Adeus ao ‘pé ver­me­lho’ de so­ta­que li­ba­nês

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Eid cri­ou uma re­fe­rên­cia cu­li­ná­ria

re­da­cao@odi­a­rio.com O pro­pri­e­tá­rio do res­tau­ran­te Mon­te Lí­ba­no, Eid Ka­mel el Ghoz, morreu na noi­te des­ta quin­ta­fei­ra, por vol­ta das 19 ho­ras, no Hos­pi­tal Pa­ra­ná, em Ma­rin­gá. Ele ti­nha 86 anos, es­ta­va do­en­te ha­via al­guns me­ses e fa­le­ceu em fun­ção de uma pneu­mo­nia.

Do­no de um dos res­tau­ran­tes mais tra­di­ci­o­nais da Ci­da­de Can­ção, com meio sé­cu­lo de his­tó­ria, Eid é co­nhe­ci­do pe­la par­ti­ci­pa­ção na vi­da co­mu­ni­tá­ria. Era um atu­an­te vo­lun­tá­rio em ins­ti­tui­ções co­mo a As­so­ci­a­ção dos Pais e Ami­gos dos Ex­cep­ci­o­nais (Apae) e da As­so­ci­a­ção Nor­te Pa­ra­na­en­se de Re­a­bi­li­ta­ção (ANPR).

Eid nas­ceu em 1926, no sul do Lí­ba­no. Aos 25 anos, mu­dou-se pa­ra o Bra­sil. Em São Pau­lo tra­ba­lhou co­mo mas­ca­te. Trans­fe­riu­se pa­ra Ma­rin­gá no iní­cio da co­lo­ni­za­ção.

Na Ci­da­de Can­ção, pri­mei­ro, abriu um ar­ma­ri­nho. Depois, a vo­ca­ção pe­la cu­li­ná­ria fa­lou mais al­to. Em 1962, in­cen­ti­va­do por ami­gos apai­xo­na­dos por sa­bo­re­a­rem as igua­ri­as pre­pa­ra­das por ele, mon­tou um bar res­tau­ran­te 24 ho­ras na Es­ta­ção Ro­do­viá­ria Amé­ri­co Di­as Fer­raz. O es­ta­be­le­ci­men­to foi inau­gu­ra­do jun­to com o ter­mi­nal de pas­sa­gei­ros.

Aos pou­cos a fa­ma de Eid se es­pa­lhou. A cli­en­te­la au­men­tou e se tor­nou mais exi­gen­te. Em pou­co tem­po, o res­tau­ran­te pas­sou a ser re­fe­rên­cia da cu­li­ná­ria do Ori­en­te Mé­dio, na ci­da­de. Em 1978, ele re­sol­veu trans­fe­rir o es­ta­be­le­ci­men­to pa­ra a Ave­ni­da An­chi­e­ta, em fren­te ao Par­que do In­gá, on­de es­tá­lo­ca­li­za­do­a­tého­je.

Eid se ca­sou com Maria de Lur­des e te­ve qua­tro fi­lhos: Ma­reid, Eid­mar (co­nhe­ci­do co­mo Tur­ki­nho), Eid Jú­ni­or e Sa­mi­ra, que, em 1991, as­su­mi­ram a ad­mi- nis­tra­ção do res­tau­ran­te. Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas do em­pre­sá­rio era que ele in­cor­po­ra­va a fi­gu­ra do “gu­ru”. “Mui­tas pes­so­as o pro­cu­ra­vam pa­ra pe­dir con­se­lhos”, re­cor­da Tur­ki­nho. O em­pre­sá­rio tam­bém ti­nha uma pre­o­cu­pa­ção com o vi­su­al. “Vo­cê nun­ca o via sem se bar­be­ar e sem a tra­di­ci­o­nal ca­mi­sa bran­ca”, de­cla­ra o fi­lho.

Pa­ra o di­re­tor-pre­si­den­te do Gru­po O Diá­rio, Fran­klin Vi­ei­ra da Sil­va, Eid faz par­te da his­tó­ria da ci­da­de e de mui­tas pes­so­as que aqui vi­vem ou vi­ve­ram. Ele é pró­xi­mo da fa­mí­lia des­de a mo­ci­da­de, quan­do di­vi­dia com Maria de Lur­des a apre­sen­ta­ção de qua­dros do pro­gra­ma “Clube do Ca­çu­la”, na pi­o­nei­ra Rá­dio Cul­tu­ra. Tam­bém foi o mes­tre de ce­rimô­nia de to­das as so­le­ni­da­des de inau­gu­ra­ção e rei­nau­gu­ra­ção do Mon­te Lí­ba­no des­de os anos se­ten­ta do sé­cu­lo pas­sa­do. “É uma hon­ra ter com­par­ti­lha­do da ami­za­de do Eid e acom­pa­nhar a as­cen­dên­cia do es­ta­be­le­ci­men­to de­le”, de­fi­ne.

O cor­po de Eid foi se­pul­ta­do on­tem às 16h30, no Ce­mi­té­rio Par­que.

Dou­glas Mar­çal

Rú­bia Pi­men­ta e Luiz de Car­va­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.