A ver­go­nha do

Pro­je­to Um Ou­tro Olhar exi­be “Cão Bran­co”, fil­mes de Sa­mu­el Ful­ler, tam­bém di­re­tor de “Ma­tei Jes­se Ja­mes”, “Dra­gões da Vi­o­lên­cia”, “Pai­xões que Alu­ci­nam” e “Ago­nia e Gló­ria”

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo*

Não tem co­mo er­rar: um fil­me de Sa­mu­el Ful­ler é sem­pre uma ba­ta­lha. Com uma eco­no­mia de mei­os (di­an­te do di­nhei­ro sem­pre es­cas­so), ele ja­mais per­deu tem­po em con­jec­tu­ras ou dis­cur­sos: vai direto ao pon­to, nu­ma ur­gên­cia que, por ve­zes, po­de ser con­fun­di­do com de­fei­to. E mes­mo es­se, ele sa­bia co­mo tor­ná-lo vir­tu­de.

Um dos no­mes mais im­por­tan­tes do ci­ne­ma ame­ri­ca­no do pós-gu­er­ra, Sa­mu­el Ful­ler (1912–1997) fa­zia par­te de uma tur­ma, com Ni­cho­las Ray, Ro­bert Al­dri­ch e Elia Ka­zan, que cha­fur­dou nas ma­ze­las ame­ri­ca­nas pa­ra re­ve­lar o “la­do ne­gro” de uma so­ci­e­da­de que cul­tu­a­va o poder, en­tre o di­nhei­ro e a apa­rên­cia. An­tes de se tor­nar ci­ne­as­ta, pe­ram­bu­lou de ca­ro­na pe­la Amé­ri­ca, lu­tou na Se­gun­da Gran­de Gu­er­ra e foi jornalista – e seus fil­mes dei­xam an­te­ver is­so de for­ma ex­cep­ci­o­nal. Sa­bia mui­to bem do que es­ta­va fa­lan­do. Fez um ci­ne­ma de ma­cho, sem fi­ru­las e com um vi­gor que fez a de­lí­cia da crí­ti­ca fran­ce­sa. Nos Es­ta­dos Uni­dos ja­mais te­ve o re­co­nhe­ci­men­to que me­re­cia. Um gi­gan­te do ci­ne­ma, em su­ma, de qu­em o Pro­je­to Um Ou­tro Olhar exi­be, ho­je, o con­tun­den­te “Cão Bran­co”, uma de su­as úl­ti­mas re­a­li­za­ções e, cer­ta­men­te, uma de su­as obras-pri­mas.

Re­a­li­za­do em 1982, so­men­te dez anos mais tar­de “Cão Bran­co” se­ria lan­ça­do nos ci­ne­mas ame­ri­ca­nos. No Bra­sil, is­so nun­ca ocor­reu e, no fi­nal da dé­ca­da de 80, foi lan­ça­do di­re­ta­men­te em VHS. Ba­se­a­do num con­to do es­cri­tor Ro­main Gary, trin­ta anos depois o fil­me se man­tém co­mo um dos ata­ques mais fe­ro­zes a uma das gran­des ver­go­nhas da hu­ma­ni­da­de: o ra­cis­mo.

No fil­me, uma jo­vem as­pi­ran­te a atriz (Kristy McNi­chol) atro­pe­la um cão pas­tor bran­co, nu­ma noi­te, nos ar­re­do­res de Los An­ge­les. Le­va-o a um ve­te­ri­ná­rio e to­ma con­ta de­le até que al­guém ve­nha re­cla­má-lo. E, é cla­ro, afei­çoa-se a ele, prin­ci­pal­men­te depois que ele lhe sal­va de um es­tu­pra­dor. Mas al­go mais te­ne­bro­so es­tá por vir: co­mo cão de ata­que, ela des­co­bre que ele foi trei­na­do pa­ra ata­car e matar ne­gros. En­tre o de­ses­pe­ro e cer­ta ino­cên­cia, le­va-o a um lu­gar on­de são trei­na­dos ani­mais pa­ra atu­a­rem em fil­mes hollywo­o­di­a­nos. Cren­te de que se­rá pos­sí­vel re­ver­ter o pro­ces­so, um trei­na­dor (Paul Win­fi­eld) as­su­me a di­fí­cil ta­re­fa. De­ta­lhe: es­se trei­na­dor é ne­gro.

Pai es­pi­ri­tu­al deTa­ran­ti­no

De “Ma­tei Jes­se Ja­mes”, pas­san­do por “Dra­gões da Vi­o­lên­cia”, o mí­ti­co “Pai­xões que Alu­ci­nam” (já exi­bi­do pe­lo pro­je­to), o an­ti­bé­li­co “Ago­nia e Gló­ria”, até “Cão Bran­co”, Ful­ler fez da sua ar­te um ma­ni­fes­to da “ação”. Pai es­pi­ri­tu­al de gen­te co­mo Scor­se­se e Ta­ran­ti­no, foi ele mes­mo her­dei­ro das som­bras noir e seus per­so­na­gens, na mai­o­ria “os re­jei­ta­dos”, cir­cu­la­vam pe­los be­cos e en­tra­vam no mun­do, co­mo se cos­tu­ma di­zer, pe­la “por­ta dos fun­dos” – tra­du­zin­do, atra­vés de uma vi­o­lên­cia se­ca, o la­do es­cu­ro da alma hu­ma­na e des­cons­truin­do, de for­ma ame­a­ça­do­ra, a no­ção de he­rói e vi­lão (sem­pre tão ca­ra ao ci­ne­ma ame­ri­ca­no).

Ci­ne­ma: cam­po de ba­ta­lha

A in­fluên­cia de Ful­ler con­ti­nua sen­do imen­sa e su­as in­ven­ções for­mais, ain­da que as­si­mi­la­das e ba­na­li­za­das ho­je em dia em fil­me­cos de 5 º ca­te­go­ria, são um exem­plo de um ci­ne­ma in­con­for­mis­ta, dis­se­ca­dor das per­ver­sões da so­ci­e­da­de de seu tem­po. Em 1965, no au­ge da pai­xão que sua obra já sus­ci­ta­va, Go­dard o co­lo­cou co­mo ele mes­mo em “Pi­er­rot, Le Fou”, res­pon­den­do a uma ques­tão sim­ples: o que é o ci­ne­ma? Res­pos­ta de Ful­ler: “O ci­ne­ma é co­mo um cam­po de ba­ta­lha. Amor, ódio, ação, vi­o­lên­cia e mor­te. Em uma pa­la­vra: emo­ção”. Não po­de­ria ser mais direto. “Cão Bran­co” é um tra­ba­lho no­tá­vel so­bre o qual é pos­sí­vel se de­bru­çar sem­pre com pai­xão e enor­me as­som­bro. De cau­sar ar­re­pio.

Divulgação

Ce­na de “Cão Bran­co”: fil­me de Sa­mu­el Ful­ler se man­tém co­mo um dos ata­ques mais fe­ro­zes ao ra­cis­mo

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.