Fur­ta­do e Ce­lidô­nio têm man­da­tos res­ga­ta­dos

Os dois fo­ram ali­ja­dos da po­lí­ti­ca pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar. Renato Ce­lidô­nio foi o pri­mei­ro ma­rin­ga­en­se elei­to pa­ra a Câ­ma­ra. Fur­ta­do, o úl­ti­mo a per­der os di­rei­tos po­lí­ti­cos

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Dos dois de­pu­ta­dos fe­de­rais da re­gião de Ma­rin­gá,que ti­ve­ram os man­da­tos cas­sa­dos pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar, ape­nas um es­te­ve pre­sen­te à ho­me­na­gem pres­ta­da nes­ta quin­ta-fei­ra, pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, em Brasília, du­ran­te ses­são es­pe­ci­al, on­de, sim­bo­li­ca­men­te, fo­ram en­tre­gues o di­plo­ma e o bro­che que iden­ti­fi­ca os mem­bros do Con­gres­so Na­ci­o­nal. Alen­car Fur­ta­do, 87 anos, não con­se­guiu es­con­der a emo­ção de re­tor­nar à Ca­sa, on­de pro­ta­go­ni­zou in­fla­ma­dos dis­cur­sos con­tra o go­ver­no mi­li­tar. O ou­tro re­pre­sen­tan­te da re­gião, Renato Ce­lidô­nio, não vi­veu o su­fi­ci­en­te pa­ra ver cor­ri­gi­da a in­jus­ti­ça que lhe fi­ze­ram.

Do Pa­ra­ná, qua­tro par­la­men­ta­res es­ta­vam en­tre os 173 cas­sa­dos pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar, dois já mor­re­ram e ou­tros dois ti­ve­ram os man­da­tos res­ti­tuí­dos sim­bo­li­ca­men­te. Du­ran­te a so­le­ni­da­de, Fur­ta­do lem­brou que ele foi o úl­ti­mo dos de­pu­ta­dos a ter o man­da­to cas­sa­do. Nor­des­ti­no de nas- ci­men­to, ele che­gou ao no­ro­es­te do Pa­ra­ná no iní­cio dos anos cin­quen­ta do sé­cu­lo pas­sa­do e se es­ta­be­le­ceu em Pa­ra­na­vaí (a 75 quilô­me­tros de Ma­rin­gá) co­mo ad­vo­ga­do da pre­fei­tu­ra.

A pri­mei­ra in­ves­ti­da na po­lí­ti­ca foi em 1966, quan­do fi­cou co­mo su­plen­te de de­pu­ta­do es­ta­du­al pe­lo MDB. Depois, foi elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral em 1970 e 1974. Na Câ­ma­ra, tor­nou-se um dos prin­ci­pais no­mes da opo­si­ção, ao la­do de Ulys­ses Gui­ma­rães e Fran­co Mon­to­ro. Em ju­nho de 1977, no en­tan­to, te­ve o man­da­to cas­sa­do, após fa­zer um dis­cur­so em re­de na­ci­o­nal de te­le­vi­são, on­de cri­ti­ca­va a tor­tu­ra. Com a de­cre­ta­ção da anis­tia, Alen­car vol­tou à ce­na po­lí­ti­ca, sen­do elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral em 1982.

O ou­tro par­la­men­tar sim­bo­li­ca­men­te em­pos­sa­do co­mo con­gres­sis­ta, Renato Ce­lidô­nio, mor- “Os de­pu­ta­dos cas­sa­dos fo­ram ca­la­dos não pe­lo de­ba­te, mas pe­la im­po­si­ção e pe­la for­ça do re­gi­me” reu na dé­ca­da de oi­ten­ta do sé­cu­lo pas­sa­do sem con­se­guir re­tor­nar à po­lí­ti­ca. Ele ocu­pa­va um car­go na di­re­to­ria do ex­tin­to Instituto Bra­si­lei­ro do Ca­fé (IBC), quan­do so­freu um en­far­te den­tro de um avião e morreu pou­co depois.

Pi­o­nei­ro em Ma­rin­gá, Ce­lidô­nio che­gou à ci­da­de nos dis­tan­tes anos qua­ren­ta do sé­cu­lo pas­sa­do. Com o pai e a fa­mí­lia, mo­rou mui­tos anos em uma chá­ca­ra de ca­fé, on­de, ho­je, fi­ca o Ce­mi­té­rio Par­que. Fre­quen­tou os bas­ti­do­res das pri­mei­ras cam­pa­nhas elei­to­rais da ci­da­de e, co­mo ti­nha in­fluên­cia jun­to aos ca­fei­cul­to­res, em 1962, can­di­da­tou-se a de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo PTB, a prin­cí­pio, sem gran­des chan­ces. Com a ma­ni­fes­ta­ção do en­tão pre­fei­to João Pau­li­no que dis­se já ser ho­ra de a ci­da­de ter re­pre­sen­tan­tes jun­to aos go­ver­no fe­de­ral e es­ta­du­al pa­ra dar apoio à ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, a cam­pa­nha de­le ga­nhou cor­po e ele en­trou pa­ra a his­tó­ria co­mo o pri­mei­ro ma­rin­ga­en­se elei­to de­pu­ta­do.

Ce­lidô­nio, apon­ta­do co­mo o gran­de ar­ti­cu­la­dor do MDB, te­ve par­ti­ci­pa­ção di­re­ta na elei­ção do pre­fei­to Adri­a­no Va­len­te. Mode- ra­do, não era con­si­de­ra­do um gran­de ini­mi­go do go­ver­no mi­li­tar, mas, mes­mo as­sim, te­ve o man­da­to cas­sa­do com ba­se no Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal nú­me­ro cin­co, o fa­mo­so AI-5.

A ci­da­de ho­me­na­geia o pri­mei­ro de­pu­ta­do dan­do o no­me de­le a uma das prin­ci­pais pra­ças, em fren­te ao Pa­ço Mu­ni­ci­pal, que le­va o no­me do ami­go e com­pa­nhei­ro de cam­pa­nha Síl­vio Ma­ga­lhães Bar­ros, pai do atu­al pre­fei­to.

A so­le­ni­da­de na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ho­me­na­ge­ou tam­bém os pa­ra­na­en­ses Moy­ses Lu­pi­on, que morreu em 1991, e Léo de Al­mei­da Ne­ves. Ex-go­ver­na­dor do Pa­ra­ná, Lu­pi­on es­te­ve na pri­mei­ra lis­ta de cas­sa­dos pe­lo Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal nú­me­ro um, em 1964, quan­do foi acu­sa­do de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to. Ele se­ria inocentado das acu­sa­ções nos anos se­ten­ta do­sé­cu­lo­pas­sa­do.

Al­mei­da Ne­ves per­deu o man­da­to, em mar­ço de 1969, acu­sa­do de par­ti­ci­pa­ção na Fren­te Am­pla, mo­vi­men­to que plei­te­a­va o res­ta­be­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia no País, li­de­ra­do por po­lí­ti­cos co­mo os ex-pre­si­den­tes Jus­ce­li­no Ku­bits­chek e João Gou­lart e o ex-go­ver­na­dor da Gu­a­na­ba­ra, Car­los Lacerda. Cu­ri­o­sa­men­te, os três mor­re­ram em cir­cuns­tân­ci­as sus­pei­tas pou­co depois.

Ar­qui­vo DNP

Alen­car Fur­ta­do, ao la­do de Al­di Mertz, em even­to em Ma­rin­gá

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.