Ava­lie, com­pa­re e ne­go­cie

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ta­li­ta Amaral

ta­li­ta@ Pro­mo­ções, des­con­tos e inú­me­ras no­vi­da­des en­chem as vi­tri­nes das lo­jas na ci­da­de. Tudo is­so é mui­to ten­ta­dor, po­rém é pre­ci­so cau­te­la pa­ra que as com­pras de fim de ano não re­sul­tem em dí­vi­das pa­ra os pró­xi­mos me­ses. Es­pe­ci­a­lis­tas aler­tam que é pre­ci­so, an­tes de tudo, pes­qui­sar pre­ços, ne­go­ci­ar e ana­li­sar for­mas de pa­ga­men­to. Se­gun­do o eco­no­mis­ta Neio Perez Gu­al­da, o pa­ga­men­to par­ce­la­do só é vá­li­do quan­do os ju­ros não são ele­va­dos. “O con­su­mi­dor de­ve ava­li­ar se o au­men­to não se­rá ex­ces­si­vo e prin­ci­pal­men­te se a des­pe­sa não vai fi­car mai­or do que o or­ça­men­to re­al”. Já pa­ra qu­em vai fa­zer pa­ga­men­tos à vis­ta, a re­co­men­da­ção é pe­dir sem­pre um des­con­to, ou se­ja, ne­go­ci­ar. “Se o pre­ço à vis­ta for o mes­mo que o par­ce­la­do, há pos­si­bi­li­da­de de ne­go­ci­a­ção. Is­so acon­te­ce quan­do os ju­ros já es­tão em­bu­ti­dos no va­lor par­ce­la­do. Pe­dir des­con­to e dis­cu­tir o pre­ço do pro­du­to é um di­rei­to do con­su­mi­dor”, en­fa­ti­za Gu­al­da. Além de ana­li­sar for­mas de pa­ga­men­tos, o con­su­mi­dor de­ve pes­qui­sar bas­tan­te an­tes de to­mar a de­ci­são. De acor­do com o eco­no­mis­ta, exis­te mui­ta di­fe­ren­ça de pre­ços en­tre os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. “Al­gu­mas lo­jas vi­sam um gi­ro mais rá­pi­do e ofe­re­cem ta­xa de ju­ros me­no­res. Por is­so, com­prar na pri­mei­ra lo­ja po­de não ser uma boa op­ção”. Uma di­ca que po­de aju­dar o con­su­mi­dor é a con­sul­ta de en­car­tes, anún­ci­os e fo­lhe­tos de vá­ri­as lo­jas pa­ra não per­der mui­to tem­po en­tran­do em vá­ri­as lo­jas. Ou­tra ori­en­ta­ção pa­ra os con­su­mi­do­res é evi­tar com­prar o úl­ti­mo pro­du­to dis­po­ní­vel ou o pro­du­to do mos­truá­rio. “Co­mo a cir­cu­la­ção de pes­so­as nos es­ta­be­le­ci­men­tos é in­ten­sa, es­ses pro­du­tos já so­fre­ram mui­to des­gas­te e ma­nu­seio. Al­gu­mas lo­jas ven­dem tan­to que aca­bam re­pas­san­do a pe­ça do mos­truá­rio com pre­ço nor­mal”, avi­sa o eco­no­mis­ta. Ele lem­bra que na ho­ra de fa­zer a lis­ta de pre­sen­tes é im­por­tan­te ter em men­te que é ape­nas uma lem­bran­ça. “O con­su­mi­dor de­ve de­fi­nir pre­sen­tes que se­jam com­pa­tí­veis com a sua ca­pa­ci­da­de de pa­ga­men­to. De­ve lem­brar que a vi­da con­ti­nua depois do Na­tal e não va­le a pe­na com­pro­me­ter o or­ça­men­to dos pri­mei­ros me­ses do ano, pe­río­do em que a mai­o­ria das fa­mí­li­as tem com­pro­mis­sos com pa­ga­men­to de im­pos­tos, com­pra de ma­te­ri­al es­co­lar, ma­trí­cu­las e men­sa­li­da­des”, fri­sa Gu­al­da.

De acor­do com o Có­di­goo de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (CDC), nos ca­sos em que o for­ne­ce­dor es­ti­pu­la um pra­zo de en­tre­ga e fa­lha, a si­tu­a­ção é ca­rac­te­ri­za­da co­mo des­cum­pri­men­to da ofer­ta. Por is­so, é im­por­tan­te que o con­su­mi­dor re­gis­tre o pra­zo pro­me­ti­do pe­lo si­te pa­ra pro­var o que foi pro­me­ti­do pe­la em­pre­sa.

Nas com­pras re­a­li­za­das fo­ra da lo­ja fí­si­ca, o con­su­mi­dor tem o di­rei­to de de­sis­tir da com­pra em até se­te di­as depois de re­ce­ber o pro­du­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.