Cui­da­do com pro­mes­sas de ren­ta­bi­li­da­de

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal es­tá bem sen­sí­vel a qual­quer no­tí­cia re­la­ci­o­na­da à crise, se­ja na Eu­ro­zo­na, nos Es­ta­dos Uni­dos ou na Chi­na. In­fe­liz­men­te, pa­re­ce que a luz no fi­nal do tú­nel não es­tá tão per­to e ca­da no­va al­ter­na­ti­va de acor­do ou de ajus­te aca­ba se agra­van­do. Pa­ra os paí­ses emer­gen­tes é mui­to im­por­tan­te a ex­plo­ra­ção do mer­ca­do in­ter­no, de ma­nei­ra a não se cri­a­rem im­pac­tos ne­ga­ti­vos em sua eco­no­mia e mi­ni­mi­zar a de­pen­dên­cia de re­cur­sos es­tran­gei­ros. Is­so, ob­vi­a­men­te, é di­fí­cil e com­pli­ca­do, em vir­tu­de da glo­ba­li­za­ção. Tro­ca-se mer­ca­do­ri­as a to­do mo­men­to, e pa­ra al­guns paí­ses a so­bre­vi­vên­cia de­pen­de das ex­por­ta­ções, prin­ci­pal­men­te de in­su­mos pri­má­ri­os, e há a aqui­si­ção de pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos, tec­no­lo­gi­ca­men­te me­lho­res do que aque­les in­ter­na­men­te pro­du­zi­dos.

No Bra­sil, vá­ri­as al­ter­na­ti­vas pa­ra aque­cer o mer­ca­do es­tão sen­do uti­li­za­das, in­clu­si­ve com a re­du­ção dos ju­ros, com o ob­je­ti­vo de ge­rar “oxi­gê­nio” pa­ra as em­pre­sas con­se­gui­rem me­lho­rar sua pro­du­ção e ven­das e man­ter ou me­lho­rar a em­pre­ga­bi­li­da­de. Com a que­da dos ju­ros e fi­xa­ção da ta­xa Se­lic no pa­ta­mar de 7,25% ao ano, as apli­ca­ções fi­nan­cei­ras aca­ba­ram sen­do de­ses­ti­mu­la­das. Mui­tas de­las che­gam a ge­rar pre­juí­zos em su­as ope­ra­ções, prin­ci­pal­men­te as que são efe­tu­a­das par a um cur­to in­ter­va­lo.

As pro­pos­tas de apli­ca­ções dis­po­ni­bi­li­za­das pe­las ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, que pre­ci­sam cap­tar re­cur­sos com cus­to ca­da vez me­nor pa­ra em­pres­tá-los, po­dem im­pli­car al­to ris­co pa­ra o in­ves­ti­dor, prin­ci­pal­men­te quan­do se tra­ta de ban­cos de se­gun­da li­nha e que pro­po­nham ren­di­men­tos fo­ra da re­a­li­da­de. Uma das apli­ca­ções que po­dem ge­rar al­to re­tor­no é o in­ves­ti­men­to no mer­ca­do de ações, mas de­ve ser efe­tu­a­do so­men­te por qu­em dis­põe de re­cur­sos pa­ra o lon­go pra­zo. Pa­ra o cur­to pra­zo, a úni­ca apli­ca­ção­a­pa­ren­te­men­te­me­lho­réa­pou­pan­ça.

Re­cen­te­men­te, vem sen­do dis­cu­ti­da al­ter­na­ti­va de apli­ca­ções que, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas, pro­põe a re­du­ção do im­pos­to de ren­da e é bem mais ren­tá­vel do que qual­quer ou­tra mo­da­li­da­de e com me­nos ris­co: o Fun­do de In­ves­ti­men­to em Par­ti­ci­pa­ções (FIP). É cons­ti­tuí­do em for­ma de con­do­mí­nio fe­cha­do, ou se­ja, co­mo os fun­dos de in­ves­ti­men­to tra­di­ci­o­nais. Ad­mi­nis­tra os re­cur­sos, des­ti­na­dos à di­ver­sas mo­da­li­da­des de in­ves­ti­men­tos, co­mo aqui­si­ção de ações, de­bên­tu­res, bô­nus de subs­cri­ção ou ou­tros tí­tu­los e va­lo­res mo­bi­liá­ri­os con­ver­sí­veis ou per­mu­tá­veis em ações de emis­são de com­pa­nhi­as aber­tas ou fe­cha­das. Es­ses fun­dos par­ti­ci­pam do pro­ces­so de­ci­só­rio da com­pa­nhia na qual in­ves­tem.

O gran­de pro­ble­ma des­ses in­ves­ti­men­tos é sa­ber qu­em es­tá ge­rin­do a car­tei­ra e quais são os seus li­mi­tes. O pra­zo de res­ga­te tam­bém é lon­go, de no mí­ni­mo 5 anos. Es­sa si­tu­a­ção já li­mi­ta o in­ves­ti­men­to de pes­so­as mais hu­mil­des e que não têm nor­mal­men­te re­cur­sos pa­ra o lon­go pra­zo. Ou­tra ob­ser­va­ção im­por­tan­te é que os FIP não têm a se­gu­ran­ça, em ca­so de que­bra, do Fun­do Ga­ran­ti­dor de Cré­di­to, que ban­ca o apli­ca­dor no va­lor li­mi­te de R$ 70 mil.

To­do cui­da­do é pou­co em uma si­tu­a­ção em que a eco­no­mia não apre­sen­ta aos in­ves­ti­do­res opor­tu­ni­da­des de gran­des ga­nhos. Qual­quer op­ção di­fe­ren­te de­ve ge­rar desconfiança. Não há co­mo as ins­ti­tui­ções as­su­mi­rem pa­ga­men­tos de ren­di­men­tos fo­ra da re­a­li­da­de do mer­ca­do, bus­can­do ca­pi­ta­li­zar-se. O ris­co de per­da é gran­de pa­ra o pou­pa­dor. Ve­jam o exem­plo re­cen­te do Ban­co Cru­zei­ro do Sul, em que vá­ri­os in­ves­ti­do­res per­de­ram seus re­cur­sos.

Os FIP na­da mais são do que re­cur­sos apli­ca­dos pe­los in­ves­ti­do­res, sen­do di­re­ci­o­na­dos pa­ra in­ves­ti­men­tos em vá­ri­as em­pre­sas, in­clu­si­ve em cons­tru­ção ci­vil, co­mo for­ma de par­ti­ci­par de um em­pre­en­di­men­to. Os ga­nhos são ge­ra­dos ao fun­do atra­vés dos ju­ros so­bre apor­tes que pos­sam ser efe­tu­a­dos atra­vés de de­bên­tu­res, ou atra­vés de ju­ros so­bre o ca­pi­tal pró­prio e di­vi­den­dos das em­pre­sas on­de hou­ve a com­pra de ações.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.