em 2008, a ins­ti­tui­ção con­se­guiu uma ver­ba de R$ 29 mil da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral pa­ra a con­fec­ção das es­cul­tu­ras em ma- dei­ra, que fa­zem par­te da re­vi­ta­li­za­ção da pas­sa­re­la por on­de tran­si­tam cen­te­nas de pes­so­as to­dos os di­as. O pro­je­to de in­ter­ven­ção cul­tu­ral con­ta com o apoio da So­ci­e­da­de Eti­ca­men­te Res­pon­sá­vel (SER) e da fa­cul­da­de Unin­gá. O ob­je­ti­vo, diz Mon­tei­ro, é res­ga­tar a his­tó­ria da UEM e reu­ti­li­zar a na­tu­re­za pa­ra cri­ar ar­te. “Dou ou­tra vi­da pa­ra a ár­vo­re con­de­na­da que foi cor­ta­da”, diz.

As es­cul­tu­ras fo­ram dis­pos­tas de for­ma es­tra­té­gi­ca a fim de re­me­ter ao pas­sa­do da uni­ver­si­da­de. “A Lei­to­ra”, por exem­plo, fi­ca em fren­te ao blo­co da Pró-Rei­to­ria de Re­cur­sos Hu­ma­nos e As­sun­tos Co­mu­ni­tá­ri­os, lo­cal on­de an­ti­ga­men­te fi­ca­va a Bi­bli­o­te­ca Cen­tral. A se­gun­da es­cul­tu­ra, “O Imi­gran­te”, es­tá pró­xi­ma ao Instituto de Lín­guas e do Instituto de Es­tu­dos Ja­po­ne­ses. Am­bas fo­ram inau­gu­ra­das em 2010. A mais re­cen­te é a obra in­ti­tu­la­da “(“...”)”, que sim­bo­li­za a ori­gem dos mo­vi­men­tos so­ci­ais que exis­ti­ram den­tro da UEM. O ar­tis­ta ex­pli­ca que, no tí­tu­lo in­co­mum da obra, os três pon­tos sig­ni­fi­cam ao mes­mo tem­po tudo e na­da, as as­pas re­pre­sen­tam iro­nia e os pa­rên­te­ses colocam em evi­dên­cia o ide­al. “Es­ta é a mi­nha obra mais ma­du­ra e pro­vo­ca­ti­va até ago­ra por­que me­xe com os âni­mos e dei­xa as pes­so­as des­con­for­tá­veis.”

Mon­tei­ro con­ta que con­ver­sou com ex- fun­ci­o­ná­ri­os e fez uma pes­qui­sa de­ta­lha­da pa­ra ela­bo­rar uma pré­via da es­cul­tu­ra. “(“...”)” é uma más­ca­ra to­tê­mi­ca de três me­tros de al­tu­ra com uma ven­da nos olhos e uma cor­da na bo­ca. Olhan­do mais aten­ta­men­te, per­ce­be-se que a ti­ra de pa­no e o fio não es­tão amar­ra­dos. “Dei­xan­do es­ses dois sen­ti­dos pre­ju­di­ca­dos [vi­são e fa­la], quis pas­sar a ideia de que a pes­soa tem li­ber­da­de pa­ra ex­pres­sar su­as opi­niões, mas, mui­tas ve­zes, achar mais con­for­tá­vel não se ex­por.”

O ar­tis­ta co­me­çou a es­cul­pir aos 16 anos e há oi­to tra­ba­lha pro­fis­si­o­nal­men­te com sua ar­te. Ele tam­bém re­a­li­za cur­sos na UEM nos quais en­si­na es­cul­tu­ra em giz e ar­gi­la. Ele tam­bém mi­nis­tra ofi­ci­nas em es­co­las de Ma­rin­gá. A gran­de mai­o­ria dos seus tra­ba­lhos já foi ven­di­da. Nes­se pe­río­do, par­ti­ci­pou de ex­po­si­ções bra­si­lei­ras e te­ve obras pre­mi­a­das na Mos­tra Pa­ra­na­en­se de Ar­tes Vi­su­ais e no 11º Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Ar­tes, além de fa­zer par­te de uma mos­tra na Eu­ro­pa, em 2006, com uma pe­ça tam­bém fei­ta em ma­dei­ra.

Se­gun­do Mon­tei­ro, a qu­ar­ta e úl­ti­ma obra de­ve­rá fi­car pron­ta no co­me­ço do ano que vem, e se­rá um tra­ba­lho ba­se­a­do em for­ma, vo­lu­me, es­pa­ço e mo­vi­men­to, so­bre a poé­ti­ca do sím­bo­lo da UEM, cri­a­do por Ri­nal­do Cos­ta. É es­pe­rar pa­ra ver, ao ar li­vre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.