A pon­ta do ice­berg

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A Po­lí­cia Fe­de­ral de­sen­ca­de­ou re­cen­te­men­te a de­no­mi­na­da “Ope­ra­ção Porto Se­gu­ro”, com o ob­je­ti­vo de de­sar­ti­cu­lar su­pos­ta or­ga­ni­za­ção in­fil­tra­da em ór­gãos fe­de­rais. O gru­po atu­a­ria na ob­ten­ção de pa­re­ce­res téc­ni­cos frau­du­len­tos pa­ra be­ne­fi­ci­ar in­te­res­ses pri­va­dos. En­tre os prin­ci­pais sus­pei­tos es­tá a che­fe do ga­bi­ne­te da Pre­si­dên­cia da República em São Pau­lo. Gra­va­ções in­di­cam que os in­te­gran­tes atu­a­ri­am em di­ver­sas áre­as do go­ver­no fe­de­ral, com a par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos de al­to es­ca­lão, cau­san­do ele­va­dos pre­juí­zos aos co­fres pú­bli­cos.

Al­guns ques­ti­o­na­men­tos se fa­zem per­ti­nen­tes. Exis­te a ne­ces­si­da­de de o go­ver­no fe­de­ral man­ter um ga­bi­ne­te na ca­pi­tal pau­lis­ta, com dis­pên­di­os al­tís­si­mos e uma sé­rie de ou­tros en­car­gos ine­ren­tes à ma­nu­ten­ção e fun­ci­o­na­men­to? Qual o re­tor­no so­ci­al ao País (ago­ra equi­pa­ra­do a um me­ro ca­bi­de de em­pre­gos)? Di­an­te das far­tas evi­dên­ci­as apre­sen­ta­das, no­ta-se que o prin­ci­pal ob­je­ti­vo é o de pri­vi­le­gi­ar al­guns apa­dri­nha­dos po­lí­ti­cos (prá­ti­ca co­mum nos me­an­dros do poder), fa­to es­te que re­mon­ta a dois man­da­tos do go­ver­no an­te­ri­or. Mas uma dúvida ain­da pai­ra no ar: a pre­si­den­ta não sa­bia de na­da (tam­bém)? E por que de­mo­rou tan­to pa­ra to­mar as de­vi­das pro­vi­dên­ci­as, ou só agiu as­sim quan­do pres­si­o­na­da pe­las cir­cuns­tân­ci­as?

As es­ti­ma­ti­vas da ONU re­ve­lam que a cor­rup­ção bra­si­lei­ra su­pos­ta­men­te es­te­ja quan­ti­fi­ca­da em R$ 200 bi­lhões. Mas o ra­lo foi su­bes­ti­ma­do. Ele é mui­to mai­or, de­ven­do ul­tra­pas­sar fa­cil­men­te a ci­fra as­tronô­mi­ca dos R$ 300 bi­lhões. A es­pe­ran­ça do so­fri­do po­vo bra­si­lei­ro é que a jus­ti­ça pre­va­le­ça. Que se­jam de­vi­da­men­te res­pon­sa­bi­li­za­dos os ban­di­dos de ter­no e gra­va­ta, e que res­ti­tu­am (com ju­ros) os va­lo­res sub­traí­dos cri­mi­no­sa­men­te dos co­fres pú­bli­cos. Já ti­ve­mos uma amos­tra de que o País es­tá no ca­mi­nho cer­to pa­ra coi­bir tais con­du­tas per­ver­sas. O jul­ga­men­to do men­sa­lão” e a con­de­na­ção dos en­vol­vi­dos é uma cla­ra de­mons­tra­ção de que a fa­xi­na mo­ral nas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas es­tá sen­do im­ple­men­ta­da.

Ape­sar dos es­for­ços pa­ra es­tan­car a san­gria inin­ter­rup­ta nos re­cur­sos pú­bli­cos no País, a in­co­e­rên­cia ron­da os de­ten­to­res do poder. A ten­ta­ti­va de im­plan­ta­ção do cha­ma­do “trem­ba­la” en­tre as du­as mai­o­res me­tró­po­les do País é o exem­plo de mais uma obra vi­si­o­ná­ria. Es­ti­ma­do em R$ 70 bi­lhões, cer­ta­men­te o cus­to fi­nal des­se so­nho futurista ja­mais se­rá co­nhe­ci­do. Se­ria tão ur­gen­te pa­ra a na­ção ini­ci­ar um pro­je­to des­sa en­ver­ga­du­ra? Quais os ver­da­dei­ros in­te­res­ses que se ocul­tam sob a som­bra des­sa obra fa­raô­ni­ca? Aca­so os mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros já dis­põem da se­gu­ran­ça ne­ces­sá­ria pa­ra que sua po­pu­la­ção con­si­ga vi­ver em paz? Os edu­ca­do­res des­se País re­ce­bem uma re­mu­ne­ra­ção jus­ta, à al­tu­ra de sua re­le­vân­cia pa­ra a for­ma­ção das no­vas ge­ra­ções? A as­sis­tên­cia à saú­de é efi­ci­en­te o su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der à de­man­da cres­cen­te, e o po­bre é aten­di­do com ex­ce­lên­cia quan­do bus­ca es­se ser­vi­ço na re­de pú­bli­ca? Se nos­sa ba­cia pe­tro­lí­fe­ra é vas­ta e es­ta­mos pró­xi­mos da au­tos­su­fi­ci­ên­cia na ex­tra­ção do óleo, por que os pre­ços dos com­bus­tí­veis es­tão nas al­tu­ras, one­ran­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o cus­to fi­nal dos pro­du­tos e ser­vi­ços? Por que con­vi­ve­mos com uma car­ga tri­bu­tá­ria exor­bi­tan­te, pe­na­li­zan­do es­pe­ci­al­men­te aque­les que não têm co­mo se de­fen­der da fú­ria do fis­co, en­quan­to as ele­va­das ta­xas de ju­ros pa­gas aos in­ves­ti­do­res atra­em ca­da vez mais es­pe­cu­la­do­res ao nos­so sis­te­ma fi­nan­cei­ro?

A per­sis­tir es­se com­por­ta­men­to ime­di­a­tis­ta, a so­ci­e­da­de (mais uma vez) pa­ga­rá a con­ta pe­la in­com­pe­tên­cia ofi­ci­al, co­mo sem­pre acon­te­ce. Con­ti­nu­a­re­mos so­la­pa­dos por um cres­ci­men­to econô­mi­co pí­fio - e o que é pi­or, sem pers­pec­ti­vas pa­ra o fu­tu­ro. A pon­ta do ice­berg aflo­rou, mas é pre­ci­so mui­to mais que ações pon­tu­ais do Ju­di­ciá­rio pa­ra se mu­dar es­se País. É ne­ces­sá­ria uma mu­dan­ça ra­di­cal de ati­tu­des por par­te dos go­ver­nan­tes, com a ado­ção de pos­tu­ras éti­cas e mo­rais com­pa­tí­veis com os an­sei­os da so­ci­e­da­de. O ci­da­dão de bem me­re­ce res­pei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.