Lem­bran­ça pa­ra to­da a vi­da

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com A lo­cu­to­ra Si­mo­ne Eli­zan­dra de Lima não se se­pa­ra da cor­ren­te de pra­ta que ga­nhou do na­mo­ra­do em 2009. “É de pra­ta e tem um ‘S’ co­mo pin­gen­te. É mui­to es­pe­ci­al pa­ra mim por­que ga­nhei no pri­mei­ro Na­tal em que pas­sa­mos jun­tos”, afir­ma. Pa­ra ela, a pe­ça é im­por­tan­te não pe­lo va­lor co­mer­ci­al, mas pe­lo que re­pre­sen­ta pa­ra o ca­sal, o amor dos dois. O ca­ri­nho de qu­em já se foi tam­bém fi­ca mar­ca­do na me­mó­ria. A sau­da­de do pa­dras­to, já fa­le­ci­do, fi­ca me­nos do­lo­ri­da quan­do Fer­nan­da Sor­di lem­bra de um dos pre­sen­tes que re­ce­beu de­le. “Era um ur­so gi­gan­te. Eu de­se­ja­va aque­le ur­so há me­ses, sem­pre via no shop­ping. E, meu Deus, quan­do ga­nhei não des­gru­da­va do brin­que­do, até dor­mia com ele”, con­ta. Pa­ra a se­cre­tá­ria aca­dê­mi­ca Cris­ti­a­na Torchi, a dis­tân­cia e a sau­da­de se mis­tu­ram quan­do “É mui­to bom ver que a pes­soa es­tá usan­do ou des­fru­tan­do do pre­sen­te que vo­cê deu” se tra­ta de lem­brar de um Na­tal ines­que­cí­vel. Anos atrás, quan­do ain­da mo­ra­va na ci­da­de de Rio Bran­co, no Acre, ela re­ce­beu por cor­reio uma cai­xa de bom­bons de uma ami­ga. O mi­mo, que vi­a­jou cen­te­nas de quilô­me­tros, des­de a ci­da­de de Pre­si­den­te Pru­den­te, in­te­ri­or de São Pau­lo, só re­for­çou ne­la a sen­sa­ção de que pa­ra a ami­za­de não há bar­rei­ras ge­o­grá­fi­cas. “Eu ja­mais vou es­que­cer, eu fi­quei tão emo­ci­o­na­da e tão fe­liz com a lem­bran­ça da Luciane que ain­da me sin­to fe­liz com is­so. Eram bom­bons mui­to ca­ros e tão de­li­ca­dos que sim­ples­men­te não pu­de co­mê- los, gu­ar­dei o quan­to pu­de”, lem­bra com ca­ri­nhos. Pa­ra re­tri­buir, Cris­ti­a­na se lan­çou em uma aven­tu­ra até con­se­guir um pre­sen­te que tra­du­zis­se a ami­za­de de­las. No fi­nal, en­vi­ou uma bo­ne­ca de por­ce­la­na pa­ra com­ple­tar a co­le­ção da ami­ga. Há 14 anos, Cris­ti­a­na se mu­dou pa­ra Ma­rin­gá, ho­je Luciane es­tá em São Pau­lo, mas a ami­za­de e o ca­ri­nho con­ti­nu­am.

Do la­do de lá

E se é gos­to­so re­ce­ber al­go que se tor­na ines­que­cí­vel, ser o res­pon­sá­vel por es­ta lem­bran­ça tam­bém faz bem ao co­ra­ção. Foi as­sim pa­ra a pu­bli­ci­tá­ria Nathalia Tu­pan Car­va­lho. Ela es­co­lheu com cui­da­do o per­fu­me que da­ria de pre­sen­te de Na­tal pa­ra uma ami­ga. Na ho­ra em que en­tre­gou a lem­bran­ça, a ami­ga agra­de­ceu ti­mi­da­men­te. Al­gum tem­po depois, es­ta ami­ga li­gou pa­ra Nathalia e dis­se que gos­tou tan­to do per­fu­me es­co­lhi­do por ela, que pas­sou a usar so­men­te aque­le. O ca­ri­nho que re­tor­nou de for­ma es­pon­tâ­nea foi um pre­sen­te pa­ra a pu­bli­ci­tá­ria. “Eu acho que, quan­do ofer­ta­mos um pre­sen­te com ca­ri­nho, não con­ta so­men­te a re­a­ção de­mons­tra­da na­que­le mo­men­to. É mui­to le­gal quan­do vo­cê vê que a pes­soa es­tá usan­do ou des­fru­tan­do da­qui­lo que es­co­lheu pa­ra ela”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.