Se­gu­ran­ça e ter­re­nos su­jos li­de­ram quei­xas da po­pu­la­ção

CO­MU­NI­DA­DE Fer­ra­men­ta pa­ra co­le­ta de da­dos em odi­a­rio.com reu­niu, du­ran­te 3 di­as, opi­niões de mo­ra­do­res de Ma­rin­gá so­bre es­tru­tu­ra e ser­vi­ços; re­la­tó­rio se­rá en­vi­a­do a au­to­ri­da­des

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fábio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Um li­xão clan­des­ti­no na Rua Pro­fes­sor Yu­kio Sai­to, na Vi­la Mo­ran­guei­ra – zo­na nor­te de Ma­rin­gá – cres­ceu a pon­to de che­gar ao as­fal­to e in­ter­di­tar uma das fai­xas da pis­ta. “É tudo ar­te de car­ro­cei­ros. A pre­fei­tu­ra vem, re­co­lhe o li­xo e lo­go eles jo­gam tudo de no­vo”, re­cla­ma o vi­zi­nho do ter­re­no bal­dio, Da­ni­el Pe­dras­si­ni.

Os trans­tor­nos cau­sa­dos pe­lo li­xo na Vi­la Mo­ran­guei­ra cons­tam das ava­li­a­ções que che­ga­ram por meio de le­van­ta­men­to de O Diá­rio, fei­to com ba­se em pes­qui­sa re­a­li­za­da com os lei­to­res es­ta se­ma­na. En­tre qu­ar­ta e sex­ta­fei­ra, o jor­nal dis­po­ni­bi­li­zou no por­tal odi­a­rio.com um ca­nal de comunicação com a po­pu­la­ção. O ob­je­ti­vo foi re­ce­ber pro­ble­mas co­muns do dia a dia do ma­rin­ga­en­se e en­ca­mi­nhá-los pa­ra os ór­gãos com­pe­ten­tes, co­bran­do agi­li­da­de­na­re­so­lu­ção.

Com o te­ma “Qual o pro­ble­ma do seu bair­ro?”, a afe­ri­ção re­ce­beu, nos 3 di­as de fun­ci­o­na­men­to, 96 apon­ta­men­tos, vin­dos de mo­ra­do­res de 54 bair­ros. Se­gu­ran­ça pú­bli­ca, acú­mu­lo de li­xo em ter­re­nos bal­di­os, ma­ta­gal, bu­ra­co de rua, ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, cor­te ou po­da de ár­vo­re e fal­ta de re­de de es­go­to fo­ram os pro­ble­mas ci­ta­dos.

A fi­na­li­da­de do le­van­ta­men­to foi­a­pu­rar­quais­são­as­mai­o­res­pre­o­cu­pa­ções dos lei­to­res, en­vol­ven­do­ain­fra­es­tru­tu­ra­e­a­pres­ta­ção­de ser­vi­ços­pú­bli­cos­na­ci­da­de.

O con­ta­dor José Za­ne­la­to Carg­nin ci­tou um bu­ra­co que apa­re­ceu no as­fal­to bem em fren­te do por­tão da ca­sa de­le, na Rua Tur­ma­li­na, Jar­dim Re­al. “Tem uma cra­te­ra na fren­te de ca­sa, mas não é só is­so: tem vá­ri­as ár­vo­res pre­ci­san­do ser cor­ta­das. Pa­re­ce que já te­ve até vi­zi­nho que cor­tou por con­ta pró­pria, por­que o pes­so­al pe­de e o ser­vi­ço não é fei­to”, diz. Pro­ble­ma do qual a so­lu­ção ca­be­rá à Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ser­vi­ços Pú­bli­cos. A se­gu­ran­ça pú­bli­ca es­tá en­tre as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções apon­ta­das no le­van­ta­men­to, si­tu­a­ção de res­pon­sa­bi­li­da­de das po­lí­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar (PM). Ga­bri­el­le Ba­ti­ci­o­to, mo­ra­do­ra no Jar­dim Su­ma­ré, re­la­tou o dra­ma vi­vi­do por ela e pe­los vi­zi­nhos: “Te­mos por­tão ele­trô­ni­co, cer­ca elé­tri­ca, alar­mes, câ­me­ras, e mes­mo as­sim, eles (os la­drões) en­tram em ca­sa”, dis­se. Mo­ran­do há ape­nas 4 me­ses no bair­ro, ela já te­ve a ca­sa ar­rom­ba­da e te­ve os pre­sen­tes de ca­sa­men­to le­va­dos pe­los ban­di­dos. Não foi um ca­so iso­la­do. Nes­se pe­río­do, o vi­zi­nho já te­ve a ca­sa ar­rom­ba­da du­as ve­zes, uma ami­ga do mes­mo bair­ro tam­bém te­ve a re­si­dên­cia in­va­di­da e a es­co­la lo­cal foi fur­ta­da seis ve­zes. “Os ban­di­dos es­tão sol­tos e ater­ro­ri­zan­do”, desabafa.

