Da his­tó­ria

O que cli­en­tes e fun­ci­o­ná­ri­os acha­ram da Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba em Ma­rin­gá, no lo­cal da an­ti­ga Li­vra­ria Es­pa­ço

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Gla­ci­a­ne Mashi­ba, 33, pro­fes­so­ra Bruna Vi­to­ri­a­no Zaz, 17, es­tu­dan­te

do pa­ra um re­en­con­tro.

O pi­so do lo­cal é re­ves­ti­do por uma ma­dei­ra la­mi­na­da e as pa­re­des são for­ra­das de es­tan­tes que vão até a al­tu­ra do te­to, ofe­re­cen­do obras de di­ver­sos seg­men­tos em um acer­vo de 30 mil li­vros. “O acer­vo ain­da es­tá che­gan­do, não es­tá to­do com­ple­to. Te­mos o que cha­ma­mos de ‘en­xo­val de lo­ja’, que é o ini­ci­al”, diz Liane La­go, 44 anos, ge­ren­te das Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba do Ma­rin­gá Park. Al­go que fa­vo­re­ce e po­de agra­dar aos cli­en­tes mais ávi­dos pe­las no­vi­da­des do mer­ca­do é o con­ta­to direto com as ca­pi­tais. “Os lan­ça­men­tos vão che­gar mais rá­pi­do: lan­çou em São Pau­lo, já te­re­mos aqui.” A ca­da su­por­te de li­vros há um pu­fe qua­dra­do na cor pre­ta pa­ra que as pes­so­as pos­sam re­pou­sar os olhos mais tran­qui­la­men­te so­bre a obra de in­te­res­se.

São ofe­re­ci­dos CDs, DVDs, BluRays e jo­gos. Mas qu­em li­de­ra a lis­ta das pre­fe­rên­ci­as do pú­bli­co ain­da são os li­vros, que cor­res­pon­dem a 60% das ven­das. Dis­pos­tos em to­do o es­pa­ço, a megaloja con­ta com vá­ri­as ilhas com­por­tan­do as obras na al­tu­ra dos bra­ços – não é ne­ces­sá­rio abai­xar pa­ra al­can­çá-las, fa­ci­li­tan­do o ma­nu­seio e fi­can­do no cam­po de vi­são do cli­en­te. A or­ga­ni­za­ção pa­re­ce ser o car­ro-che­fe do no­vo lo­cal. Al­gu­mas tra­di­ções per­ma­ne­cem, mes­mo após a re­for­ma: ain­da não es­tá fun­ci­o­nan­do, mas um ban­ner dis­pos­to no fun­do da lo­ja já avi­sa que haverá o es­pa­ço do que vai mui­to bem com um li­vro e boa con­ver­sa: o ca­fé.

O acla­ma­do ca­puc­ci­no

Além do ca­fé e dos qui­tu­tes tí­pi­cos, os an­ti­gos fre­quen­ta­do­res po­dem acalmar os âni­mos: o ca­puc­ci­no ge­la­do, re­fe­rên­cia do lo­cal, per­ma­ne­ce. “E com a re­cei­ta ori­gi­nal, vai ser o no­vo pon­to de en­con­tro da­qui, re­vi­ta­li­za­do”, ga­ran­te Liane. Re­cei­ta es­sa que não é re­ve­la­da. Ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas tam­bém fi­cam, co­mo o es­pa­ço pa­ra apre­sen­ta­ções es­po­rá­di­cas de mú­si­cos, to­can­do ao vi­vo pa­ra os fre­quen­ta­do­res. E, ago­ra, Ma­rin­gá, que já es­ta­va na ro­ta de even­tos de lan­ça­men­tos li­te­rá­ri­os, am­plia ho­ri­zon­tes: o pri­mei­ro se­rá um ba­te­pa­po com o au­tor de “Nihon­jin”, Os­car Na­ka­sa­to, que le­vou o prê­mio Ja­bu­ti na ca­te­go­ria Ro­man­ce es­te ano. Ano­tem: o en­con­tro com o pa­ra­na­en­se acon­te­ce­rá dia 14 de de­zem­bro.

