MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

Es­pe­ran­do a lis­ta

Com chan­ces

Na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra, o Mi­nis­té­rio das Ci­da­des di­vul­ga­rá a lis­ta das obras con­tem­pla­das no Pro­gra­ma de Ace­le­ra­ção do Cres­ci­men­to III, o cha­ma­do PAC da Mo­bi­li­da­de. Ma­rin­gá con­cor­re com dois pro­je­tos e o Pa­ra­ná com um, que diz res­pei­to mui­to par­ti­cu­lar a Ma­rin­gá. Os dois pro­je­tos de Ma­rin­gá são a trans­po­si­ção da UEM e o ter­mi­nal in­ter­mo­dal – ou mul­ti­mo­dal, co­mo quei­ram – no cen­tro. O do Pa­ra­ná é o Trem Pé Ver­me­lho, li­ga­ção fer­ro­viá­ria de pas­sa­gei­ros en­tre Pai­çan­du e Ibi­po­rã. Re­cur­sos dis­pu­ta­dos de R$ 60 mi­lhões pa­ra a tran­po­si­ção da UEM, R$ 88 mi­lhões pa­ra o ter­mi­nal e, pe­lo Pa­ra­ná, R$ 280 mi­lhões pa­ra a ins­ta­la­ção dos tri­lhos e obras de en­ge­nha­ria pa­ra trans­po­si­ção de ri­os e ri­a­chos no ei­xo da fer­ro­via. Os trens (na ver­da­de VLTs) e es­ta­ções não es­tão nes­ta eta­pa das obras. Um mon­tão de di­nhei­ro. Con­cor­rem aos re­cur­sos de R$ 7 bi­lhões des­ti­na­dos pa­ra es­ta eta­pa do PAC da Mo­bi­li­da­de com mais 71 mu­ni­cí­pi­os de mé­dio por­te, en­tre 75 que po­di­am en­vi­ar pro­je­tos. Há chan­ces dos pro­je­tos de in­te­res­se da ci­da­de se­rem in­cluí­dos nes­te pa­co­te de obras? Sim. Chan­ces re­ais. Mes­mo sen­do um vo­lu­me ex­pres­si­vo de re­cur­sos pa­ra uma re­gião só. Pri­mei­ro por­que os pro­je­tos es­tão bem na li­nha do que de­se­jam os téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio das Ci­da­des: obras de mo­bi­li­da­de cen­tra­das no trans­por­te pú­bli­co, com pre­fe­rên­cia ao trans­por­te so­bre tri­lhos e cor­re­do­res ex­clu­si­vos pa­ra ôni­bus. Os dois pro­je­tos ma­rin­ga­en­ses vão nes­sa li­nha: pre­ve­em cor­re­do­res pre­fe­ren­ci­ais pa­rar ôni­bus (não são ex­clu­si­vos, pe­lo me­nos no atu­al mo­men­to) e a in­te­gra­ção com o trans­por­te por tri­lhos. Que, no ca­so, de­pen­de da apro­va­ção do pro­je­to es­ta­du­al do Trem Pé Ver­me­lho. Depois por­que, na par­te po­lí­ti­ca – que não é a prin­ci­pal, mas tem sim seu ele­va­do grau de im­por­tân­cia – o Mi­nis­té­rio das Ci­da­des é con­du­zi­do pe­lo PP, par­ti­do do pre­fei­to Sil­vio Bar­ros on­de o trân­si­to do ir­mão, Ricardo é es­pan­to­sa­men­te gran­de.

Lon­go pra­zo

A trans­po­si­ção do câm­pus da UEM é uma ne­ces­si­da­de in­con­tes­tá­vel. O en­cla­ve que o câm­pus im­põe ao sis­te­ma viá­rio é res­pon­sá­vel pe­la enor­me cons­ti­pa­ção viá­ria das ave­ni­das Co­lom­bo e Mo­ran­guei­ra. Os mo­ra­do­res da Zo­na Nor­te não têm al­ter­na­ti­va pa­ra che­gar ao cen­tro que não se­ja por ali. Ou por um enor­me des­vio pe­la Pe­dro Ta­ques e Man­da­ca­ru. Que já es­tão pa­re­cen­do ave­ni­das do cen­tro de São Pau­lo. A aber­tu­ra de du­as vi­as ali, no pro­lon­ga­men­to da Lau­ro Wer­neck e da Her­val, a pri­mei­ra por um tú­nel e a se­gun­da num tra­ça­do no­vo por den­tro do câm­pus, é so­lu­ção de lon­go pra­zo pa­ra to­da a ci­da­de.

Na re­za

A si­tu­a­ção é com­pre­en­di­da pe­la so­ci­e­da­de e por gran­de par­te dos re­pre­sen­tan­tes da Uni­ver­si­da­de. Mas, há os que que­rem usar a opor­tu­ni­da­de pa­ra fa­zer ba­ru­lho. E não é por­que não têm a com­pre­en­são da ne­ces­si­da­de da in­ter­ven­ção, mas por­que en­xer­gam aí a chan­ce de apre­sen­tar opo­si­ção ao pre­fei­to. Opo­si­ção po­lí­ti­ca. O pes­so­al não en­ten­deu ain­da que as elei­ções já aca­ba­ram e que a opor­tu­ni­da­de de ob­ter re­cur­sos do go­ver­no fe­de­ral pa­ra uma obra de al­can­ce pa­ra to­da a ci­da­de é ím­par. Não. O ne­gó­cio é ar­ru­mar con­fu­são pa­ra ten­tar im­pe­dir que as obras sai­am. Gen­te que não tem a des­cul­pa da ig­no­rân­cia pa­ra ser con­tra. Tem ape­nas o in­te­res­se pes­so­al. São aque­les que já con­ta­vam co­mo cer­tos os car­gos num even­tu­al go­ver­no pe­tis­ta e que ago­ra quer des­cons­truir uma even­tu­al vi­tó­ria des­ta ad­mi­nis­tra­ção. E en­quan­to as dis­pu­tas de in­te­res­se pre­va­le­cem, Ma­rin­gá as­sis­te an­si­o­sa o des­fe­cho que o Mi­nis­té­rio das Ci­da­des dá aos plei­tos lo­cais. Tor­cen­do pa­ra que os in­te­res­ses na­da re­pu­bli­ca­nos de uma opo­si­ção que apos­ta no “quan­to pi­or me­lhor” não in­ter­fi­ram no re­sul­ta­do da es­co­lha téc­ni­ca pe­la in­clu­são das obras no pro­gra­ma fe­de­ral. Que Deus nos aju­de, ape­sar des­sa tur­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.