A seu dis­por

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

su­co de uva fa­vo­ri­to sair do mer­ca­do? Sem ne­nhu­ma ex­pli­ca­ção do fa­bri­can­te, sem nem uma mí­se­ra car­ta de adeus? As ou­tras mar­cas não pres­tam. Se­rá que, por um mo­men­to, vo­cê te­ria von­ta­de de me pro­cu­rar, mi­nha ca­ra? Quan­do vo­cê se pe­gar com rai­va da sua mãe, mes­mo depois de tudo o que ela fez e vem fa­zen­do por vo­cê. Quan­do vo­cê con­se­guir, mo­dés­tia à par­te, dei­xar seu pu­rê de ma­çã um es­pe­tá­cu­lo, e até re­ce­ber um “es­tá óti­mo”, mas sem o en­tu­si­as­mo do qual se acha­va me­re­ce­do­ra. E não re­pa­ra­rem, em ca­sa, na cor das su­as unhas, nem no no­vo per­fu­me que re­que­reu co­ra­gem pa­ra ser com­pra­do, coi­sas bo­as são ca­ras. Quan­do pre­ci­sar de al­gum ama­dor pa­ra in­ter­pre­tar seus so­nhos em que an­da des­cal­ça. Vo­cê não pen­sa­ria em me pro­cu­rar? E se pas­sar, de ves­ti­do, pe­la obra e não re­ce­ber ne­nhu­ma can­ta­da? E se a res­pei­ta­rem mais do que vo­cê pre­ci­sa, em sua ida­de? Es­tá tudo bem, mas no fun­do se­ria bom que al­go des­se er­ra­do, pa­ra ti­rá-la das lei­tu­ras ruins e das con­ver­sas cor­di­ais? E se vo­cê, com as­som­bro, per­ce­ber que de­se­ja um ta­pa, en­quan­to seu cla­re­a­men­to den­tal não sur­tiu o efei­to de­se­ja­do e vo­cê te­ve de dei­xar de ir a um show ao qual que­ria mui­to ir? Tal­vez va­les­se a pe­na me pro­cu­rar. Quan­do a mú­si­ca am­bi­en­te es­ti­ver ba­ru­lhen­ta, quan­do to­dos os con­vi­da­dos ti­ve­rem co­mi­do mui­to, quan­do as pi­a­das es­ti­ve­rem ruins de­mais. A con­ta de luz veio al­ta de­mais, vo­cê es­tá gor­da de­mais, as sé­ri­es de TV não são o que eram an­tes. Ain­da as­sim a vi­da é be­la, não é mes­mo?, e vo­cê só tem a agra­de­cer. Mas vo­cê po­de que­rer al­guém pa­ra qu­em não pre­ci­se con­tar na­da, nem pla­ne­jar na­da, nem jus­ti­fi­car na­da, nem fa­zer por me­re­cer. Vo­cê sa­be on­de me pro­cu­rar. Pro­cu­rar por um dia, uma noi­te, uma es­ca­pa­da de ve­rão, pa­ra a vi­da to­da, ou ape­nas pe­lo tem­po de um lap­so de seu pen­sa­men­to. No pla­no re­al ou no ima­gi­ná­rio. Eu es­ta­rei lá, eu não mu­do. Quan­do qui­ser, ve­nha me pro­cu­rar. E se pre­ci­sar de al­guém pa­ra car­re­gar su­as com­pras, ou lhe dar um fi­lho, ou bei­jar sua mão e pe­dir por fa­vor. Tam­bém se qui­ser sen­tir-se es­tú­pi­da, di­mi­nuí­da, do­mi­na­da e pos­ta quen­te con­tra uma pa­re­de fria. Con­tar his­tó­ri­as bo­ni­tas à noi­te, em­ba­lan­do seu so­no, ou con­fron­tá­la com su­as an­gús­ti­as, trau­mas e fo­bi­as atá­vi­cas. Co­mer­ci­al de mar­ga­ri­na ou tan­to faz. Pe­la do­çu­ra de sen­tir-se qua­se san­ta ou pe­lo pra­zer de usar al­guém, ser egoís­ta e fran­ca­men­te má. Eu não me im­por­to. Vo­cê ain­da há de me pro­cu­rar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.