Hi­po­con­dria

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

psi­co­ló­gi­co do­mi­na o fí­si­co e te der­ru­ba, mes­mo sem um mo­ti­vo fi­si­o­ló­gi­co pa­ten­te – hi­po­con­dría­cos são ca­sos clás­si­cos. So­mos to­dos do­mi­na­dos por sen­sa­ções, e uma das mais po­de­ro­sas é o me­do. Os hormô­ni­os que acom­pa­nham es­se es­ta­do de aler­ta cau­sam al­te­ra­ções fí­si­cas – au­men­to do ba­ti­men­to car­día­co, às ve­zes até tre­mo­res. Não por aca­so, es­ses mes­mos hormô­ni­os es­tão re­la­ci­o­na­dos ao es­tres­se. Se a an­si­e­da­de é um pas­so an­te­ri­or ao me­do, a evo­lu­ção des­se es­ta­do pa­ra ní­veis exa­ge­ra­dos de­sem­bo­ca no pa­vor. Há pes­so­as que têm pa­vor de mé­di­cos – eu sou uma de­las, e olha que te­nho um ir­mão nes­sa pro­fis­são. Ou­tros des­mai­am ao ver ba­ra­tas ou o ca­ra do RH olhan­do de ma­nei­ra es­tra­nha. Qu­em exa­ge­ra na do­se sem mo­ti­vo apa­ren­te po­de ser um neu­ró­ti­co (na ver­da­de, pa­re­ce que a ex­pres­são cor­re­ta é “por­ta­dor de trans­tor­no da an­si­e­da­de”). Há tam­bém o “trans­tor­no de­li­ran­te pa­ra­nói­de”, quan­do a pes­soa se ima­gi­na à mer­cê de um per­se­gui­dor im­pla­cá­vel – es­sa eu co­nhe­ço co­mo “ma­nía­co per­se­cu­tó­rio”. Se­rá que um hi­po­con­dría­co é um ma­nía­co per­se­cu­tó­rio? Nes­se ca­so, qu­em es­tá atrás da pes­soa? A mor­te? Não sou psi­có­lo­go nem psi­qui­a­tra. Mi­nha hi­po­con­dria é tão in­ten­sa e ful­mi­nan­te que, se mé­di­co fos­se, mor­re­ria com os sin­to­mas dos meus pa­ci­en­tes após umas três con­sul­tas. Em um qua­dro co­mo es­se, os con­se­lhos do iní­cio do tex­to na­da va­lem. A eli­mi­na­ção de um pro­ble­ma é se­gui­da, pe­lo sur­gi­men­to de um no­vo fac­tói­de. E as­sim a vi­da pas­sa. Um ami­go co­men­tou que, ge­ral­men­te, hi­po­con­dría­cos são pes­so­as mui­to in­te­li­gen­tes. Co­mo ele tam­bém so­fre des­se trans­tor­no, tal­vez es­te­ja di­zen­do is­so pa­ra se sen­tir me­lhor. O fa­to é que eu já me sen­ti ime­di­a­ta­men­te ali­vi­a­do com a sen­ten­ça. Fei­to Pollya­na, encontrei al­go de po­si­ti­vo nes­sa con­di­ção tão Uma coi­sa é cer­ta: po­de ser que a vi­da se­ja bem me­nos di­ver­ti­da pa­ra um hi­po­con­dría­co. Mas que ela é vi­vi­da in­ten­sa­men­te, ah!, is­so é. Pe­ço li­cen­ça ago­ra, pois pre­ci­so ir bus­car o re­sul­ta­do de uns exa­mes que, pro­va­vel­men­te, vão apon­tar que na­da te­nho. De­vem es­tar to­dos er­ra­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.