Cres­cem ca­sos com ani­mais pe­ço­nhen­tos

Es­cor­piões li­de­ram ran­king de re­cla­ma­ções que são aten­di­das pe­lo Cen­tro de Con­tro­le de Zo­o­no­ses. Tem­po quen­te é um dos fa­to­res que fa­vo­re­cem sur­gi­men­to dos bi­chos

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Renato Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com As tem­pe­ra­tu­ras mais ele­va­das tem re­fle­ti­do no au­men­to das ocor­rên­ci­as aten­di­das pe­lo Cen­tro de Con­tro­le de Zo­o­no­ses (CCZ) re­la­ci­o­na­das a ani­mais pe­ço­nhen­tos co­mo ara­nhas, co­bras e es­cor­piões. Es­se úl­ti­mo li­de­ra a lis­ta de re­cla­ma­ções, que au­men­tou 53% até no­vem­bro des­te ano em com­pa­ra­ção com igual pe­río­do de 2011. Ma­ril­da Fon­se­ca de Oli­vei­ra, ge­ren­te do CCZ, ex­pli­ca que es­cor­piões es­tão pre­sen­te em 55 bair­ros de Ma­rin­gá. Ela dis­se que até o fi­nal de fe­ve­rei­ro o cli­ma quen­te e úmi­do fa­vo­re­ce o apa­re­ci­men­to de in­se­tos e bi­chos em ge­ral. “É uma épo­ca pro­pí­cia. Os ani­mais hi­ber­nam nos pe­río- dos mais fri­os e quan­do es­quen­ta sa­em dos es­con­de­ri­jos.”

Ma­ril­da afir­ma que a pre­sen­ça de bos­ques, fun­dos de va­les e ár­vo­res em gran­de quan­ti­da­de fa­vo­re­cem o apa­re­ci­men­to des­ses ani­mais. “On­de es­tá cons­truí­da a ci­da­de an­tes era só ma­to. Nós que fi­ze­mos ca­sas e ru­as no ha­bi­tat de­les. É uma in­fes­ta­ção que só fi­ca con­tro­la­da em lo­cais já po­vo­a­dos, co­mo no cen­tro”, diz.

Em ca­sa

A es­tu­dan­te Pa­trí­cia Sal­vi­a­no Ir­rthum mo­ra há qua­se um ano em Ma­rin­gá, no Jar­dim Mon­te Cris­to, on­de pre­do­mi­nam ter­re­nos bal­di­os, obras ina­ca­ba­das e ca­sas re­cém-cons­truí­das. Ela dis­se que, quan­do che­ga­ram na ca­sa on­de mo­ram, en­con­tra­ram seis es­cor­piões pre­tos. “Já achei vá­ri­os e de to­dos os ta­ma­nhos. Te­nho me­do por que não sei se é do ti­po ve­ne­no­so”, dis­se.

Pa­ra ten­tar se li­vrar do pe­ri­go, Pa­trí­cia cos­tu­ma ate­ar fo­go com ál­co­ol quan­do en­con­tra os bi­chos no quin­tal ou mes­mo den­tro de ca­sa. “O lo­cal on­de a gen­te mais acha é no ba­nhei­ro. Um dia ti­nha um bem enor­me es­con­di­do no meio de um pa­no de chão atrás da por­ta”, lem­bra.

“Mas faz uns três me­ses que deu uma boa di­mi­nuí­da, depois que nós pas­sa­mos ve­ne­no. Ain­da bem que não apa­re­ce da­que­le mais pe­ri­go­so, que é o ama­re­lo”, com­ple­tou a ir­mã Isa­be­la Sal­vi­a­no Ir­rthum, mo­ra­do­ra da Rua Mar­çal Si­quei­ra.

A co­bra é ou­tro bi­cho que es­tá cir­cu­lan­do com frequên­cia pe­los quin­tais do bair­ro. A do­na de ca­sa Ri­ta Mon­tei­ro, mo­ra­do­ra da Rua Ri­chard De­mer, dis­se que ma­tou uma cas­ca­vel há cer­ca de um mês. “Quan­do es­quen­ta, elas sa­em do meio do ma­to atrás de som­bra e aca­bam en­tran­do nos quin­tais. Ago­ra que ro­ça­ram as da­tas da re­gião deu uma di­mi­nuí­da. Mas es­ta­va ter­rí­vel.”

Além das co­bras, Ri­ta já te­ve pro­ble­mas com ara­nhas e es­cor­piões que en­tram na ca­sa. “Aca­bei ten­do que ti­rar o jar­dim que ti­nha no quin­tal e co­lo­quei pi­so pa­ra ten­tar di­mi­nuir o pro­ble­ma. Mas pre­ci­sa pas­sar mais ve­ne­no nos ter­re­nos bal­di­os.”

Ma­ril­da Oli­vei­ra ex­pli­ca que os es­cor­piões pre­tos não são ve­ne­no­sos, em­bo­ra o cui­da­do te­nha que ser o mes­mo com qual­quer ou­tro ani­mal pe­ço­nhen­to. “Es­se ti­po de es­cor­pião apa­re­ce on­de tem mui­ta ba­ra­ta, que é seu prin­ci­pal ali­men­to.”

No ca­so da ara­nha mar­rom, que é a mais pe­ri­go­sa, o re­gis­tro de ca­sos em Ma­rin­gá é bai­xo. Se­gun­do o CCZ, se com­pa­ra­do o pe-

in­se­tos atrás de va­sos sa­ni­tá­ri­os ta­cos sol­tos den­tro de sa­pa­tos sob pe­dras e en­tu­lho ter­re­nos aban­do­na­dos río­do en­tre ja­nei­ro e no­vem­bro de 2011 an­te 2012, o nú­me­ro de ca­sos caiu 17% - bai­xou de 23 pa­ra 19 ocor­rên­ci­as.

Pra­ga im­por­ta­da

Ma­ril­da in­for­ma que, além do es­cor­pião ama­re­lo, o ca­ra­mu­jo afri­ca­no tam­bém pos­sui al­tos ín­di­ces de in­fes­ta­ção em Ma­rin­gá e es­tá pre­sen­te em 108 bair­ros da ci­da­de. “Eles de­sa­pa­re­ce-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.