Pai­çan­du li­de­ra al­ta de ho­mi­cí­di­os

Ci­da­de viu o nú­me­ro de as­sas­si­na­tos sal­tar de três pa­ra 19, no com­pa­ra­ti­vo de ja­nei­ro a no­vem­bro de 2011 e 2012, a mai­or al­ta na re­gião da 9ª Sub­di­vi­são

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Ter­cei­ro mai­or mu­ni­cí­pio da re­gião me­tro­po­li­ta­na de Ma­rin­gá, Pai­çan­du é re­cor­dis­ta no au­men­to de ho­mi­cí­di­os do­lo­sos en­tre as 25 ci­da­des que es­tão na área de ju­ris­di­ção da 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP). En­tre ja­nei­ro e no­vem­bro des­te ano, Pai­çan­du con­ta­bi­li­zou 19 as­sas­si­na­tos, con­tra ape­nas três no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do - uma al­ta de 533%. Com­pa­ra­do com o ín­di­ce con­si­de­ra­do to­le­rá­vel pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), que es­ta­be­le­ce ta­xa de 10 ho­mi­cí­di­os por gru­po de 100 mil ha­bi­tan­tes, o mu­ni­cí­pio atin­giu 51,7, me­nor ape­nas que Sa­ran­di, que che­gou a 57,9 - a mai­or ta­xa da re­gião. Man­da­gua­çu fi­cou com o se­gun­do mai­or au­men­to: 300%.

Os nú­me­ros fa­zem par­te do ma­pa da vi­o­lên­cia que a Po­lí­cia Ci­vil de Ma­rin­gá vem tra­çan­do des­de o ano pas­sa­do. O le­van­ta­men­to se­gue as di­re­tri­zes da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (SSP-PR) e ob­je­ti­va iden­ti­fi­car e bus­car so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas que in­flu­en­ci­am os ín­di­ces cri­mi­nais na re­gião. “O ma­pe­a­men­to com­pro­va a te­se de que a vi­o­lên­cia im­pe­ra em áre­as com gra­ves pro­ble­mas so­ci­ais. A po­lí­cia não po­de ser vis­ta co­mo úni­ca al­ter­na­ti­va pa­ra pôr fim a es­sa si­tu­a­ção. Es­ta­mos di­an­te de um pro­ble­ma com­ple­xo, que exi­ge o en­vol­vi­men­to de go­ver­nos e da so­ci­e­da­de”, ex­pli­ca o delegado-che­fe da 9ª SDP, Os­nil­do Car­nei­ro Le­mes.

O ma­pe­a­men­to re­ve­la que ou­tros cin­co mu­ni­cí­pi­os da re­gião ul­tra­pas­sa­ram o ín­di­ce es­ta­be­le­ci­do pe­la ONU: Flo­res­ta, Man­da­gua­çu, Co­lo­ra­do, Dou­tor Camargo e Ma­rin­gá. Pa­ra efei­to com­pa­ra­ti­vo, a mé­dia bra­si­lei­ra em 2011 foi de 22,7 mor­tes/100 mil ha­bi­tan­tes.

Dos 142 as­sas­si­na­tos regis- tra­dos em 11 ci­da­des, 123 – o equi­va­len­te a 87% - ocor­re­ram em Ma­rin­gá, Sa­ran­di e Pai­çan­du, que jun­tos so­mam 488,7 mil ha­bi­tan­tes, o equi­va­len­te a 70,3% da po­pu­la­ção de to­da a área. Em Pai­çan­du, 90% dos cri­mes ti­ve­ram re­la­ção com as dro­gas. A on­da de cri­mes na ci­da­de se con­cen­trou nos me­ses de ju­nho e ju­lho, que so­ma­ram 9 as­sas­si­na­tos. A vi­o­lên­cia só ces­sou após o des­ba­ra­ta­men­to das gan­gues que con­tro­la­vam o trá­fi­co na pe­ri­fe­ria. Mais de 30 pes­so­as fo­ram pre­sas no pe­río­do.

Ape­sar de con­tar com ape­nas dois in­ves­ti­ga­do­res e não ter delegado pró­prio, a Po­lí­cia Ci­vil de Pai­çan­du con­se­guiu esclarecer a au­to­ria de 16 cri­mes, o equi­va­len­te a 85%. O ín­di­ce de elu­ci­da­ção es­tá en­tre os mais al­tos da re­gião, com­pa­rá­vel a Sa­ran­di, que es­pe­ra fe­char o ano com 90% de es­cla­re­ci­men­tos. Em Ma­rin­gá, que de­tém a mai­or es­tru­tu­ra po­li­ci­al da re­gião, o ín­di­ce de elu­ci­da­ções gi­ra em tor­no de 70%, mas com ex­pec­ta­ti­vas de fe­char o ano com 75%. Nos ou­tros oi­to mu­ni­cí­pi­os que re­gis­tra­ram ho­mi­cí- di­os, o ín­di­ce de es­cla­re­ci­men­to tam­bém é ele­va­do, gi­ran­do en­tre 80% e 100%.

Na opi­nião do de­le­ga­do­che­fe de Ma­rin­gá, a elu­ci­da­ção de cri­mes é ape­nas um dos fa­to­res que con­tri­bu­em pa­ra a re­du­ção dos ín­di­ces de vi­o­lên­cia, pois mos­tra à so­ci­e­da­de a exis­tên­cia de uma po­lí­cia pre­sen­te. “Es­ta­mos fa­zen­do a nos­sa par­te, mas pa­ra que os ín­di­ces cri­mi­nais não se ex­pan­dam, é ne­ces­sá­rio em­pe­nho na ge­ra­ção de em­pre­gos e me­lho­ri­as sa­la­ri­ais, in­ves­tir na cons­tru­ção de mo­ra­di­as, qua­li­da­de de en­si­no, saú­de e es­por­te e em ou­tras fren­tes que as­se­gu­rem uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da à po­pu­la­ção que vi­ve em si­tu­a­ção de ris­co”, con­clui Le­mes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.