O cli­ma nar­ra­do pe­la mo­ra­do­ra da zo­na nor­te se re­pe­te ao sul da ci­da­de. Ge­nei Mar­tins, mo­ra­dor do Par­que Itai­pu, re­la­ta que já te­ve a ca­sa in­va­di­da du­as ve­zes es­te ano. Am­bas as ve­zes, du­ran­te o dia. “Eles se apro­vei­tam por­que a gen­te tra­ba­lha du­ran­te o dia”, diz. Pro­cu­ra­dor-ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal, Sid­ney Schol­tão cri­ti­ca a si­tu­a­ção do acú­mu­lo de li­xo no bair­ro que le­va o no­me de Hi­gi­e­nó­po­lis: ma­to e su­jei­ra em ter­re­nos bal­di­os. A área é no­bre, mas sa­cos de li­xo a so­fás ve­lhos es­tão en­tre os itens aban­do­na­dos nos vá­ri­os ter­re­nos da re­gião. “A pre­fei­tu­ra tra­ba­lha bem, pas­sa lá com frequên­cia, mas sem­pre apa­re­ce mais li­xo. Acho que te­mos que re­to­mar o ‘Su­jis­mun­do’”, diz, re­fe­rin­do-se à cam­pa­nha do go­ver­no fe­de­ral nos anos 70, que ti­nha co­mo te­ma “Po­vo de­sen­vol­vi­do é po­vo lim­po”.

A pre­sen­ça de “su­jis­mun­dos” tam­bém é no­ta­da pe­la ana­lis­ta de com­pras Lei­la Se­mens­sat­to, na Rua Pi­o­nei­ra Ar­min­da Bus­chi­ni, Jar­dim Pe­tró­po­lis. Al­guns ter­re­nos da re­gião vi­ra­ram de­pó­si­tos de li­xo do­més­ti­co e mó­veis ve­lhos, atrain­do in­se­tos e cau­san­do mau chei­ro. Pa­ra pi­o­rar, in­cên­di­os pro­po­si­tais nas pi­lhas de en­tu­lhos dei­xam a si­tu­a­ção ain­da mais com­pli­ca­da pa­ra a vi­zi­nhan­ça. “Fi­ca in­su­por­tá­vel to­dos os di­as che­gar can­sa­da do ser­vi­ço e não poder abrir a ca­sa pa­ra ven­ti­lar, pois ou vo­cê ven­ti­la ou fi­ca su­fo­ca­do pe­la fu­ma­ça”, diz.

Si­tu­a­ções de li­xo e ma­to em ter­re­nos bal­di­os vêm sen­do al­vo de ações fre­quen­tes da pre­fei­tu­ra, por meio de equi­pes da Di­re­to­ria de Fis­ca­li­za­ção In­te­gra­da, da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ges­tão.

Se­gun­do a pre­fei­tu­ra, as ações vão en­vol­ver mais seis bair­ros da re­gião nor­te de Ma­rin­gá no pe­río­do en­tre a pró­xi­ma se­gun­da­fei­ra, dia 10, até sex­ta-fei­ra, dia 14. As vis­to­ri­as se­rão exe­cu­ta­das nos ter­re­nos bal­di­os de ru­as e ave­ni­das do Jar­dim Di­a­man­te, Re­can­to Ka­ko­gawa, Con­do­mí­nio Ana Ro­sa, Con­do­mí­nio Por­tal das Tor­res, Con­do­mí­nio Ci­da­de Cam­po e Jar­dim Ka­ko­gawa. Os res­pon­sá­veis pe­los imó­veis au­tu­a­dos es­ta­rão su­jei­tos às se­guin­tes san­ções: imó­veis de até 360m , mul­ta de R$ 318; de 361m a 600m , mul­ta de R$ 635; de 601m a 1.000m , mul­ta de R$ 1.270; imó­veis a par­tir de 1.001m , mul­ta de R$ 2.539 por fra­ção de 1.000 me­tros qua­dra­dos. Ma­rin­gá tem cer­ca de 85% de do­mi­cí­li­os aten­di­dos pe­la re­de de es­go­to e es­tá en­tre as cem ci­da­des bra­si­lei­ras com os me­lho­res ín­di­ces de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Pa­ra qu­em es­tá fo­ra des­sa es­ta­tís­ti­ca, o trans­tor­no é gran- de, co­mo é o ca­so do ele­tri­ci­tá­rio Cláudio Bor­to­let­to, mo­ra­dor na Rua Ama­dor Rodrigues Trui­te, no Jar­dim Ci­da­de Mon­ções. “Tan­to lá co­mo no Jar­dim Be­la Vis­ta, não tem um úni­co ca­no de es­go­to”, diz. Pa­ra Bor­to­lot­to, a fal­ta da re­de foi uma sur­pre­sa. O bair­ro tem vá­ri­as re­si­dên­ci­as de al­to pa­drão, e ele ad­qui­riu um ter­re­no de 515 me­tros qua­dra­dos por um pre­ço que se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra com­prar uma ca­sa em um bair­ro me­nos no­bre. Na ho­ra de cons­truir, a sur­pre­sa: te­ve que fa­zer du­as fos­sas sép­ti­cas. “Fi­ca­mos bes­tas de ver que ali não ti­nha es­go­to.”

