Nú­cleo do MP vai com­ba­ter ca­sos de pre­con­cei­to

Ob­je­ti­vo é cri­ar um ca­nal direto pa­ra evi­tar a dis­cri­mi­na­ção ét­ni­ca e ra­ci­al no Es­ta­do. Ór­gão co­me­çou a fun­ci­o­nar em no­vem­bro e abran­ge to­das as re­giões pa­ra­na­en­ses

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Na em­pre­sa, as pi­a­das de mau gos­to eram cons­tan­tes. Brin­ca­dei­ras, cons­tran­ge­do­ras, eram fei­tas por qua­se to­dos os co­le­gas de tra­ba­lho. Fo­ram pou­co mais de três me­ses, até que o bal­co­nis­ta ne­gro re­sol­veu dei­xar o emprego. As pi­a­das e brin­ca­dei­ras eram re­fe­ren­tes à cor da pe­le de­le.

Cons­tran­gi­do, o jo­vem de 23 anos, pe­diu ano­ni­ma­to, mas acei­tou con­tar a his­tó­ria de­le pa­ra O Diá­rio. “No co­me­ço, le­va­va na brin­ca­dei­ra, mas depois pas­sou a me in­co­mo­dar mui­to. Te­ve um dia, que vol­tei pa­ra ca­sa, cho­ran­do. Meus pais, pe­di­ram pa­ra que eu fos­se atrás, mas re­sol­vi me des­li­gar da em­pre­sa”, co­men­tou. O pe­di­do de de­mis­são foi há se­te me­ses e ele não re­pre­sen­tou con­tra os co­le­gas.

Si­tu­a­ções se­me­lhan­tes à do jo­vem, de acor­do com a As­ses­so­ria da Pro­mo­ção da Igual­da­de So­ci­al de Ma­rin­gá, são co­muns. “As pes­so­as che­gam aqui ar­ra­sa­das. In­fe­liz­men­te, ain­da o pre­con­cei­to é al­go co­mum em Ma­rin­gá. Pe­lo que ve­jo, os ca­sos são mais co­muns em am­bi­en­tes de tra­ba- lho”, afir­mou o as­ses­sor Ade­mir Félix de Je­sus.

Pa­ra cen­tra­li­zar o re­ce­bi­men­to des­se ti­po de de­nún­ci­as, en­vol­ven­do pre­con­cei­to ra­ci­al, foi cri­a­do, no Pa­ra­ná, o Nú­cleo de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ét­ni­co-Ra­ci­al (Nu­pi­er). O ór­gão, ofi­ci­a­li­za­do no mês pas­sa­do, se­rá co­man­da­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) e to­das as de­nún­ci­as que en­vol­vam es­se ti­po de cri­me po­de­rão, ini­ci­al­men­te, ser de­nun­ci­a­das a um pro­mo­tor.

“O Nú­cleo abran­ge to­do o Es­ta­do. O ob­je­ti­vo é cri­ar um ca­nal direto pa­ra que a gen­te re­ce­ba as de­nún­ci­as”, co­men­tou o pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça e co­or­de­na­dor do Nu­pi­er, Mar­cos Fowler. Se­gun­do ele, atu­al­men­te, mui­tas de­nún­ci­as de­mo­ram pa­ra se­rem apu­ra­das, por cau­sa da fal­ta de um lo­cal es­pe­ci­a­li­za­do. “Ain­da es­tu­da­mos ou­tros me­ca­nis­mos de de­nún­cia, co­mo te­le­fo­ne e internet. Uma das fer­ra­men­tas que vi­a­bi­li­za­mos é um nú­me­ro de te­le­fo­ne em que a pes­soa po­de­rá li­gar e re­la­tar o ca­so”, des­ta­cou.

Re­per­cus­são

Pa­ra o se­cre­tá­rio de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al da As­so­ci­a­ção dos Pro­fes­so­res do Pa­ra­ná (APP/Sin­di­ca­to), Luiz Car­los dos Santos, o pre­con­cei­to ain­da é al­go mui­to co­mum, in­clu­si­ve, nas es­co­las. “Ou­vi e vi ca­sos gra­ves que, in­fe­liz­men­te, ain­da se re­pe­tem. Com cer­te­za, com um nú­cleo co­mo es­se, ga­nha­mos mais for­ça”, res­sal­tou. “É mui­to bom. Va­mos ga­nhar mais um ins­tru­men­to”, acres­cen­tou Félix. “Es­pe­ra­mos que se­ja uma fer­ra­men­ta efi­caz no com­ba­te a es­se ti­po de cri­me”, dis­se o pro­cu­ra­dor.

Em Ma­rin­gá, em um ca­so re­cen­te, uma pes­soa foi con­de­na­da a pagar uma in­de­ni­za­ção por da­nos mo­rais por ter ofen­di­do uma mu­lher ne­gra. O pro­ces­so já foi con­cluí­do, mas ca­be re­cur­so.

Ar­qui­vo Pes­so­al

Jé­fer­son e Ju­li­a­na, ca­sa­dos há dez anos, che­ga­ram a aci­o­nar a po­lí­cia, du­ran­te uma ses­são de ci­ne­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.