Ou­tros no­mes já pas­sa­ram por aqui, mas nas Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba do Ca­tu­aí Shop­ping. Re­cen­te­men­te, Humberto Ges­sin­ger, vo­ca­lis­ta dos En­ge­nhei­ros do Hawaii e Fê Lemos, ba­te­ris­ta do Ca­pi­tal Ini­ci­al, lan­ça­ram su­as obras em Ma­rin­gá. “Já é uma tra­di­ção das Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba. Nos úl­ti­mos dois anos que es­ta­mos na ci­da­de, trou­xe­mos mui­ta gen­te ba­ca­na. En­tão, men­sal­men­te, pre­ten­de­mos tra­zer au­to­res pa­ra en­trar nes­sa pro­gra­ma­ção”, diz a ge­ren­te. São 20 fun­ci­o­ná­ri­os cir­cu­lan­do pe­las Li­vra­ri­as Cu­ri­ti­ba, do Ma­rin­gá Park Shop­ping, tra­jan­do o uni­for­me azul, cor pre­do­mi­nan­te da em­pre­sa. O prin­ci­pal re­qui­si­to na ho­ra de con­tra­tar o can­di­da­to foi o in­te­res­se de­mons­tra­do pe­la cul­tu­ra. “Es­se co­nhe­ci­men­to foi fun­da­men­tal. Bus­cá­va­mos pes­so­as co­mu­ni­ca­ti­vas, que gos­tem de ler, acom­pa­nham os lan­ça­men­tos, sé­ri­es, blogs e a gen­te se sur­pre­en­deu com a qua­li­da­de dos que vi­e­ram fa­zer a en­tre­vis­ta”, con­ta a ge­ren­te Liane La­go.

O aten­den­te Cel­mi Emer­son Pi­tel­li de Ávi­la, 27, já tra­ba­lha­va na lo­ja do Ca­tu­aí há um ano e se­te me­ses e foi trans­fe­ri­do pa­ra o cen­tro. Um dos fa­to­res que o con­ven­ceu a tra­ba­lhar di­re­ta­men­te com es­ses pro­du­tos foi a pai­xão que nu­tre por mú­si­ca. Em ca­sa, são mais de 100 ál­buns com­pra­dos e, a ca­da no­vi­da­de que che­ga na lo­ja, re­ve­la que é di­fí­cil con­ter o im­pul­so de ad­qui­rir os lan­ça­men­tos. “A ques­tão de ter fá­cil aces­so ao co­nhe­ci­men­to e le­var is­so pa­ra as pes­so­as é mui­to le­gal. Achei que se­ria uma boa opor­tu­ni­da­de já que eu gos­to des­sa área e aqui tem mui­ta in­te­ra­ção com mú­si­ca e li­vros”, con­ta. “O co­nhe­ci­men­to do aten­den­te, na ho­ra de in­di­car uma boa com­pra a um cli­en­te em dúvida, é fun­da­men­tal pa­ra o bom aten­di­men­to e a sa­tis­fa­ção do con­su­mi­dor”, res­sal­ta Liane La­go, ge­ren­te da lo­ja.

Con­tra­ta­do há três se­ma­nas, o be­le­nen­se Da­ni­el Ga­lan Ma­teus, 25, tam­bém foi atraí­do pe­lo pro­du­to que vai ven­der. “Eu ti­nha em men­te que que­ria tra­ba­lhar com ven­da, e se for com a ven­da de al­go que eu gos­to, me­lhor ain­da”, diz. For­ma­do em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, Ma­teus veio de Be­lém (PA) até Ma­rin­gá pa­ra fa­zer ou­tro cur­so su­pe­ri­or, e con­ta que tem pre­fe­rên­ci­as por li­vros de his­tó­ria, ci­ên­ci­as so­ci­ais e fic­ção. “A par­te fa­mo­sa da­qui era o ca­fé, lo­go que che­guei na ci­da­de ou­vi fa­lar do tal do ca­puc­ci­no”, con­ta. Pa­ra ele, a ilu­mi­na­ção é o di­fe­ren­ci­al do lo­cal. “Cha­ma mui­to a aten­ção, tor­nan­do o am­bi­en­te mais acon­che­gan­te, prin­ci­pal­men­te on­de tem os pu­fes.” “Achei o es­pa­ço mais mo­der­no, mais am­plo. Mi­nha re­la­ção com a lei­tu­ra é bem pró­xi­ma por con­ta da mi­nha pro­fis­são, leio mui­to. Sen­ti fal­ta da mú­si­ca ao vi­vo que ti­nha an­tes.” “Gos­tei do es­pa­ço, é me­lhor que o an­te­ri­or, mais es­pa­ço­so e mais ilu­mi­na­do. Leio bas­tan­te, ain­da mais em ano de ves­ti­bu­lar, mas não dis­pen­so os li­vros de fic­ção e sé­ri­es”

Cel­mi Emer­son foi atraí­do pe­la cul­tu­ra pa­ra tra­ba­lhar na li­vra­ria

“O es­pa­ço no­vo é ba­ca­na, é a pri­mei­ra vez que ve­nho pa­ra co­nhe­cer. Gos­to bas­tan­te de ler”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.