O mes­mo pro­ble­ma é en­fren­ta­do por Ro­dri­go Er­re­ro, mo­ra­dor da Rua Gai­vo­ta, no Jar­dim Olím­pi­co. Se­gun­do ele, al­gu­mas re­si­dên­ci­as da rua têm fos­sas com pou­ca pro­fun­di­da­de, cau­san­do va­za­men­tos e mau chei­ro. “Pre­ci­sa­mos com ur­gên­cia de uma re­de de es­go­to.”

Pa­ra Lei­la Gi­me­nes, da Rua Armando Crip­pa, no Jar­dim Li­ber­da­de, a chan­ce de se li­vrar da fos­sa ba­teu na tra­ve. “O es­go­to veio até qua­tro ca­sas ao la­do da nos­sa e pa­rou. Di­zem que não há caí­da ou re­de pa­ra cap­ta­ção. Es­ta­mos de­ses­pe­ra­dos.”

Os pro­ble­mas en­vol­ven­do a fal­ta de re­de de es­go­to são de com­pe­tên­cia da Sa­ne­par. O ad­mi­nis­tra­dor Eli­e­zer Go­mes, mo­ra­dor da Rua Rio Con­goi­nhas, no Par­que Re­si­den­ci­al Tuiu­ti, diz que en­tre os pro­ble­mas na vi­zi­nhan­ça es­tá o aban­do­no de al­guns lo­tes e as con­sequên­ci­as do ma­ta­gal. Mes­mo mu­ra­dos, al­guns ter­re­nos vi­ra­ram “pe­que­nas sel­vas”, de­vi­do à fal­ta de ro­ça- da. O re­sul­ta­do é que in­se­ti­ci­das e ar­ma­di­lhas vi­ra­ram itens obri­ga­tó­ri­os na re­si­dên­cia de Go­mes. “Dá ra­to, ara­nha, ba­ra­ta, um pu­nha­do de coi­sa”, diz. O as­fal­to tam­bém é mo­ti­vo de re­cla­ma­ção. “Não tem bu­ra­co nes­ses di­as por­que não es­tá cho­ven­do. Mas é só cair uma chu­va mais for­te que vol­tam to­dos”, diz. Mo­ra­dor da Rua Sal­da­nha Ma­ri­nho, na Zo­na 7, Pau­lo Fer­ra­ri cri­ti­ca um efei­to co­la­te­ral da im­plan­ta­ção do sis­te­ma bi­ná­rio no trân­si­to da Ave­ni­da De­mé­trio Ri­bei­ro. A rua fi­cou mais mo­vi­men­ta­da - e os aci­den­tes au­men­ta­ram. “Al­guns mo­to­ris­tas acham que es­tão em uma pis­ta de cor­ri­da, não res­pei­tam o li­mi­te de ve­lo­ci­da­de, ul­tra­pas­sam em fai­xa con­tí­nua e avan­çam a pre­fe­ren­ci­al. É tan­to aci­den­te no tre­cho en­tre as ave­ni­das Co­lom­bo e Pru­den­te de Mo­ra­es que eu já per­di a con­ta”, diz Fer­ra­ri. Se­gun­do re­la­tó­rio do Ser­vi­ço In­te­gra­do de Aten­di­men­to ao Trau­ma em Emer­gên­cia (Si­a­te), na rua de Fer­ra­ri três pes­so­as fi­ca­ram gra­ve­men­te fe­ri­das nes­te ano, em de­cor­rên­cia de aci­den­tes de trân­si­to – to­das ocu­pan­tes de mo­to­ci­cle­tas. Um de­sa­fio ex­tra pa­ra a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal dos Trans­por­tes. As re­cla­ma­ções dos lei­to­res se­rão en­ca­mi­nha­das às se­cre­ta­ri­as mu­ni­ci­pais res­pon­sá­veis, bem co­mo pa­ra a Sa­ne­par, Co­pel e po­lí­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar. O Diá­rio vai acom­pa­nhar o an­da­men­to dos pe­di­dos, a exe­cu­ção das re­so­lu­ções e pu­bli­car os re­sul­ta­dos.

João Cláudio Fra­go­so

Ave­ni­da De­mé­trio Ri­bei­ro; li­mi­te de ve­lo­ci­da­de pou­co res­pei­ta­do

Ra­fa­el Sil­va

Ter­re­no; mul­tas po­dem che­gar a R$ 2,5 mil a ca­da mil me­tros qua­dra­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.