ONG te­me 200 mil de­mis­sões se PEC for apro­va­da

En­ti­da­de li­ga­da à clas­se vê lei que es­ten­de be­ne­fí­ci­os tra­ba­lhis­tas co­mo po­si­ti­va, mas te­me que al­ta nos cus­tos crie bar­rei­ra con­tra a for­ma­li­da­de

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com Ma­ri­le­ne dos Santos tra­ba­lha há 7 anos co­mo do­més­ti­ca pa­ra a mes­ma fa­mí­lia em Ma­rin­gá. Aos 40 anos, ela é o bra­ço di­rei­to da pa­troa, e sem­pre te­ve os di­rei­tos tra­ba­lhis­tas res­pei­ta­dos. Tem car­tei­ra as­si­na­da, fé­ri­as, jor­na­da de 8 ho­ras diá­ri­as e sa­lá­rio de R$ 1 mil. “Eu ga­nho bem, eu e mi­nha pa­troa so­mos ami­gas e sem­pre es­tou de bra­ços aber­tos pa­ra o que ela pre­ci­sar.”

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, re­la­ções co­mo es­ta ten­dem a se tor­nar ca­da vez mais ra­ras no Bra­sil, ca­so a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 478/2010 se­ja apro­va­da. Po­pu­lar­men­te cha­ma­da de PEC das Do­més­ti­cas, o tex­to es­ten­de a es­tes tra­ba­lha­do­res os mes­mos di­rei­tos dos de­mais em­pre­ga­dos. O pri­mei­ro pas­so já foi da­do: a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos apro­vou a pro­pos­ta, que ago­ra se­gue pa­ra apre­ci­a­ção do Se­na­do. A ideia do go­ver­no é apro­vá-la até mar­ço.

O Instituto Do­més­ti­ca Le­gal, or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal (ONG) que aju­da o em­pre­ga­do na de­fe­sa de di­rei­tos, te­me a de­mis­são de 200 mil tra­ba­lha­do­res com a apro­va­ção da pro­pos­ta.

A en­ti­da­de afir­ma que as mu­dan­ças são “di­rei­tos jus­tos e me­re­ci­dos”, mas de­fen­de que qu­em con­tra­ta de­va ter be­ne­fí­ci­os, ca­so con­trá­rio o País ve­rá o emprego do­més­ti­co sen­do “di­mi­nuí­do e eli­ti­za­do”. Cál­cu­los da en­ti­da­de apon­tam al­ta de 10% no cus­tos pa­ra o pa­trão ca­so a emen­da en­tre em vi­gor. “Não po­de­mos per­mi­tir que se crie uma lei, que de um la­do pa­re­ce mui­to boa, sem que ha­ja com­ple­men­tos pa­ra per­mi­tir que o em­pre­ga­dor não de­mi­ta a do­més­ti­ca”, ava­lia Ma­rio Avelino, pre­si­den­te do instituto. A PEC, na opi­nião de­le, vai au­men­tar a bar­rei­ra pa­ra a for­ma­li­za­ção. Pa­ra que is­so não acon­te­ça, a en­ti­da­de de­fen­de, jun­to com a emen­da, a apro­va­ção de se­te pro­je­tos pa­ra re­du­zir os cus­tos pa­ra o pa­trão, en­tre os quais o que re­duz o INSS do em­pre­ga­dor de 12% pa­ra 8% e o que tor­na op­ci­o­nal o pa­ga­men­to de mul­ta res­ci­só­ria de 40% so­bre o FGTS em ca­so de de­mis­são. “É jus­to que o tra­ba­lha­dor te­nha os mes­mos di­rei­tos dos de­mais, des­de que o em­pre­ga­dor se­ja re­co­nhe­ci­do e res­pei­ta­do co­mo ge­ra­dor de emprego e ren­da”, diz.

Pa­ra a ad­vo­ga­da tra­ba­lhis­ta Ali­ne Gabriela Pes­ca­ro­li Ca­sa­do, a con­ces­são dos be­ne­fí­ci­os às do­més­ti­cas é po­si­ti­va, mas é pre­ci­so ana­li­sar as con­sequên­ci­as da PEC pa­ra o em­pre­ga­dor. “Vai aca­bar es­ti­mu­lan­do a in­for­ma­li­da­de, por­que o ser­vi­ço vai en­ca­re­cer pa­ra o em­pre­ga­dor”, ana­li­sa. Se­gun­do ela, o tra­ba­lha­dor cor­re o ris­co de ter a jor­na­da re­du­zi­da pa­ra 2 di­as na se­ma­na - quan­do não há vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio e nem di­rei­to a car­tei­ra as­si­na­da, fé­ri­as e 13º sa­lá­rio.

O es­tu­do do IBGE re­ve­lou que o País tem 7,2 mi­lhões de em­pre­ga­dos do­més­ti­cos, dos quais 93% são mu­lhe­res e 57% ne­gras. Não há nú­me­ros so­bre o to­tal de do­més­ti­cas em Ma­rin­gá. O sin­di­ca­to da ca­te­go­ria foi de­sa­ti­va­do há 5 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.