MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

O ris­co não jus­ti­fi­ca

Ou­ro de to­lo

A Fo­lha de S. Pau­lo des­co­briu que um gru­po de cri­mi­no­sos - dois de­les na ca­deia, e três nas ru­as - fi­ze­ram, em 2011, uma con­fe­rên­cia por te­le­fo­ne de qua­se dez ho­ras de du­ra­ção. Iden­ti­fi­ca­dos pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral que in­ter­cep­tou as li­ga­ções co­mo sen­do mem­bros do tal PCC - a vi­o­len­ta fac­ção cri­mi­no­sa que se in­ti­tu­la “Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal” - os ban­di­dos dis­cu­ti­am, na reu­nião vir­tu­al, os negócios de­les: a com­pra e ven­da de dro­gas no Pa­ra­guai e na Bo­lí­via, o en­vio de ma­co­nha e co­caí­na pa­ra São Pau­lo, a dis­tri­bui­ção pa­ra ou­tros Es­ta­dos e os in­ves­ti­men­tos que de­vem ser fei­tos com o di­nhei­ro. In­for­ma­ções pre­ci­o­sas que fa­ci­li­ta­ram o pla­ne­ja­men­to de ações po­li­ci­ais e iden­ti­fi­ca­ção das ra­mi­fi­ca­ções do cri­me. Os pre­sos es­ta­vam na pe­ni­ten­ciá­ria de Pre­si­den­te Venceslau, qua­se na di­vi­sa com o Pa­ra­ná. A ar­ti­ma­nha da po­lí­cia, ga­ran­ti­da por au­to­ri­za­ções ju­di­ci­ais - no Bra­sil, o si­gi­lo te­lefô­ni­co é inex­pug­ná­vel por ga­ran­tia cons­ti­tu­ci­o­nal - é sin­gu­lar. Dei­xa os ban­di­dos pro­du­zi­rem pro­va con­tra eles mes­mos e en­tre­ga­rem à po­lí­cia o “mo­dus ope­ran­di”. Pa­re­ce, por­tan­to, uma ação in­te­li­gen­te e be­né­fi­ca pa­ra o con­jun­to da so­ci­e­da­de. Afi­nal, dei­xam os ban­di­dos agi­rem pa­ra depois os pren­de­rem. Ou au­men­tar as pe­nas, pa­ra o ca­so da­que­les que já es­tão em ca­na. Pois é! Mas, co­mo en­si­na o adá­gio po­pu­lar, nem tudo o que pa­re­ce, é. E, nes­se ca­so, não é mes­mo. Aliás, é a se­nha pa­ra a com­pre­en­são de mui­tas coi­sas que acon­te­cem e si­nal de aler­ta pa­ra ou­tras que po­dem es­tar acon­te­cen­do.

Chez moi

Até ho­je ne­nhu­ma au­to­ri­da­de po­li­ci­al deu res­pos­ta con­vin­cen­te pa­ra o fa­to de não ha­ver sis­te­ma efe­ti­vo que im­pe­ça o fun­ci­o­na­men­to de ce­lu­la­res nas uni­da­des pri­si­o­nais. Além do es­cra­cho pú­bli­co de se re­sig­nar à en­tra­da in­con­tro­lá­vel de apa­re­lhos ce­lu­la­res nas pri­sões, há uma in­da­ga­ção que é pa­ra­do­xal: co­mo os pre­sos fa­zem pa­ra car­re­gar os apa­re­lhos? Por aca­so as ce­las têm to­ma­das pa­ra ali­men­tar ele­tro­e­le­trô­ni­cos? Ora, o má­xi­mo que se po­de per­mi­tir de ins­ta­la­ção elé­tri­ca em uma ce­la é a lâm­pa­da. Que de­ve ser blin­da­da pa­ra que os pre­sos não usem a ele­tri­ci­da­de co­mo ar­ma. É o bá­si­co. Co­mo, en­tão, os pre­sos po­dem fa­zer con­fe­rên­ci­as por te­le­fo­ne, ou ain­da, con­ti­nu­ar uti­li­zan­do des­ta comunicação ce­lu­lar pa­ra pra­ti­car cri­mes?

Efei­to co­la­te­ral

Bem, quan­do a po­lí­cia per­mi­te a uti­li­za­ção des­ses sub­ter­fú­gi­os pa­ra de­sen­vol­ver ações de re­pres­são, ad­mi­te que a fa­ci­li­da­de cor­re frou­xa no sis­te­ma pri­si­o­nal bra­si­lei­ro. Em­bo­ra em um pri­mei­ro mo­men­to pa­re­ça in­te­li­gen­te e be­né­fi­co pa­ra a so­ci­e­da­de, o que o me­ca­nis­mo mos­tra é uma fra­gi­li­da­de imen­sa do sis­te­ma. Do mo­do se­me­lhan­te on­de as in­ter­cep­ta­ções aju­dam a po­lí­cia a agir, tam­bém fa­ci­li­tam pa­ra que ines­cru­pu­lo­sos usem do ar­ti­fí­cio pa­ra ex­tor­quir os pró­pri­os pre­sos. Ou vo­cê acha que is­so não acon­te­ce? Co­mo em to­dos os se­to­res da so­ci­e­da­de, de sor­te em to­das as pro­fis­sões, há os bons pro­fis­si­o­nais e os mal-in­ten­ci­o­na­dos. E, cla­ro, tam­bém os há den­tro da po­lí­cia e de qu­em há de cui­dar dos pre­sos. Se in­ter­cep­ta­ções fun­ci­o­nam pa­ra o bem, aju­dan­do a pren­der ban­di­dos, tam­bém fun­ci­o­nam pa­ra o mal, apro­fun­dan­do o ca­rá­ter cri­mi­no­so des­te con­ta­to com in­for­ma­ções va­li­o­sas.

Pe­la for­ça

Já pas­sou da ho­ra de se im­plan­tar, por or­dem e lei fe­de­ral, me­ca­nis­mos com­pul­só­ri­os pa­ra o blo­queio dos ce­lu­la­res nas uni­da­des pri­si­o­nais. E não se ve­nha fa­lar que is­so é di­fí­cil de fa­zer: di­fí­cil, ho­je, é con­se­guir si­nal pa­ra fa­lar em um sis­te­ma de comunicação ce­lu­lar que an­da bei­ran­do o caos. Não há ar­gu­men­to que jus­ti­fi­que a pre­sen­ça de ce­lu­la­res e car­re­ga­do­res den­tro das pri­sões. Nem um úni­co. Mui­to me­nos que os ban­di­dos te­nham li­vre aces­so ao si­nal de te­le­fo­nia. Is­so só ocor­re, por­que há gen­te in­te­res­sa­da em que as con­ver­sas dos pre­sos per­du­rem. Se­ja pa­ra fa­ci­li­tar ações con­tra o cri­me, se­ja pa­ra se apro­vei­tar de­las. O ris­co da al­ter­na­ti­va não jus­ti­fi­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.