Ru­bem Al­ves e o pre­sé­pio

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Te­nho uma sau­dá­vel in­ve­ja do pen­sa­dor Ru­bem Al­ves. Na­da de mais que um pa­dre se­ja fã de car­tei­ri­nha de um pas­tor pro­tes­tan­te. Que já não pas­to­reia, mas con­ti­nua a ofe­re­cer pre­ci­o­si­da­des da fé, da cul­tu­ra e das le­tras. Sem pe­dir li­cen­ça, trans­cre­vo qua­se in­tei­ra sua crô­ni­ca de 23/12/ 2008, pu­bli­ca­da ori­gi­nal­men­te na Fo­lha de S. Pau­lo: “Me­ni­no, lá em Mi­nas, eu ti­nha in­ve­ja dos ca­tó­li­cos. Eu era pro­tes­tan­te sem sa­ber o que fos­se is­so. Sa­bia que, pe­lo Na­tal, a gen­te ar­ma­va ár­vo­res com ocos de al­go­dão imi­tan­do ne­ve que não sa­bía­mos o que fos­se. Já os ca­tó­li­cos fa­zi­am pre­sé­pi­os. Os pi­nhei­ros eram bo­ni­tos, mas não me co­mo­vi­am co­mo o pre­sé­pio: uma es­tre­la no céu, uma ca­ba­ni­nha na ter­ra co­ber­ta de sa­pé, Maria, José, os pas­to­res, ove­lhas, va­cas, bur­ros, mis­tu­ra­dos com reis e an­jos nu­ma man­sa tran­qui­li­da­de, os cam­pos ilu­mi­na­dos com a gló­ria de Deus, mi­lha­res de va­ga­lu­mes acen­den­do e apa­gan­do su­as lu­zes, tudo por cau­sa de uma cri­an­ci­nha. A con­tem­pla­ção de uma cri­an­ci­nha aman­sa o uni­ver­so. O Na­tal anun­cia que o uni­ver­so é o ber­ço de uma cri­an­ça. Até os ca­tó­li­cos mais hu­mil­des fa­zi­am um pre­sé­pio. As des­pi­das sa­las de vi­si­ta se trans­for­ma­vam em lu­ga­res sa­gra­dos. As ca­sas ca­vam aber­tas pa­ra qu­em qui­ses­se se jun­tar aos reis, pas­to­res e bi­chos. E nós, me­ni­nos, pés des­cal­ços, pe­re­gri­ná­va­mos de ca­sa em ca­sa, pa­ra ver a mes­ma ce­na re­pe­ti­da e bei­jar a ta. Nós fa­zía­mos os nos­sos pró­pri­os pre­sé­pi­os. Os pre­pa­ra­ti­vos co­me­ça­vam bem an­tes do Na­tal. En­chía­mos la­tas va­zi­as de goi­a­ba­da com areia, e ne­las se­meá­va­mos al­pis­te ou ar­roz. Lo­go os bro­tos ver­des co­me­ça­vam a apa­re­cer. O ce­ná­rio do nas­ci­men­to do Me­ni­no Je­sus ti­nha de ser ver­de­jan­te. So­bre os bro­tos ver­des es­pa­lhá­va­mos bi­chi­nhos de ce­lu­loi­de. Na­que­le tem­po ain­da não ha­via plás­ti­co. Ti­gres, leões, bois, va­cas, ma­ca­cos, ele­fan­tes, gi­ra­fas. Sem sa­ber, es­tá­va­mos re­pre­sen­tan­do o so­nho do pro­fe­ta que anun­ci­a­va o dia em que os leões ha­ve­ri­am de co­mer ca­pim jun­to com os bois e as cri­an­ças ha­ve­ri­am de brin­car com as ser­pen­tes ve­ne­no­sas. A es­tre­ba­ria nós mes­mos a fa­zía­mos com bam­bus. E as gu­ras que fal­ta­vam, nós as com­ple­tá­va­mos ar­te­sa­nal­men­te com bo­ne­qui­nhos de ar­gi­la. Ti­nha tam­bém de ha­ver um la­gui­nho on­de na­da­vam pa­tos e cis­nes, que se fa­zia com um pe­da­ço de es­pe­lho que­bra­do. Não im­por­ta­va que os pa­tos fos­sem mai­o­res que os ele­fan­tes. No mun­do má­gi­co tudo é pos­sí­vel. [...] Um pre­sé­pio ver­da­dei­ro tem de ser in­fan­til. E as gu­ras mais des­pro­por­ci­o­nais nes­sa ce­na tran­qui­la éra­mos nós mes­mos. Por­que, se cons­truí­mos o pre­sé­pio, era por­que nós mes­mos gos­ta­ría­mos de es­tar den­tro da ce­na. (Não é pos­sí­vel es­tar den­tro da ár­vo­re!). Éra­mos ado­ra­do­res do Me­ni­no, jun­ta­men­te com os bi­chos, as es­tre­las, os reis e os pas­to­res. [...] Se­ria tão bom se os pais con­tas­sem es­sa es­tó­ria pa­ra os seus lhos”! Ah, ve­lho mes­tre, os pais não per­dem tem­po com is­so, não. Ho­je o po­vo pra­ti­ca uma re­li­gião no­va e se­du­to­ra: o co­mér­cio. As pes­so­as fre­quen­tam o shop­ping, seu tem­plo atu­al. Ado­ram um no­vo deus, o mer­ca­do. Cul­ti­vam vir­tu­des no­vas: mo­da, lu­xo, com­pras, con­su­mo... Pre­ga­do­res ago­ra são os pro­mo­to­res de ven­das. O Me­ni­no Je­sus não pas­sou no tes­te. Ele não se dá bem com di­nhei­ro. Con­tra­ta­ram Pa­pai No­el, um fenô­me­no de ven­das. À sua che­ga­da fa­zem fes­ta. O Me­ni­no? Ah, não li­gam mais pra ele. Não é es­tra­nho? Pois o Na­tal co­me­mo­ra jus­ta­men­te o seu nas­ci­men­to!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.