Ti­mão en­ca­ra Al Ahly por va­ga na fi­nal do Mun­di­al

Co­rin­ti­a­nos bus­cam triun­fo so­bre o cam­peão afri­ca­no pa­ra de­ci­dir o tí­tu­lo com o ven­ce­dor da ou­tra se­mi­fi­nal que se­rá dis­pu­ta­da en­tre Chel­sea e Mon­ter­rey

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES - Rapha­el Ra­mos e Ví­tor Marques

Se o so­nho de 11 em ca­da 10 co­rin­ti­a­nos era ga­nhar a Co­pa Li­ber­ta­do­res e dis­pu­tar o Mun­di­al de Clu­bes da Fi­fa no Ja­pão, a se­gun­da par­te des­se de­se­jo co­me­ça a ser re­a­li­za­da nes­ta qu­ar­ta-fei­ra. Aca­bou a con­ta­gem re­gres­si­va e o Co­rinthi­ans es­treia no tor­neio con­tra o Al Ahly, do Egi­to, às 8h30 (ho­rá­rio de Brasília), em Toyo­ta, pa­ra es­cre­ver mais um ca­pí­tu­lo vi­to­ri­o­so da sua his­tó­ria.

Su­pe­ra­do o trau­ma de nun­ca ter ven­ci­do uma Li­ber­ta­do­res, o Mun­di­al pas­sou a mo­ver o “ban­do de lou­cos”. Por mais que o clube al­vi­ne­gro já te­nha na sua co­le­ção de tí­tu­los a ta­ça do pri­mei­ro Mun­di­al or­ga­ni­za­do pe­la Fi­fa, con­quis­ta­da em 2000, no Bra­sil, triun­far no Ja­pão tem um sa­bor mui­to mais es­pe­ci­al.

Por is­so, a mo­bi­li­za­ção da tor­ci­da to­mou pro­por­ções sur­pre­en­den­tes. São es­pe­ra­das 20 mil pes­so­as nes­ta qu­ar­ta, no es­tá­dio de Toyo­ta, sen­do me­ta­de vin­da do Bra­sil. O Co­rinthi­ans faz o seu pri­mei­ro jo­go ofi­ci­al no Ja­pão. O clube dis­pu­tou nas dé­ca­das de 80 e 90 se­te par­ti­das no país, mas to­das amis­to­sas (qua­tro vi­tó­ri­as, um em­pa­te e du­as der­ro­tas). “Te­mos cons­ci­ên­cia da nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de e que po­de­mos fa­zer mais de 35 mi­lhões de pes­so­as fe­li­zes”, dis­se o téc­ni­co Ti­te.

Em cam­po, o de­sa­fio do Co­rinthi­ans é não dei­xar que a an­si­e­da­de e a pres­são em ci­ma dos jo­ga­do­res (des­de o dia 4 de ju­lho, quan­do ga­nhou a Li­ber­ta­do­res, to­do mun­do só fa­la do Mun­di­al) im­pe­çam que o ti­me con­fir­me o seu fa­vo­ri­tis­mo di­an­te do Al Ahly.

A ou­tra va­ga na fi­nal se­rá de­ci­di­da nes­ta quin­ta en­tre Chel­sea e Mon­ter­rey, em Yo­koha­ma. Ti­rar o fo­co de uma pos­sí­vel en­con­tro com o in­gle­ses é ou­tro de­sa­fio que os jo­ga­do­res têm con­vi­vi­do des­de a con­quis­ta da Li­ber­ta­do­res e que nes­ta qu­ar­ta se­rá co­nhe­ci­do se deu cer­to ou não a es­tra­té­gia de Ti­te de va­lo­ri­zar tan­to o pri­mei­ro ad­ver­sá­rio do Mun­di­al. “O que vai acon­te­cer no dia 16 (da­ta da fi­nal) pas­sa mui­to pe­lo o que a gen­te vai cons­truir con­tra o Al Ahly”, jus­ti­fi­cou o ca­pi­tão Ales­san­dro. As­sim, o ti­me quer ven­cer jo­gan­do bem, apre­sen­tan­do um fu­te­bol que, se não é vis­to­so, pe­lo me­nos é con­vin­cen­te. Mas Ti­te sa­be que pa­ra is­so te­rá de ter pa­ci­ên­cia. De­ve­rão ser 90 mi­nu­tos de jo­go tenso - ou 120, pois se ter­mi­nar em­pa­ta­do no tem­po nor­mal haverá pror­ro­ga­ção e, per­sis­tin­do a igual­da­de, dis­pu­ta por pê­nal­tis.

Co­mo o Al Ahly não vai se ex­por mui­to, sua equi­pe te­rá de to­mar a ini­ci­a­ti­va, bus­car bre­chas na de­fe­sa ad­ver­sá­ria pra­ti­ca­men­te du­ran­te to­do o jo­go e, ao mes­mo, não ce­der es­pa­ço pa­ra os con­tra­gol­pes.

Jf Di­o­rio/es­ta­dão Con­teú­do

AL AHLY-EGI - Ekra­mi; Fathi, Go­maa, Na­gi­eb e Qi­nawi; Said, Abou­tri­ka, Ashour e So­li­man; Ge­do e Hamdy. Téc­ni­co: Hos­sam el Ba­dry.

Bra­si­lei­ros du­ran­te trei­nos pa­ra a par­ti­da da ma­nhã des­ta qu­ar­ta-fei­ra em uma das se­mi­fi­nais do tor­neio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.