Câm­pus 2 da UEM no Con­tor­no Nor­te

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A his­tó­ria da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) te­ve iní­cio ofi­ci­al­men­te em 6/11/69, na for­ma da Lei Es­ta­du­al no 6034, que au­to­ri­zou sua cri­a­ção agre­gan­do à mes­ma a Fa­cul­da­de Es­ta­du­al de Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas, a Fa­cul­da­de Es­ta­du­al de Di­rei­to, a Fun­da­ção Fa­cul­da­de de Fi­lo­so­fia, Ci­ên­ci­as e Le­tras e o Instituto de Ci­ên­ci­as Exa­tas e Tec­no­ló­gi­cas.

A UEM, à épo­ca, ofe­re­cia 7 cur­sos de gra­du­a­ção (Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas, Di­rei­to, His­tó­ria, Ge­o­gra­fia, Ci­ên­ci­as do 1º Grau, Le­tras An­glo-por­tu­gue­sas e Le­tras Fran­co­por­tu­gue­sas). As au­las eram mi­nis­tra­das nas an­ti­gas ins­ta­la­ções do Co­lé­gio Gas­tão Vi­di­gal, ho­je Instituto de Edu­ca­ção, e no Co­lé­gio Ma­ris­ta.

Pos­te­ri­or­men­te, de 1970 a 1976, veio ocor­ren­do gra­du­al­men­te a ocu­pa­ção do seu câm­pus de­fi­ni­ti­vo, com a UEM já ofe­re­cen­do 15 cur­sos de gra­du­a­ção. En­tre 1973 e 1974, a mai­o­ria dos es­tu­dan­tes já se en­con­tra­va aco­mo­da­da no câm­pus se­de, iden­ti­fi­ca­do ho­je em dia en­tre a Vi­la Es­pe­ran­ça e a Ave­ni­da Co­lom­bo.

Atu­al­men­te, a UEM ofe­re­ce mais de 60 cur­sos de gra­du­a­ção e 50 de pós-gra­du­a­ção stric­to sen­su (mes­tra­do e dou­to­ra­do), com 22,6 mil es­tu­dan­tes ma­tri­cu­la­dos na gra­du­a­ção e 2,3 mil na pós-gra­du­a­ção. Nes­ses seus 43 anos, di­plo­mou apro­xi­ma­da­men­te 51,9 mil pro­fis­si­o­nais; ain­da tem qua­se 1.630 do­cen­tes e 2.640 agen­tes/téc­ni­cos.

Con­tu­do, va­le des­ta­car que o cres­ci­men­to ob­ser­va­do na UEM nos úl­ti­mos anos, in­de­pen­den­te­men­te da épo­ca, sem­pre ocor­reu num rit­mo dis­tin­to da­que­le da li­be­ra­ção de re­cur­sos pa­ra in­fra­es­tru­tu­ra e pes­so­al à ins­ti­tui­ção pe­lo Es­ta­do. Da mes­ma for­ma, é in­ques­ti­o­ná­vel que acom­pa­nha­do dos be­ne­fí­ci­os opor­tu­ni­za­dos pe­lo pro­gres­so da ins­ti­tui­ção à co­mu­ni­da­de lo­cal, re­gi­o­nal e es­ta­du­al, tam­bém vi­e­ram jun­ta­men­te al­guns com­pli­ca­do­res à ci­da­de, de­cor­ren­tes da ocu­pa­ção ter­ri­to­ri­al e do de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co do mu­ni­cí­pio no ei­xo nor­te-sul.

Em par­ti­cu­lar, a par­tir de 2005 vi­e­mos acom­pa­nhan­do a in­ten­si­fi­ca­ção do de­ba­te pau­ta­do na te­se da de­sobs­tru­ção do trá­fe­go nor­te-sul por in­ter­mé­dio de tú­nel e ave­ni­da atra­ves­san­do o câm­pus da UEM, cu­jas pro­pos­tas sub­me­ti­das aos con­se­lhos su­pe­ri­o­res da uni­ver­si­da­de até o mo­men­to fo­ram to­das re­jei­ta­das.

A es­se res­pei­to ca­be a se­guin­te re­fle­xão: evi­den­te­men­te não res­tam dú­vi­das que a op­ção ex­pan­si­o­nis­ta e de­sen­vol­vi­men­tis­ta da UEM im­por­ta­rá ca­da vez mais em de­man­da ter­ri­to­ri­al. Sen­do as­sim, por que não per­mu­tar-se al­guns recortes ter­ri­to­ri­ais sig­ni­fi­ca­ti­vos do câm­pus por uma área nas pro­xi­mi­da­des do Con­tor­no Nor­te de Ma­rin­gá pa­ra a ins­ta­la­ção futura do câm­pus 2 da UEM?

Afi­nal, por que não?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.