Ma­pa de na­ve­ga­ção

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ri­gi­da­men­te ela­bo­ra­da. Não foi as­sim. A co­e­rên­cia de mi­nha tra­je­tó­ria – su­pon­do que exis­ta – foi cons­truí­da de for­ma ra­zo­a­vel­men­te in­tui­ti­va. Pro ssi­o­nal­men­te, co­mo de­vem sa­ber os lei­to­res des­ta co­lu­na, sou pro­fes­sor e his­to­ri­a­dor. Na mi­nha in­fân­cia ou ado­les­cên­cia, se al­guém me per­gun­tas­se o que eu que­ria ser quan­do cres­cer, não ha­via a me­nor pos­si­bi­li­da­de de res­pon­der: “his­to­ri­a­dor”. Não me lem­bro se, na­que­la fa­se, co­gi­tei a hi­pó­te­se de ser pro­fes­sor. Pou­co pro­vá­vel. Aos 17 anos, pa­ra en­trar na uni­ver­si­da­de, fui apro­va­do em ves­ti­bu­lar pa­ra Quí­mi­ca. Co­mo não z pro­gres­sos e não ti­ve es­tí­mu­lo pa­ra com­pen­sar a de­fa­sa­gem en­tre a mi­nha for­ma­ção no en­si­no bá­si­co e a exi­gên­cia do cur­so su­pe­ri­or, pre­fe­ri pa­rar e es­co­lher um no­vo ca­mi­nho. Após um ano de in­ter­va­lo, z ves­ti­bu­lar pa­ra His­tó­ria. Por que uma gui­na­da tão brus­ca?, al­guém po­de­ria per­gun­tar. Ora, após cer­ti car-me que não ti­nha ap­ti­dão pa­ra as Ci­ên­ci­as Exa­tas, con­si­de­rei mais co­e­ren­te pro­mo­ver uma mu­dan­ça drás­ti­ca de ro­ta e in­gres­sei em uma li­cen­ci­a­tu­ra das Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas. En­tre as op­ções dis­po­ní­veis na UEM, tal­vez pu­des­se es­tu­dar Le­tras ou Psi­co­lo­gia, mas z a op­ção pe­la His­tó­ria, em­bo­ra es­sa li­cen­ci­a­tu­ra fos­se um tan­to quan­to des­pres­ti­gi­a­da na épo­ca, re­sul­ta­do das po­lí­ti­cas edu­ca­ci­o­nais da di­ta­du­ra mi­li­tar. Es­cla­re­ço que na UEM, da­das as fa­ci­li­da­des da li­cen­ci­a­tu­ra em Es­tu­dos So­ci­ais, que era es­ti­mu­la­da pe­lo Go­ver­no Fe­de­ral, o cur­so de His­tó­ria che­gou a ser de­sa­ti­va­do. Quan­do en­trei na gra­du­a­ção, o cur­so es­ta­va em fa­se de re­cons­tru­ção, o que era, de cer­ta for­ma, es­ti­mu­lan­te. Pa­ra con­so­li­dar mi­nha op­ção, foi de­ci­si­vo o sen­ti­do de en­ga­ja­men­to a que vi­nha ade­rin­do na­que­le mo­men­to de efer­ves­cên­cia po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Já par­ti­ci­pa­va dos gru­pos de Pas­to­ral da Ju­ven­tu­de e Uni­ver­si­tá­ria, in uen­ci­a­do pe­la Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção. Não cus­ta lem­brar que o Bra­sil vi­via uma das fa­ses da aber­tu­ra po­lí­ti­ca. Em 1982, hou­ve as pri­mei­ras elei­ções di­re­tas pa­ra go­ver­na­dor. No pe­río­do em que fui dis­cen­te do cur­so de His­tó­ria, o País vi­veu gran­des mo­bi­li­za­ções em fa­vor da re­de­mo­cra­ti­za­ção, en­tre as quais po­dem ser des­ta­ca­das a cam­pa­nha “Di­re­tas-Já” pa­ra pre­si­den­te e o mo­vi­men­to pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal Cons­ti­tuin­te. Mais do que uma car­rei­ra pro ssi­o­nal, bus­ca­va com­pre­en­der me­lhor o mun­do em que vi­via. A no­va es­co­lha se mos­trou de ni­ti­va e acer­ta­da com o tem­po. Pas­sa­dos tan­tos anos, não con­si­go ima­gi­nar ou­tra ati­vi­da­de pro ssi­o­nal que pu­des­se me gra­ti car mais. Olhan­do re­tros­pec­ti­va­men­te meu percurso, não pos­so di­zer, co­mo faz o Cha­po­lin Co­lo­ra­do, que meus pas­sos te­nham si­do fri­a­men­te cal­cu­la­dos. Mi­nha tra­je­tó­ria lem­bra mais os ver­sos do gran­de Pau­li­nho da Vi­o­la: “Não sou eu qu­em me na­ve­ga/qu­em me na­ve­ga é o mar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.