De vol­ta

SU­CES­SO car­rei­ra e

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com A car­rei­ra dos mú­si­cos José Lima So­bri­nho e Dur­val de Lima, co­nhe­ci­dos na­ci­o­nal­men­te co­mo Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró, co­me­ça na dé­ca­da de 1970, no in­te­ri­or do Pa­ra­ná, na ci­da­de de As­tor­ga (50 quilô­me­tros dis­tan­tes de Ma­rin­gá), on­de nas­ce­ram. Re­tor­nar às nos­tál­gi­cas ci­da­des in­te­ri­o­ra­nas, além de le­van­tar a po­ei­ra da ter­ra aver­me­lha­da le­van­ta tam­bém a emo­ção de es­tar no­va­men­te em con­ta­to com a pró­pria his­tó­ria. Per­cor­ren­do um ca­mi­nho ár­duo há mais de qua­tro dé­ca­das, a du­pla man­tém o pi­que e sus­ten­ta a car­rei­ra com o mes­mo ca­ris­ma e en­tu­si­as­mo do iní­cio, quan­do, ain­da me­ni­nos, co­me­ça­ram a se apre­sen­tar em cir­cos pa­ra um pú­bli­co (quan­do exis­tia) bem re­du­zi­do.

Da ori­gem sim­ples pa­ra o acú­mu­lo de 35 mi­lhões de dis­cos ven­di­dos, lan­ça­men­to de 34 ál­buns iné­di­tos, seis DVDs, dois Grammy e cen­te­nas de par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais em pro­gra­mas de rá­dio e TV, ca­be ain­da a sau­da­de de tem­pos idos e da de­di­ca­ção pa­ra par­ti­ci­pa­rem ati­va­men­te do de­sen­vol­vi­men­to do ser­ta­ne­jo no ce­ná­rio atu­al, in­flu­en­ci­an­do vá­ri­os ar­tis­tas do ra­mo. Di­ver­sas du­plas ho­je se ins­pi­ram nas mo­das que fi­ze­ram su­ces­so ao lon­go da es­tra­da de Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró, e ho­je di­vi­dem pal­co com os ído­los, co­mo no ca­so do Fer­nan­do & So­ro­ca­ba, que gra­va­ram uma mú­si­ca com eles.

“Pes­so­al de Ma­rin­gá, es­ta­re­mos aí pa­ra le­var mui­ta ani­ma­ção a vo­cês. Va­mos can­tar to­dos os sucessos e fa­zer com

CHI­TÃO­ZI­NHO

- To­do iní­cio de car­rei­ra é bem di­fí­cil. O iní­cio da nos­sa car­rei­ra, há mais de 40 anos, já foi bem di­fí­cil, nos apre­sen­tá­va­mos em cir­cos, mui­tas ve­zes os in­ves­ti­men­tos dos shows saíam do nos­so pró­prio bol­so. Acre­di­to que se es­tou­rás­se­mos ago­ra, co­me­ça­ría­mos do mes­mo jei­to, nos apre­sen­tan­do em lu­ga­res me­no­res. Mas acho que as di­fi­cul­da­des de um iní­cio de car­rei­ra sem­pre te­ría­mos, há mais de 40 anos ou ago­ra. Xo­ro­ró: O pú­bli­co sem­pre nos mo­ti­va. A ale­gria trans­mi­ti­da pe­lo pú­bli­co sem­pre nos im­pul­si­o­na a can­tar e, sem­pre, bus­car o me­lhor de nós mes­mos. Xo­ro­ró: Con­quis­ta­mos o nos­so pú­bli­co e o nos­so es­pa­ço gra­ças a mui­to es­for­ço e de­di­ca­ção. Ter o nos­so pú­bli­co nos acom­pa­nhan­do já nos é mui­to gra­ti­fi­can­te. Chi­tão­zi­nho: Com cer­te­za! As­tor­ga foi o nos­so co­me­ço e é sem­pre bom poder vol­tar e en­con­trar um pú­bli­co tão ca­lo­ro­so co­mo te­mos no Pa­ra­ná. Nos sen­ti­mos sem­pre em ca­sa.

Amaury Si­mões

Na­tu­rais de As­tor­ga, in­te­ri­or do Es­ta­do, a du­pla ser­ta­ne­ja Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró co­me­mo­ra a tra­je­tó­ria com 12 shows por to­do o Bra­sil, um em Ma­rin­gá; os mú­si­cos têm 34 ál­buns iné­di­tos gra­va­dos e seis DVDs

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.