O amor

Es­pe­tá­cu­lo “Lou­co Amor” res­pei­ta es­sên­cia de “O Be­lo In­de­fe­ren­te”, de Coc­te­au, mas in­ver­te papéis ten­do na fi­gu­ra do ho­mem um aman­te so­fre­dor

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

re­da­cao@odi­a­rio.com Edith Pi­af co­nhe­ceu Je­an Coc­te­au du­ran­te um jan­tar. A can­to­ra fran­ce­sa fi­cou tão en­can­ta­da com o ta­len­to do po­e­ta que pe­diu pa­ra que ele lhe es­cre­ves­se uma mú­si­ca. Mas Coc­te­au aca­bou pro­du­zin­do uma pe­ça te­a­tral ba­se­a­da na re­la­ção amo­ro­sa que Pi­af man­ti­nha com o ator Paul Meu­ris­se. “O Be­lo In­di­fe­ren­te” es­tre­ou em Pa­ris, em 1940, com a atu­a­ção de Pi­af. Foi su­ces­so de pú­bli­co e crí­ti­ca.

Uma re­per­cus­são po­si­ti­va tal co­mo es­ta, po­rém em me­nor es­ca­la, é o que es­pe­ra Mar­cos Trin­da­de, di­re­tor e ator do es­pe­tá­cu­lo “Lou­co Amor”, que faz uma adap­ta­ção da his­tó­ria de Coc­te­au e que se­rá apre­sen­ta­do ama­nhã, às 21h, no Te­a­tro Bar­ra­cão, pe­lo pro­je­to Con­vi­te ao Te­a­tro.

A es­sên­cia do en­re­do per­ma- ne­ce a mes­ma: um mo­nó­lo­go com dois per­so­na­gens, no qual um fa­la e ou­tro se ca­la. No ori­gi­nal, uma can­to­ra sus­ten­ta fi­nan­cei­ra­men­te o com­pa­nhei­ro, por qu­em nu­tre gran­de de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal. Ele a tra­ta com in­di­fe­ren­ça e só a pro­cu­ra por cau­sa do di­nhei­ro. O que há de di­fe­ren­te em “Lou­co amor” é a in­ver­são de papéis. Qu­em so­fre com a fri­e­za e in­te­res­se do aman­te é o ho­mem. “Ten­ta­mos mos­trar co­mo se­ria a re­a­ção do ho­mem nes­sa si­tua- ção de hu­mi­lha­ção. Pa­ra is­so, da­mos um en­fo­que na­tu­ra­lis­ta que bus­ca o que há de mais hu­ma­no nes­se amor ob­ses­si­vo”, ex­pli­ca Trin­da­de.

Uma pol­tro­na, o aba­jur e o te­le­fo­ne so­bre o cri­a­do mu­do, ca­rac­te­ri­zam o ce­ná­rio. Du­ran­te a ma­dru­ga­da, um cantor es­pe­ra seu amor na sa­la de es­pe­ra de um ho­tel. Ela che­ga sem di­zer pa­la­vra; ele ten­ta, por to­dos os mei­os, atrair sua aten­ção, mas ne­nhu­ma es­tra­té­gia pa­re­ce su­fi­ci­en­te: iro­nia, rai­va, se­du­ção, con­fi­dên- ci­as, de­nún­ci­as, na­da. Ele con­se­gui­rá rom­per es­sa in­di­fe­ren­ça si­len­ci­o­sa? É o que o pú­bli­co des­co­bri­rá quan­do for as­sis­tir ao es­pe­tá­cu­lo, ga­ran­te o di­re­tor.

Re­lei­tu­ras

Pou­co mon­ta­do no Bra­sil, “O Be­lo In­di­fe­ren­te” ga­nhou, nos anos 80 e 90, atu­a­ções mar­can­tes co­mo as de He­le­na Ig­nez, Glau­ce Ro­cha e Maria Ali­ce Ver­guei­ro e ca­re­ce de re­lei­tu­ras con­tem­po­râ­ne­as. Trin­da­de diz que es­co­lheu o tex­to de Coc­te- au por­que ele e a mu­lher pro­cu­ra­vam um tex­to que am­bos pu­des­sem atu­ar.

Trin­da­de afir­ma que não tem me­do de co­lo­car o tex­to do dra­ma­tur­go em sa­cri­lé­gio e que es­tá curioso pa­ra sen­tir a re­a­ção do pú­bli­co. “É uma ex­pe­ri­ên­cia pe­ri­go­sa e ou­sa­da, mas es­ta­mos dis­pos­tos a ar­ris­car. Acre­di­to que vai ha­ver uma iden­ti­fi­ca­ção for­te do pú­bli­co com a tra­ma por­que é al­go que acon­te­ce na vi­da re­al. Mui­tas pes­so­as so­frem por amor.”

Jack­son Yo­ne­gu­ra

Mar­cos Trin­da­de, di­re­tor e ator do es­pe­tá­cu­lo, em ce­na de “Lou­co Amor”, ou­sa­da re­lei­tu­ra de clás­si­co de Je­an Coc­te­au

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.