MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO -

Eles e os ini­mi­gos

Abes­pi­nha­do com o re­sul­ta­do do jul­ga­men­to do Men­sa­lão e com as no­vas de­nún­ci­as de trá­fi­co de in­fluên­cia no al­to es­ca­lão do seu go­ver­no – e ago­ra mais apro­fun­da­do com as de­nún­ci­as de Mar­cos Va­lé­rio de ter da­do di­nhei­ro do Men­sa­lão pa­ra Lu­la e de que ele sa­bia e, além de apro­var, ne­go­ci­ou com em­pre­sas pri­va­das re­cur­sos pa­ra man­ter o es­que­ma – o Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res fez, na se­ma­na pas­sa­da, mais um de seus en­con­tros na­ci­o­nais. Des­de que es­tas reu­niões fo­ram fe­cha­das ao pú­bli­co, coin­ci­den­te­men­te des­de que che­gou ao poder em 2002, só o que se sa­be do con­teú­do das dis­cus­sões é aqui­lo que se dei­xa va­zar – por in­te­res­se pon­tu­al ou por re­sul­ta­do da lu­ta por poder in­ter­no – ou as no­tas ofi­ci­ais do par­ti­do. Um jei­tão so­vié­ti­co, do au­ge da era sta­li­nis­ta, de es­con­der su­as vís­ce­ras e o fel que se des­ti­la con­tra tudo e con­tra to­dos que não se­jam dos seus. Ali, es­con­di­di­nho na clau­su­ra é que o PT mos­tra qu­em de fa­to é.

In­tra­mu­ros

Ques­tões co­mo a de­fe­sa pe­la des­cri­mi­na­li­za­ção das dro­gas e do abor­to e as ide­o­lo­gi­as de neu­tra­li­da­de de gê­ne­ro são rei­te­ra­das em to­das as reu­niões e os “con­gres­sos” que os di­ri­gen­tes pro­mo­vem. E, cla­ro, na co­roa da im­pre­ca­ção, o con­tro­le so­bre as mí­di­as. O PT, que tem en­tre os jor­na­lis­tas seu mai­or re­du­to, é con­tra a li­ber­da­de de ex­pres­são. Es­ta se­ma­na, ava­li­zou as tin­tas da in­ter­ven­ção que o go­ver­no de Cris­ti­na Kir­ch­ner ten­ta fa­zer con­tra o gru­po Cla­rín, que não se su­jei­ta a pres­tar a vas­sa­la­gem que a ne­o­pe­ro­nis­ta exi­ge. Por meio de uma re­so­lu­ção, a exe­cu­ti­va na­ci­o­nal do par­ti­do de­fen­de, pa­ra o Bra­sil, me­di­das“que im­pe­çam a exis­tên­cia de mo­no­pó­li­os, es­pe­ci­al­men­te a con­cen­tra­ção de rá­di­os e TVs nas mãos de pou­cas em­pre­sas” na área de comunicação. Bem, con­tra o mo­no­pó­lio das co­mu­ni­ca­ções, to­dos nós so­mos (tal­vez não os do­nos e di­re­to­res des­ses gru­pos). Mas não é só is­so que os pe­tis­tas com­ba­tem: eles com­ba­tem to­da e qual­quer ma­ni­fes­ta­ção que não lhes se­ja em fa­vor ou em sua de­fe­sa. Em­bo­ra sa­ta­ni­zem pu­bli­ca­ções co­mo a Ve­ja e O Es­ta­do de S. Pau­lo, que li­de­ram a pu­bli­ca­ção de de­nún­ci­as con­tra o go­ver­no, não se ma­ni­fes­tam con­tra a Re­de Re­cord e a Car­ta Ca­pi­tal, por exem­plo, que são ho­je seus aríe­tes na lu­ta pa­ra ni­ve­lar aqui­lo que cha­mam de “gu­er­ra da mí­dia”. Qu­em não é pe­tis­ta, vi­ra “de di­rei­ta”. E, aos olhos des­sa gen­te, eles são as ví­ti­mas de ten­ta­ti­vas de “gol­pes da di­rei­ta”. In­de­pen­den­te de on­de par­tam as de­nún­ci­as. O que in­te­res­sa e agra­da é “de­mo­crá­ti­co”. O que de­sa­gra­da ou in­co­mo­da, é “gol­pe da di­rei­ta”.

Gol­pe

Quan­to é a Po­lí­cia Fe­de­ral que exe­cu­ta uma ação pa­ra pren­der sus­pei­tos pró­xi­mos ao nú­cleo ín­ti­mo do poder, co­mo a ex-che­fe do es­cri­tó­rio da Pre­si­dên­cia da República em São Pau­lo, Ro­se­mary No­ro­nha, que ago­ra a mí­dia des­co­bre ter uma re­la­ção mui­to ín­ti­ma com o ex-pre­si­den­te Lu­la, é jo­go de in­te­res­se pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar o go­ver­no. Quan­do é o Su­pre­mo que jul­ga José Dir­ceu e seus men­sa­lei­ros cor­rup­tos e qua­dri­lhei­ros, é o Ju­di­ciá­rio que é “con­ser­va­dor” e ca­re­ce tam­bém de uma “re­for­ma”. Uau! Pa­ra o pen­sa­men­to do­mi­nan­te dos pe­tis­tas, o mun­do es­tá re­du­zi­do a du­as par­tes: eles e os ini­mi­gos.

Cal­do gros­so

Em­bo­ra ten­te mos­trar ao pú­bli­co um par­ti­do mais ao cen­tro, no pa­pel mes­mo da so­ci­al-de­mo­cra­cia, to­ma­do das mãos in­com­pe­ten­tes do PSDB, o PT man­tém sua for­ma­ção sta­li­nis­ta de não con­vi­ver bem com o jo­go de­mo­crá­ti­co da plu­ra­li­da­de de opi­niões. Qu­em não é pe­tis­ta é ini­mi­go. Em Ma­rin­gá, a des­pei­to de um bom can­di­da­to nas úl­ti­mas elei­ções e lí­der po­lí­ti­co, es­te veio é cla­ro nos ran­co­ro­sos ata­ques que qual­quer opi­nião que não flua pa­ra a ma­nu­ten­ção do poder ou to­ma­da do poder pa­ra a tur­ma so­fre. A ló­gi­ca é sim­ples: qu­em não es­tá com eles pre­ci­sa ser des­qua­li­fi­ca­do pa­ra ser re­du­zi­do ao mes­mo ní­vel dos ata­ques. Ata­can­do o men­sa­gei­ro, pres­su­põem anu­lar a men­sa­gem. E há mui­tos que se dei­xam en­ga­nar com es­sas ma­no­bras. Até aqui, to­da­via, a ci­da­de sou­be di­fe­ren­ci­ar as coi­sas. Por is­so, mes­mo ten­do bons no­mes – é ine­gá­vel a qua­li­da­de po­lí­ti­ca de Enio Ver­ri e Humberto Hen­ri­que – o par­ti­do não con­se­gue se im­por pe­lo vo­to. Exa­ta­men­te por cau­sa des­ses mé­to­dos que usa e por es­sa par­ce­la ran­ço­sa que ain­da é pre­sen­te e ati­va na for­ma­ção do cal­do pe­tis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.