Go­ver­nan­ça de TI e negócios

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Per­ce­be-se cla­ra­men­te no vo­ca­bu­lá­rio dos ges­to­res, se­jam eles da área de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção (TI) ou não, que o ter­mo “go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va” es­tá ca­da vez mais po­pu­lar e es­tá ga­nhan­do mui­ta im­por­tân­cia.

De acor­do com o Instituto Bra­si­lei­ro de Go­ver­nan­ça Cor­po­ra­ti­va (IBGC), a go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va é o sis­te­ma pe­lo qual as or­ga­ni­za­ções são di­ri­gi­das, mo­ni­to­ra­das e in­cen­ti­va­das, en­vol­ven­do os re­la­ci­o­na­men­tos en­tre pro­pri­e­tá­ri­os, con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, di­re­to­ria e ór­gãos de con­tro­le.

As bo­as prá­ti­cas de go­ver­nan­ça con­ver­tem prin­cí­pi­os em re­co­men­da­ções ob­je­ti­vas, ali­nhan­do in­te­res­ses com a fi­na­li­da­de de pre­ser­var e oti­mi­zar o va­lor da or­ga­ni­za­ção, fa­ci­li­tan­do seu aces­so ao ca­pi­tal e con­tri­buin­do pa­ra a sua lon­ge­vi­da­de.

Is­to quer di­zer que a go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va de­pen­de to­tal­men­te do mo­de­lo de ges­tão da em­pre­sa, e de­pen­de tam­bém da ma­nei­ra na qual es­ta ges­tão es­tá sen­do re­a­li­za­da e fis­ca­li­za­da.

Quan­do as prá­ti­cas de go­ver­nan­ça são bem uti­li­za­das, os be­ne­fí­ci­os fi­cam bas­tan­te cla­ros: me­lho­res con­tro­le e de­ci­sões na al­ta ges­tão e re­du­ção do cus­to de ca­pi­tal pe­lo au­men­to da con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res. Além dis­so, ela tam­bém é re­co­nhe­ci­da co­mo es­sen­ci­al pa­ra que as em­pre­sas pos­sam au­men­tar a vi­si­bi­li­da­de, for­ta­le­cen­do a con­fi­an­ça dos aci­o­nis­tas, atra­vés de uma ima­gem de con­tro­le, trans­pa­rên­cia e pre­vi­si­bi­li­da­de.

Ten­do em vis­ta gran­des de­sas­tres econô­mi­cos e so­ci­ais co­mo os ca­sos En­ron, Worldcom e Ty­co, o bom uso des­se con­jun­to de pro­ces­sos, cos­tu­mes, po­lí­ti­cas, e leis que re­gu­lam a ma­nei­ra co­mo uma em­pre­sa é ad­mi­nis­tra­da tor­nou­se um te­ma re­cor­ren­te nas ro­das tan­to de gran­des quan­to de pe­que­nas em­pre­sas, en­quan­to o mau uso tor­nou-se en­re­do de do­cu­men­tá­ri­os (co­mo o acla­ma­do “Too Big to Fail”), dra­mas (“The Com­pany Men”) e até mes­mo co­mé­di­as (“Fun With Dick & Jane”).

Mas quais os be­ne­fí­ci­os e tam­bém as con­sequên­ci­as de seu mau uso, e qual é o pa­pel da TI nes­te ce­ná­rio?

A go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va é com­pos­ta de seis ati­vos prin­ci­pais: hu­ma­nos, fi­nan­cei­ros, fí­si­cos, pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, re­la­ci­o­na­men­to e TI.

Pa­ra pen­sar­mos em go­ver­nan­ça de TI, de­ve­mos le­var em con­si­de­ra­ção que a área de ne­gó­cio de uma em­pre­sa tem o res­pal­do de apli­ca­ções de TI, que por sua vez de­pen­de de to­da a in­fra­es­tru­tu­ra de TI, e que es­sas in­for­ma­ções de­vem ser ab­so­lu­ta­men­te con­fiá­veis, sem­pre.

Pa­ra se ga­ran­tir o ali­nha­men­to da go­ver­nan­ça de TI aos negócios, fo­ram cri­a­dos inú­me­ros fra­meworks e fer­ra­men­tas. Den­tre es­tes, po­de­mos des­ta­car o BSC (pla­ne­ja­men­to e de­sem­pe­nho), Co­bit (go­ver­nan­ça e con­tro­le), ITIL e ISO 20000 (ser­vi­ço), PMBOK (pro­je­to), CMMI e MPS BR (en­ge­nha­ria de soft­ware), Val IT (in­ves­ti­men­tos em TI), To­gaf (fra­mework de ar­qui­te­tu­ra de ne­gó­cio, apli­ca­ções e tec­no­lo­gia), NBR ISO (go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção) e SIX Sig­ma (qua­li­da­de), en­tre ou­tros.

Va­le lem­brar que a sim­ples ado­ção de uma des­sas fer­ra­men­tas ou fra­meworks não ga­ran­te o su­ces­so e a efe­ti­vi­da­de da go­ver­nan­ça em si. Pa­ra se ti­rar o má­xi­mo pro­vei­to dos prin­cí­pi­os da go­ver­nan­ça, de­ve-se es­co­lher, den­tre to­das as op­ções dis­po­ní­veis, quais abor­dam as me­lho­res prá­ti­cas e tam­bém quais itens se­rão mais ade­ren­tes ao ne­gó­cio, à cul­tu­ra e à iden­ti­da­de da or­ga­ni­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.