Pro­pos­tas da pre­fei­tu­ra são apro­va­das em con­fe­rên­cia

PLA­NE­JA­MEN­TO Par­ti­ci­pan­tes vo­ta­ram zo­ne­a­men­to da Ci­da­de In­dus­tri­al de Ma­rin­gá, No­vo Cen­tro Cí­vi­co e vá­ri­as ade­qua­ções ao uso e ocu­pa­ção do so­lo; su­pos­ta fal­ta de de­ba­te ge­rou crí­ti­cas

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com Em meio a con­fli­tos e dis­cus­sões aca­lo­ra­das, a Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá con­se­guiu apro­var na ín­te­gra, na Con­fe­rên­cia Mu­ni­ci­pal re­a­li­za­da on­tem, no ple­ná­rio da Câ­ma­ra, to­das as pro­pos­tas de zo­ne­a­men­to da Ci­da­de In­dus­tri­al, a im­plan­ta­ção do pro­je­to Eu­ro­gar­den no No­vo Cen­tro Cí­vi­co e di­ver­sas ade­qua­ções na lei de uso e ocu­pa­ção do so­lo.

Na ava­li­a­ção do se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Sa­ne­a­men­to, Le­o­pol­do Fi­ews­ki, no­me­a­do pe­la pre­fei­tu­ra pa­ra co­or­de­nar os tra­ba­lhos, o re­sul­ta­do foi po­si­ti­vo. Em re­la­ção à Zo­na Es­pe­ci­al 16, que ga­ran­te a im­plan­ta­ção do pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co Eu­ro­gar­den, no No­vo Cen­tro Cí­vi­co, a apro­va­ção, se­gun­do o se­cre­tá­rio, ga­ran­te que Ma­rin­gá te­nha um pro­je­to que vai tra­zer mui­tos fru­tos no fu­tu­ro.

“É um pro­je­to vi­si­o­ná­rio, ou­sa­do, que tem ani­ma­do a ini­ci­a­ti­va pri­va­da e o go­ver­no fe­de­ral e que ago­ra po­de­rá ser vi­a­bi­li­za­do por meio de uma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da. É uma pro­pos­ta de uso sus­ten­tá­vel e in­te­li­gen­te pa­ra uma área atu­al­men­te sem uso na nos­sa ci­da­de. O re­sul­ta­do é ex­tre­ma­men­te po­si­ti­vo e a po­pu­la­ção vai co­lher os fru­tos da­qui a al­guns anos”, dis­se.

No que diz res­pei­to ao zo­ne­a­men­to da Ci­da­de In­dus­tri­al, hou­ve crí­ti­cas ao fa­to de a pro­pos­ta per­mi­tir a cons­tru­ção de pré­di­os com pa­ga­men­to da ou­tor­ga one­ro­sa pró­xi­mo às in­dús­tri­as. Se­gun­do Fi­ews­ki, a me­di­da não de­ve cau­sar trans­tor­no aos fu­tu­ros mo­ra­do­res.

“Não vão ser in­ta­la­das in­dús­tri­as pe­sa­das. E es­ta área co­mer­ci­al, de ser­vi­ços e re­si­den­ci­al vai fi­car lo­ca­li­za­da em fren­te ao es­pa­ço do Tec­no­par­que, que vai abri­gar em­pre­sas de tec­no­lo­gia. São em­pre­sas de bai­xo im­pac­to e sem ris­co ne­nhum”, afir­mou.

De acor­do com o se­cre­tá­rio, es­te con­cei­to cri­a­do pe­los téc­ni­cos da pre­fei­tu­ra foi pen­sa­do pa­ra “fa­ci­li­tar a vi­da de qu­em vai tra­ba­lhar ali. A pes­soa vai poder mo­rar per­to do tra­ba­lho, vai ter equi­pa­men­tos pú­bli­cos co­mo cre­ches e es­co­las e te­re- mos uma área des­ti­na­da a ser­vi­ços co­mo o de res­tau­ran­tes. O que pre­ci­sa­mos ago­ra é co­brar e vi­gi­ar pa­ra que na ho­ra de li­cen­ci­ar as em­pre­sas, te­nha­mos em­pre­en­di­men­tos que não cau­sem tan­to im­pac­to”, re­la­tou.

Em­bo­ra o No­vo Cen­tro Cí­vi­co e a Ci­da­de In­dus­tri­al te­nham cha­ma­do mais aten­ção pe­lo ta­ma­nho dos em­pre­en­di­men­tos, Fi­ews­ki con­si­de­rou que as mu­dan­ças mais im­por­tan­tes apro­va­das du­ran­te a con­fe­rên­cia fo­ram as li­ga­das às ade­qua­ções fei­tas na lei de uso e ocu­pa­ção do so­lo no que diz res­pei­to ao or­de­na­men­to pa­ra a aber­tu­ra de co­mér­ci­os, ser­vi­ços e pa­ra qu­em tra­ba­lha ou ape­nas re­gis­tra a em­pre­sa no en­de­re­ço re­si­den­ci­al. “Es­tas ade­qua­ções dos usos per­mi­ti­dos são o que tra­zem mai­or im­pac­to pa­ra a po- pu­la­ção ma­rin­ga­en­se. Ago­ra pas­sa­mos a per­mi­tir, por exem­plo, que ad­vo­ga­dos, con­ta­do­res e ou­tros pro­fis­si­o­nais te­nham um es­cri­tó­rio em ca­sa.”

Crí­ti­cas

Mem­bro do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to e Ges­tão Ter­ri­to­ri­al e re­pre­sen­tan­te da Aca­de­mia de Ar­qui­te­tu­ra Eu­cli­des da Cu­nha na con­fe­rên­cia, Már­cio Lo­rin cri­ti­cou a au­sên­cia de de­ba­tes vol­ta­dos à cons­tru­ção de equi­pa­men­tos pú­bli­cos.

“Aqui, em prin­cí­pio, hou­ve ape­nas a le­gi­ti­ma­ção do que o Exe­cu­ti­vo que­ria pa­ra a ci­da­de. In­fe­liz­men­te es­ta­mos aqui e tei­ma­mos na ideia da par­ti­ci­pa­ção. Mas da for­ma co­mo é de­se­nha­da a con­fe­rên­cia, é im­pos­sí­vel dis­cu­tir.”

Pau­lo Hen­ri­que Mai, re­pre­sen­tan­te de mo­vi­men­tos so­ci­ais, tam­bém cri­ti­cou a fal­ta de aber­tu­ra pa­ra o de­ba­te e a par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar. “Se­ri­am até 250 par­ti­ci­pan­tes e no fi­nal só ti­ve­mos 40 de­le­ga­dos”, la­men­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.