MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO -

Uma par­te de nós

Lan­ça­do por ele mes­mo no pri­mei­ro go­ver­no, o pro­je­to Ágo­ra de Ma­rin­gá, en­co­men­da­do ao ar­qui­te­to Os­car Ni­e­meyer foi se­pul­ta­do de vez no se­gun­do man­da­to de Said Fe­lí­cio Fer­rei­ra. Pa­ra qu­em não co­nhe­ce a his­tó­ria, Said en­co­men­dou ao es­cri­tó­rio de Ni­e­meyer um gran­de pro­je­to pa­ra a área com­pre­en­di­da en­tre as ave­ni­das Ta­man­da­ré e João Pau­li­no, de­li­mi­ta­da pe­las ave­ni­das São Pau­lo e Pa­ra­ná. Um re­tân­gu­lo en­cra­va­do no Cen­tro da ci­da­de, on­de fun­ci­o­na­va o pá­tio de ma­no­bras da Re­de Fer­ro­viá­ria Fe­de­ral. É o pro­je­to do No­vo Cen­tro. O que veio foi um de­se­nho gran­di­o­so, com du­as enor­mes tor­res e uma am­pla área aber­ta. Ar­ro­jo to­tal, co­mo já mos­tra­do nos mo­nu­men­tais edi­fí­ci­os da Ca­pi­tal Fe­de­ral. Ha­via, no pro­je­to, vá­ri­os equi­pa­men­tos e pré­di­os pú­bli­cos, além de ou­tros a se­rem des­ti­na­dos à ex­plo­ra­ção da ini­ci­a­ti­va pri­va­da. No pa­pel, um des­lum­bre. A ma­que­te fi­cou exposta mui­tos anos no átrio da pre­fei­tu­ra pa­ra qu­em qui­ses­se so­nhar. O pro­je­to de Ni­e­meyer, co­mo de res­to to­dos os que le­vou à con­clu­são nas inú­me­ras ci­da­des que ar­ro­ja­ram con­tra­tá-lo, foi ba­se­a­do na pre­mis­sa do in­ves­ti­men­to pú­bli­co, des­pre­zan­do o pres­su­pos­to do lu­cro. Ni­e­meyer era co­mu­nis­ta, pen­sa­va co­mo co­mu­nis­ta e pro­je­ta­va co­mo co­mu­nis­ta. E a ci­da­de não ti­nha o di­nhei­ro pa­ra trans­for­mar as be­lís­si­mas li­nhas de­se­nha­das na pran­che­ta de­le em con­cre­to ar­ma­do.

Al­ter­na­ti­va

Ten­tan­do dar um jei­to na si­tu­a­ção, o pre­fei­to Ricardo Bar­ros (PP), que vez o man­da­to en­san­dui­cha­do pe­las du­as ges­tões de Said, pôs a ven­da as li­cen­ças de cons­tru­ção dos equi­pa­men­tos pri­va­dos, co­mo pos­tos de com­bus­tí­veis e ho­téis, que es­ta­vam de­se­nha­dos no so­nha­do Ágo­ra. Bem, sim­ples­men­te não apa­re­ce­ram in­te­res­sa­dos. Pri­mei­ro, por­que a ideia era ven­der as con­ces­sões e, com o di­nhei­ro ar­re­ca­da­do, le­van­tar o pro­je­to. Ló­gi­co que o cus­to dos ter­re­nos vi­rou uma im­pra­ti­ca­bi­li­da­de. Depois, por­que o aven­tu­rei­ro que se dis­pu­ses­se a edi­fi­car na­que­le lo­cal só podia fa­zer aqui­lo o que foi pro­je­ta­do. Com to­dos os cus­tos ad­ja­cen­tes de um pro­je­to de in­te­gra­ção am­pla. En­fim, o Ágo­ra fez água. Ricardo ain­da tentou, em Brasília, fi­nan­ci­a­men­tos pú­bli­cos pa­ra a em­prei­ta­da. Pa­rou na fal­ta de di­nhei­ro de uma das mais gra­ves cri­ses que o País já en­fren­tou, depois do con­fis­co da poupança do iní­cio do go­ver­no Col­lor. Sem di­nhei­ro pú­bli­co, sem fi­nan­ci­a­dor pri­va­do, o pro­je­to foi pa­ra a ga­ve­ta.

Cai­xa

Said Fer­rei­ra vol­tou ao go­ver­no com o ape­ti­te de trans­for­mar aque­la área en­cra­va­da no Cen­tro da ci­da­de em um gran­de can­tei­ro de obras. Pas­sou nos co­bres os ter­re­nos em uma sub­di­vi­são que deu nis­so que a gen­te vê ago­ra: um pré­dio co­la­do no ou­tro, on­de uma do­na de ca­sa po­de pe­dir uma xí­ca­ra de açú­car pa­ra a vi­zi­nha no ou­tro pré­dio pe­la ja­ne­la da co­zi­nha. Po­de ser mui­to bom pa­ra pôr a fo­fo­ca em dia, mas pa­ra se­car a rou­pa no in­ver­no é um mar­tí­rio. Bem, o Ágo­ra de Ni­e­meyer só vi­ve na ma­que­te e na his­tó­ria do que po­de­ria ter si­do. Er­ra­ram, Said e Ricardo? Bem, olhan­do pa­ra trás com os olhos de ho­je e com a eco­no­mia de ago­ra, po­de-se até con­cor­dar. Mas lá, no ca­lor do pro­ble­ma, na fal­ta de re­cur­sos e o en­cla­ve inú­til que en­fei­a­va a ci­da­de, não dá pa­ra acu­sar. Dá, ape­nas, pa­ra pon­de­rar.

Op­ções

Tal­vez se ti­vés­se­mos a con­cre­ti­za­ção da­que­le pro­je­to, ho­je, ga­nha­ría­mos pu­bli­ci­da­de gra­tui­ta no no­ti­ciá­rio in­ter­na­ci­o­nal. O pro­je­to era mes­mo mui­to ba­ca­na. Mas, va­le­ria o in­ves­ti­men­to? O re­bai­xa­men­to da li­nha fér­rea e o Con­tor­no Nor­te já con­su­mi­ram jun­tos meio bi­lhão de re­ais que po­de­ri­am, em úl­ti­ma aná­li­se, ser em­pre­ga­dos em in­ves­ti­men­tos al­ter­na­ti­vos pa­ra a mo­bi­li­da­de ur­ba­na, co­mo a ins­ta­la­ção de um VLT, por exem­plo. In­clu­si­ve, usan­do o pró­prio lei­to su­per­fi­ci­al da re­de fér­rea. Mas, a de­ci­são de lá atrás foi to­ma­da e, ho­je, te­mos uma ci­da­de ou­sa­da que ti­rou o trem da vis­ta e dos cru­za­men­tos com as ru­as e ave­ni­das. Foi a me­lhor es­co­lha? A his­tó­ria di­rá. O fa­to é que Ni­e­meyer, que nos dei­xou nes­ta qu­ar­ta-fei­ra tem mui­to a ver com as de­ci­sões que to­ma­mos. E a vi­da é is­so mes­mo, uma sequên­cia de de­ci­sões que nos faz ser­mos o que so­mos. Mes­mo não edi­fi­ca­do, Ni­e­meyer é par­te da nos­sa his­tó­ria e par­te do que so­mos ho­je.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.