CH&X: show do ano na ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com O show co­me­ça com a ca­sa lo­ta­da, no sa­lão do Coun­try Club, em uma noi­te quen­te de pri­ma­ve­ra. Na­que­le­sá­ba­do, há­três­di­as, os­termô­me­tros mar­ca­ram 33°C e São Pe­dro só en­sai­ou uma chu­va. A tem­pe­ra­tu­ra não ame­ni­zou se­quer du­ran­te a noi­te e o ar-con­di­ci­o­na­do do am­bi­en­te mal da­va con­ta do pú­bli­co an­si­o­so. An­tes de as es­tre­las en­tra­rem em ce­na, um ví­deo em um te­lão de LED trans­mi­tiu ima­gens dos íco­nes do ser­ta­ne­jo che­gan­do à Ci­da­de Can­ção, gra­va­dos pe­los pró­pri­os can­to­res. O re­ló­gio mar­ca­va23h22­quan­dou­mal­vo­ro­ço co­me­çou com a che­ga­da de Chi­tão­zi­nho&Xo­ro­ró­no­pal­co.

Ma­rin­gá é uma ci­da­de que di­vi­de até bem o es­pa­ço com di­ver­sos gê­ne­ros mu­si­cais. Mas fi­cou ex­tre­ma­men­te cla­ro que nos­sa es­sên­cia é ser­ta­ne­ja - não di­go mo­dis­mos atu­ais, ape­sar de pre­do­mi­nan­tes -, mas aque­la can­ção de raiz. Aque­la que em al­gum mo­men­to em­ba­lou vi­a­gens de fa­mí­lia, chur­ras­cos, al­mo­ços de do­min­go na ca­sa dos pa­ren­tes, fins de re­la­ci­o­na­men­tos, re­tor­nos pa­ra o lar e uma es­tra­da que par­ti­lha a mes­ma mú­si­ca com di­ver­sas ge­ra­ções. Ce­na re­cor­ren­te: avôs, pais e fi­lhos en­to­an­do as mo­das de dé­ca­das idas. E com­ple­ta­men­te atu­ais aos que sol­ta­vam a voz sem me­do de ser fe­liz.

“Vo­cês es­tão can­tan­do com tan­ta pai­xão. Es­sa pai­xão é atu­al ou é an­ti­ga?”, in­da­gou Xo­ro­ró em da­do mo­men­to do show. O co­ro foiu­nís­so­no: an­ti­ga. Con­tra­di­to­ri­a­men­te, até mes­mo pa­ra os mais no­vos. A pai­xão co­me­çou na dé­ca­da de 1970, e fi­ca ní­ti­do en­ten­der por­que a ten­dên­cia é ul­tra­pas­sar os 40 anos de car­rei­ra. Pai­xão não só da du­pla, mas do pú­bli­co, que não fez feio: can­tou to­das as mú­si­cas, sem ex­ce­ção. Clás­si­cos não fal­ta­ram: “Fio de Ca­be­lo”, “A Ma­jes­ta­de O Sa­biá”, “Evi­dên­ci­as” e “Ga­lo­pei­ra” fi­ze­ram a ale­gria dos mais­sau­do­sis­tas.

Al­go que tam­bém fi­cou evi­den­te na noi­te de sá­ba­do foi o ca­ri­nho imen­so que a du­pla nu­tre pe­lo in­te­ri­or do Es­ta­do. Ou­sa­ram pu­xar um “Ma­rin­gá, Ma­rin­gá, depois que tu par­tis­te tudo aqui fi­cou tão tris­te...”, sur­pre­en­den­do a pla­teia que con­ti­nu­ou a can­ção. O cli­ma aba­fa­do deu vez ao ca­lor hu­ma­no, e foi di­fí­cil, após 1h38 de apre­sen­ta­ção, le­van­tar das ca­dei­ras e par­tir. Na en­tre­vis­ta con­ce­di­da an­te­ri­or­men­te ao Diá­rio, Chi­tão­zi­nho dis­se que eles se sen­ti­am em ca­sa ao re­tor­nar pa­ra o in­te­ri­or. Po­de até ser, mas qu­em re­al­men­te se sen­tiu em ca­sa foi o pú­bli­co, re­vi­ven­do as qua­tro dé­ca­das que fi­ze­ram par­te da vi­da de ca­da bra­si­lei­ro ali pre­sen­te.

Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró mos­tra­ram que 40 anos de car­rei­ra só fi­ze­ram bem à du­pla, que não pa­rou no tem­po. A in­te­ra­ção foi am­pli­a­da quan­do Chi­tão­zi­nho fez uso de uma câ­me­ra de ví­deo que trans­mi­tia ao vi­vo a re­a­ção da pla­teia no te­lão ao fun­do. Mãos pa­ra ci­ma, pal­mas sin­cro­ni­za­das. Sen­sa­ção de que os pre­sen­tes as­sis­ti­am a um gran­de es­pe­tá­cu­lo de ci­ne­ma. Es­pe­tá­cu­lo vi­su­al em uma apre­sen­ta­ção com um do gru­po mu­si­cal de pe­so dan­do su­por­te aos agu­dos de Xo­ro­ró e a voz­mar­can­te­deChi­tão­zi­nho.

Há de se con­cor­dar que “sinô­ni­mo de amor é amar” quan­do se tra­ta da de­di­ca­ção à car­rei­ra que os dois man­ti­ve­ram to­dos es­ses anos. In­do além, o show não foi só da du­pla: Sandy e Ju­ni­or, Jair Rodrigues e Fer­nan­do & So­ro­ca­ba em sin­cro­nia no te­lão, com as can­ções mes­clan­do o ao vi­vo e a gra­va­ção ao fun­do - fil­ma­gens do DVD Sinfô­ni­co gra­va­do no ano pas­sa­do com par­ti­ci­pa­ções de vá­ri­os ar­tis­tas.

Ou­so di­zer que foi uma das me­lho­res apre­sen­ta­ções que Ma­rin­gá re­ce­beu es­te ano. A du­pla se rein­ven­tou sem per­der a iden­ti­da­de que ca­ti­vou o País. Res­ta sa­ber se há a pos­si­bi­li­da­de de re­tor­na­rem lo­go pa­ra a ter­ri­nha e des­sa vez, de pre­fe­rên­cia, em um show que mais pes­so­as pos­sam as­sis­tir e tam­bém can­tar jun­tos, em um es­pa­ço am­plo e com va­lor de in­gres­so mais aces­sí­vel. A du­pla ser­ta­ne­ja Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró con­ce­deu, na tar­de do úl­ti­mo sá­ba­do, uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va na Ford Kon­rad Ca­mi­nhões. An­tes dis­so, os mú­si­cos, sem­pre mui­to sim­pá­ti­cos, au­to­gra­fa­ram o vi­o­lão do di­re­tor da Kon­rad, Ro­ber­to Friz­zo, fã da du­pla e que tam­bé­ma­pre­ci­a­to­car­vi­o­lão.

Ho­ras an­tes de su­bir ao pal­co pa­ra o show em co­me­mo­ra­ção aos 40 anos de car­rei­ra, a du­pla, que fe­chou par­ce­ria em to­do o Bra­sil com a Ford Ca­mi­nhões, co­nhe­ceu a con­ces­si­o­ná­ria ma­rin­ga­en­se e, na co­le­ti­va, além da mú­si­ca e da re­la­ção que eles têm com o in­te­ri­or do Pa­ra­ná, fa­la­ram tam­bém so­bre a pai­xão pe­la es­tra­da e pe­lo vo­lan­te.

Chi­tão­zi­nho afir­mou, na co­le­ti­va, que o ir­mão é qu­em gos­ta mais de di­ri­gir na fa­mí­lia. E se mos­trou fe­liz pe­la par­ce­ria co­mer­ci­al com o gru­po. “O pes­so­al que tra­ba­lha com ca­mi­nhão ama a mú­si­ca ser­ta­ne­ja”, dis­se. Xo­ro­ró afir­mou que seu pai ti­nha o en­si­na­do a di­ri­gir ain­da quan­do era me­ni­no. “Na épo­ca que a gen­te vi­a­ja­va com a equi­pe dos mú­si­cos, di­ri­gia o ôni­bus pa­ra o mo­to­ris­ta poder des­can­sar. A gen­te re­ve­za­va”. Leia a en­tre­vis­ta na ín­te­gra no por­tal: odi­a­rio.com.

Ana Lui­za Ver­zo­la

Du­pla Chi­tão­zi­nho & Xo­ro­ró, em apre­sen­ta­ção emo­ci­o­nan­te na noi­te de sá­ba­do, no Coun­try Club, em Ma­rin­gá

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.