Na­tal: Co­mo es­co­lher o pre­sen­te pa­ra as cri­an­ças?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Es­tá che­gan­do o Na­tal, tra­di­ci­o­nal fe­ri­a­do cris­tão que, além do ob­je­ti­vo prin­ci­pal de se co­me­mo­rar o nas­ci­men­to de Je­sus de Na­za­ré, cos­tu­mei­ra­men­te há co­me­mo­ra­ções em sua vés­pe­ra, com tro­ca de pre­sen­tes en­tre ami­gos e fa­mi­li­a­res. Cer­ta­men­te as cri­an­ças aguar­dam, com an­si­e­da­de, re­ce­ber pre­sen­tes de pais, fa­mi­li­a­res e ami­gos.

Con­tu­do, pa­ra que a ale­gria de abrir um brin­que­do no­vo não se trans­for­me em lá­gri­mas, é pre­ci­so to­mar al­guns cui­da­dos ao com­prar o pre­sen­te da cri­an­ça.

A pri­mei­ra di­ca é ja­mais com­prar um brin­que­do de pro­ce­dên­cia du­vi­do­sa, prin­ci­pal­men­te os que são fru­tos de contrabando e/ou ven­di­dos pe­los ca­melôs. Es­ses brin­que­dos po­dem con­ter de­fei­tos de fa­bri­ca­ção e po­dem ma­chu­car as cri­an­ças. Mui­tos de­les sol­tam pe­que­nas pe­ças de sua com­po­si­ção, que po­dem ser en­go­li­das ou as­pi­ra­das. Ou­tros po­dem ser fa­bri­ca­dos com pro­du­tos tó­xi­cos, que po­dem con­ta­mi­nar a cri­an­ça. Há ain­da os que não têm uma li­mi­ta­ção de vo­lu­me e po­dem oca­si­o­nar pre­juí­zo au­di­ti­vo. É pos­sí­vel ain­da que uma par­te do brin­que­do que­bre e dei­xe à mos­tra uma pon­ta ca­paz de fu­rar, ou uma las­ca que po­de cor­tar a cri­an­ça. Há tam­bém os que po­dem ser de fá­cil in­fla­ma­bi­li­da­de - pe­gam fo­go com fa­ci­li­da­de.

É bom lem­brar que es­ses pro­du­tos, que en­tram em nos­so País de for­ma clan­des­ti­na, não têm ne­nhum ti­po de ga­ran­tia. Qual­quer da­no que pos­sa oca­si­o­nar à cri­an­ça não se­rá pas­sí­vel de res­sar­ci­men­to cí­vel ou qual­quer ou­tro ti­po de res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal. É a apli­ca­ção li­te­ral da fra­se “o ba­ra­to sai ca­ro.”

Por es­sas ra­zões de­ve-se com­prar brin­que­dos com pro­ce­dên­cia. A cons­ta­ta­ção é mui­to fá­cil. Bas­ta ve­ri­fi­car, na em­ba­la­gem do pro­du­to, o se­lo de cer­ti­fi­ca­ção do In­me­tro, pois to­dos os brin­que­dos co­mer­ci­a­li­za­dos le­gal­men­te no Bra­sil, pa­ra cri­an­ças de até 14 anos, de­vem ter es­se cer­ti­fi­ca­do, in­de­pen­den­te­men­te se o pro­du­to é na­ci­o­nal ou im­por­ta­do. Se o brin­que­do con­tém es­se se­lo é por­que foi apro­va­do a to­dos os tes­tes sub­me­ti­dos.

Sen­do o brin­que­do cer­ti­fi­ca­do pe­lo In­me­tro, é de se con­sig­nar uma ou­tra di­ca, que é a ve­ri­fi­ca­ção se o brin­que­do com­pra­do é ade­qua­do à fai­xa etá­ria da cri­an­ça, pois um pro­du­to cer­ti­fi­ca­do pa­ra cri­an­ças de 6-8 anos pos­si­vel­men­te é ina­pro­pri­a­do pa­ra as de fai­xa etá­ria 2-3 anos.

É bom lem­brar tam­bém que além de ina­de­qua­da, é proi­bi­da, pe­la Lei nº 9.437/1997, a fa­bri­ca­ção, ven­da, co­mer­ci­a­li­za­ção ou im­por­ta­ção de brin­que­dos que se cons­ti­tu­em em ré­pli­cas ou si­mi­la­res de armas de fo­go.

Ain­da va­le con­sig­nar que se o pro­du­to com­pra­do apre­sen­tar al­gum de­fei­to ou ví­cio e es­se pu­der ser con­ser­ta­do, o for­ne­ce­dor é obri­ga­do a re­pa­rá-lo em 30 di­as. Após es­se pra­zo, de­ve tro­cá-lo ou de­vol­ver o va­lor pa­go pe­lo mes­mo. Já nos ca­sos em que o pro­du­to não po­de ser con­ser­ta­do, de­ve ser tro­ca­do ime­di­a­ta­men­te.

As tro­cas por in­sa­tis­fa­ção, tal co­mo cor ou mo­de­lo, não são obri­ga­tó­ri­as, mas são co­mu­men­te acei­tas pe­los for­ne­ce­do­res. Mas aten­ção: não re­ti­re a eti­que­ta do pro­du­to e ob­ser­ve as in­for­ma­ções que a acom­pa­nham, co­mo pra­zo da tro­ca, os di­as e as hi­pó­te­ses nas quais po­de ser re­a­li­za­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.