Ho­rá­rio es­pe­ci­al anima co­mér­cio

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com O au­men­to da po­pu­la­ção, a che­ga­da de vi­si­tan­tes da re­gião, o co­me­ço do fun­ci­o­na­men­to das lo­jas em ho­rá­rio es­pe­ci­al, até às 22 ho­ras, e o bom mo­men­to da eco­no­mia são al­guns dos fa­to­res ci­ta­dos pe­los co­mer­ci­an­tes de Ma­rin­gá pa­ra jus­ti­fi­car a boa ex­pec­ta­ti­va de ven­das nes­te fim de ano. Eles es­pe­ram ven­der cer­ca de 50% mais que os de­mais me­ses e en­tre 4% e 6% mais do que no Na­tal de 2011.

“Os mais de 40 anos de fun­ci­o­na­men­to de nos­sa lo­ja mos­tram que a ca­da Na­tal as ven­das su­pe­ram as do ano an­te­ri­or. Nes­te ano não vai ser di­fe­ren­te”, diz Mar­ce­lo Al­fre­do Mar­tim, ge­ren­te ge­ral do Cen­tro Co­mer­ci­al Ti­ra­den­tes, es­ta­be­le­ci­men­to que se es­pe­ci­a­li­zou na li­nha de pre­sen­tes. “Quan­do se fa­la em au­men­to das ven­das, as pes­so­as são le­va­das a pen­sar so­men­te em ar­ti­gos que sir­vam pa­ra pre­sen­te­ar, mas a ex­pe­ri­ên­cia mos­tra que é jus­ta­men­te no pe­río­do na­ta­li­no que se ven­de mui­to ar­ti­gos pa­ra de­co­ra­ção, co­zi­nhas no­vas, so­fás e rou­pas de ca­ma.” Pa­ra Mar­tim, as pes­so­as apro­vei­tam o 13º sa­lá­rio pa­ra “mu­dar o vi­su­al da ca­sa” e as­sim to­dos os se­to­res fa­tu­ram mais no fi­nal do ano, “do pin­tor de pa­re­de ao ins­ta­la­dor de cor­ti­nas.”

Ou­tro ti­po de co­mér­cio que aguar­da com oti­mis­mo o pe­río­do de fes­tas é o das lo­jas de ins­tru­men­tos mu­si­cais. “As pes­so­as es­tão com o 13º na mão e mui­tas que­rem pre­sen­te­ar a si mes­mas com um vi­o­lão ou um te­cla­do”, diz a fun­ci­o­ná­ria da Mu­si­te­ch Ins­tru­men­tos Mu­si­cais, Ta­ti­a­ne Fer­nan­des Da­van­ço.

Uma pro­je­ção fei­ta pe­la Ten­dên­ci­as Con­sul­to­ria, de São Pau­lo, mos­tra que no País as ven­das no va­re­jo de­vem ser em mé­dia 4,1% mai­o­res do que no ano pas­sa­do, mas há ou­tros le­van­ta­men­tos que pre­vêem au­men­to de até 6%.

“De qual­quer for­ma, há oti­mis­mo”, diz o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta de Ma­rin­gá e Re­gião (Si­va­mar), José Ru­bens Abrão. A PM es­ta­rá re­for­çan­do a se­gu­ran­ça nas áre­as co­mer­ci­ais, com po­li­ci­a­men­to mo­to­ri­za­do e a pé, in­clu­si­ve com a apli­ca­ção de po­li­ci­ais do se­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo. Va­mos re­du­zir o ho­rá­rio de ex­pe­di­en­te ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra que es­ses po­li­ci­ais pos­sam atu­ar no po­li­ci­a­men­to de rua, prin­ci­pal­men­te à noi­te. “Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é de que as ven­das cres­çam de 50% a 60% em re­la­ção à mé­dia de ja­nei­ro ad­mi­nis­tra­ti­va e tam­bém os po­li­ci­ais da 2ª Es­co­la de For­ma­ção, Aper­fei­ço­a­men­to e Es­pe­ci­a­li­za­ção de Pra­ças (Es­fa­ep). Aos co­mer­ci­an­tes, a ori­en­ta­ção é que te­nham cui­da­dos re­do­bra­dos nes­se pe­río­do em que o mo­vi­men­to nas lo­jas au­men­ta con­si­de­ra­vel­men­te e que opor­tu­nis­tas apro­vei­tam o “tu­mul­to” den­tro dos es­ta­be­le­ci­men­tos pa­ra se pas­sar por cli­en­tes e pra­ti­car fur­tos. É acon­se­lhá­vel, en­tre ou­tros cui­da­dos, uti­li­zar-se de vi­gi­lân­cia, se­ja hu­ma­na ou ele­trô­ni­ca, pa­ra que o co­mer­ci­an­te não se­ja sur­pre­en­di­do por pes­so­as mal-in­ten­ci­o­na­das em seus es­ta­be­le­ci­men­tos. a se­tem­bro e apre­sen­tem um bom cres­ci­men­to em re­la­ção ao Na­tal do ano pas­sa­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.