MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

Dois aba­ca­xis

Co­le­gi­a­do

O pre­si­den­te da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, de­pu­ta­do Val­dir Ros­so­ni (PSDB), es­tá com dois aba­ca­xis da­que­les bem aze­dos pa­ra des­cas­car nas três se­ma­nas que res­tam do ano le­gis­la­ti­vo. O pri­mei­ro é o pro­je­to que al­te­ra o va­lor das cus­tas ju­di­ci­ais. De in­te­res­se dos car­to­rá­ri­os e ta­be­liães, o pro­je­to é bem ba­ti­za­do na As­sem­bleia, on­de mui­tos de­pu­ta­dos têm gen­te da fa­mí­lia do­na de car­tó­rio ou é in­ti­ma­men­te li­ga­do a qu­em tem. E não é pou­ca gen­te. O ou­tro é a vol­ta da­que­le zum­bi, apro­va­do em 1998 e tran­ca­do em uma ga­ve­ta qual­quer da me­sa exe­cu­ti­va, que ins­ti­tui a apo­sen­ta­do­ria in­te­gral dos par­la­men­ta­res que ti­ve­rem con­quis­ta­do cin­co man­da­tos, se­jam eles quais fo­rem. Um pro­je­to que nin­guém as­su­me a au­to­ria, mas que qua­se to­dos na As­sem­bleia que­rem. Ros­so­ni, que es­te­ve nes­ta quin­ta­fei­ra em Ma­rin­gá pa­ra a inau­gu­ra­ção da TV Câ­ma­ra, tem de um la­do o in­te­res­se dos de­pu­ta­dos, que aca­ba­ram de o re­e­le­ger pa­ra a Pre­si­dên­cia da Ca­sa e, de ou­tro, a in­dig­na­ção da po­pu­la­ção que é con­tra os dois pro­je­tos. Quo va­dis, di­ria Si­en­ki­ewicz? O Le­gis­la­ti­vo é um poder com­par­ti­lha­do, con­du­zi­do por mai­o­ria. O que se tra­duz pe­lo se­guin­te: mes­mo ten­do o con­tro­le do que vai a vo­ta­ção e o que não vai, não com­pe­te ao pre­si­den­te da Ca­sa - qual­quer Ca­sa - de­ter­mi­nar os des­ti­nos de uma ma­té­ria. Na re­al, co­mo diz a ra­pa­zi­a­da, o pre­si­den­te tem ape­nas o pró­prio vo­to com o que con­tar. E co­mo a Pre­si­dên­cia é ne­go­ci­a­da com os de­mais, a pró­pria per­ma­nên­cia ne­la é fru­to da ca­pa­ci­da­de do par­la­men­tar em aten­der aos in­te­res­ses dos que o ele­gem. No ca­so do pre­si­den­te da As­sem­bleia, há du­as elei­ções que ele pre­ci­sa pon­de­rar: a pri­mei­ra é a que faz de­le de­pu­ta­do e lhe dá a con­di­ção de dis­pu­tar a se­gun­da, a da Pre­si­dên­cia da Ca­sa. A di­fe­ren­ça en­tre am­bas é que, na pri­mei­ra o vo­to é do ci­da­dão co­mum, elei­tor. A se­gun­da, dos pa­res, os de­pu­ta­dos.

Ge­la­dei­ra

Ros­so­ni já ga­ran­tiu que não man­da­rá pa­ra Ple­ná­rio o pro­je­to das cus­tas dos car­tó­ri­os nes­te ano. Nor­mal sem­pre que se al­te­ra­va as cus­tas, pro­je­tos as­sim cos­tu­ma­vam en­trar na se­ma­na der­ra­dei­ra do Le­gis­la­ti­vo e apro­va­da en­quan­to o pes­so­al as­sa­va o pe­ru do Na­tal. Ros­so­ni tru­cou. Dis­se que for­ma­rá uma co­mis­são pa­ra ava­li­ar a ne­ces­si­da­de e a opor­tu­ni­da­de do au­men­to das cus­tas. Fo­ra do ar, no tal “in off records”, o par­la­men­tar con­ta que não co­nhe­ce car­to­rá­rio po­bre. Aliás, ci­ta o fa­to de que, em ci­da­des pe­que­nas, a pes­soa mais ri­ca da co­mu­ni­da­de é sem­pre o car­to­rá­rio. Si­nal do que pen­sa o tu­ca­no so­bre o des­ti­no des­se pro­je­to.

Pe­li­ca

Já o ou­tro, da apo­sen­ta­do­ria dos de­pu­ta­dos, a coi­sa é mais du­ra. O as­sun­to vem sen­do tra­ta­do com lu­vas de seda pa­ra ser apre­sen­ta­do em um mo­men­to opor­tu­no. Ros­so­ni já ga­ran­tiu à im­pren­sa que até o dia 21 da­rá uma res­pos­ta se pro­mul­ga ou não a lei. Ve­ja, ela foi apro­va­da pe­la As­sem­bleia, ve­ta­da pe­lo go­ver­na­dor e o ve­to foi der­ru­ba­do. Ca­be ao pre­si­den­te da As­sem­bleia pro­mul­gar, coi­sa que ne­nhum pre­si­den­te da Alep te­ve co­ra­gem de fa­zer até ago­ra. Não é um pro­je­to qual­quer: de­man­da do Le­gis­la­ti­vo o apor­te ini­ci­al de R$ 50 mi­lhões pa­ra ga­ran­tir a pre­ben­da par­la­men­tar. Não é pou­ca coi­sa e a ma­té­ria é apon­ta­da co­mo in­cons­ti­tu­ci­o­nal por vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas. O pro­ble­ma é que pa­ra que a in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de va­lha é pre­ci­so que se­ja de­cla­ra­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). E quan­to tem­po is­so le­va?

E aí?

A ma­nei­ra co­mo Ros­so­ni en­ca­mi­nhar es­sas du­as ma­té­ri­as se­rá o si­nal de que ele quer pa­ra o pró­prio fu­tu­ro. Se aca­tar os in­te­res­ses das ban­ca­das e dei­xar o Ple­ná­rio apro­var, ga­ran­te a sim­pa­tia dos co­le­gas e voo tran­qui­lo até o fim do man­da­to. Se, to­da­via, pei­tar a ti­gra­da e man­dar pa­ra a ga­ve­ta os de­se­jos de açoi­te às cos­tas do con­tri­buin­te, si­na­li­za que es­tá de olho em vo­os mais al­tos. Pois re­nun­ci­a­rá ao apoio dos pa­res em fa­vor do apoio da po­pu­la­ção. Mais uma vez, Ros­so­ni, quo va­dis, ou, ara on­de vais?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.