Di­rei­tos do cli­en­te

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Fábio Cas­tal­del­li

O Na­tal é o prin­ci­pal even­to do ano pa­ra os lo­jis­tas, afi­nal, a da­ta con­vi­da as pes­so­as a irem às com­pras a fim de pre­sen­te­ar os ami­gos e fa­mi­li­a­res. Mas, pa­ra uma com­pra jus­ta é ne­ces­sá­rio es­tar de olho no que es­ta­be­le­ce o Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (CDC). O di­re­tor do Pro­con de Ma­rin­gá, Ro­dri­go Va­len­te, ori­en­ta que os con­su­mi­do­res fi­quem aten­tos às in­for­ma­ções con­ti­das nas vi­tri­nes. Se­gun­do ele, a le­gis­la­ção exi­ge que se­ja exi­bi­do mais do que ape­nas o pre­ço à vis­ta do pro­du­to. “O va­lor a pra­zo, as­sim co­mo, em ca­so de par­ce­la­men­to, o va­lor de ca­da pres­ta­ção e sua so­ma fi­nal e a por­cen­ta­gem da ta­xa de ju­ros de­vem es­tar es­pe­ci­fi­ca­dos”, pon­tua. Aque­les que vão pagar com car­tão de cré­di­to tam­bém pre­ci­sam ter uma do­se ex­tra de aten­ção. Se­gun­do a ad­vo­ga­da do Si­va­mar, Lis­ley Mes­si­as da Sil­va, não po­de ha­ver di­fe­ren­ça en­tre o va­lor co­bra­do pa­ra pa­ga­men­to em di­nhei­ro e no car­tão de cré­di­to. “Es­ta é uma prá­ti­ca con­si­de­ra­da abu­si­va pe­lo Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, pas­sí­vel de mul­ta”. Va­len­te com­ple­ta que es­ti­pu­lar um va­lor mí­ni­mo pa­ra par­ce­la­men­to no car­tão de cré­di­to, da mes­ma for­ma, não é per­mi­ti­do.

Tro­cas

Bas­ta pas­sar o Na­tal pa­ra que a cor­re­ria pa­ra a tro­ca de pre­sen­tes te­nha iní­cio. De acor­do com Va­len­te, as lo­jas não são obri­ga­das a subs­ti­tuir os pro­du­tos que não apre­sen­tam o que o CDC cha­ma de ví­ci­os (fa­lhas ou de­fei­tos). No en­tan­to, res­sal­ta o di­re­tor do Pro­con de Ma­rin­gá, a mai­o­ria dos lo­jis­tas per­mi­te a prá­ti­ca co­mo for­ma de fi­de­li­zar e cor­te­jar a cli­en­te­la. “A re­co­men­da­ção é que o con­su­mi­dor apre­sen­te o bem com a eti­que­ta ori­gi­nal da lo­ja e que, de pre­fe­rên­cia, le­ve a no­ta fis­cal”, men­ci­o­na. Se os pro­du­tos du­rá­veis co­mo ele­tro­do­més­ti­cos e mó­veis apre­sen­ta­rem ví­ci­os, o con­su­mi­dor tem até 90 di­as pa­ra re­cla­mar, sen­do que o for­ne­ce­dor de­ve so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma em, no má­xi­mo, 30 di­as. Uma vez ul­tra­pas­sa­do es­te pra­zo, po­de- se exi­gir a subs­ti­tui­ção do pro­du­to por ou­tro no­vo da mes­ma es­pé­cie ou pe­dir o di­nhei­ro de vol­ta.

Ricardo Lo­pes

Cal­ça­dos es­tão en­tre as op­ções de pre­sen­te mais so­li­ci­ta­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.