Vi­ver um sé­cu­lo e mais um pou­co

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Na se­ma­na pas­sa­da, o mun­do pa­rou pa­ra la­men­tar a mor­te de Os­car Ni­e­meyer e sau­dar sua vi­da, pa­ra ci­tar os ter­mos da no­ta ofi­ci­al da pre­si­den­ta Dil­ma Rous­sef. Não es­cre­vo pa­ra fa­lar so­bre o ar­qui­te­to e a ex­ce­lên­cia de sua obra. Na se­ma­na pas­sa­da, até co­men­tei al­gu­mas coi­sas so­bre o des­ti­no do pro­je­to que ele ela­bo­rou pa­ra o no­vo cen­tro de Ma­rin­gá e que, co­mo se sa­be, foi in­vi­a­bi­li­za­do. Im­pe­li­do pe­la mi­nha for­ma­ção de his­to­ri­a­dor, um pou­co no es­pí­ri­to de uma fa­mo­sa mú­si­ca de Raul Seixas, re­sol­vi tra­du­zir al­gu­mas di­va­ga­ções so­bre o que po­de­ria ter sig­ni­fi­ca­do vi­ver os úl­ti­mos 104 anos. Ni­e­meyer nas­ceu em 15 de de­zem­bro de 1907, quan­do era pre­si­den­te no Bra­sil Afon­so Pe­na. Depois dis­so, pe­lo que pu­de co­lher na internet, ti­ve­mos ou­tros 26 pre­si­den­tes da República, en­tre elei­tos di­re­ta­men­te, di­ta­do­res, un­gi­dos in­di­re­ta­men­te e subs­ti­tu­tos em ca­so de mor­te, re­nún­cia etc., sem fa­lar em al­gu­mas jun­tas or­ga­ni­za­ti­vas. O ar­qui­te­to nas­ceu na se­gun­da dé­ca­da da República bra­si­lei­ra. Va­le di­zer, da ago­ra cha­ma­da “República Ve­lha”, in­ter­rom­pi­da pe­la “Re­vo­lu­ção de 1930”, ocor­ri­da quan­do ele con­ta­va 23 anos in­com­ple­tos. Foi contemporâneo, con­si­de­ra­das as su­as diferentes fa­ses, de to­da a cha­ma­da Era Var­gas. Viu o nas­ci­men­to do mi­to do “Pai dos Po­bres” na di­ta­du­ra do Es­ta­do No­vo (1937-45), a vol­ta de Var­gas ao poder pe­lo vo­to direto em 1950. Ti­nha 46 anos quan­do o lí­der tra­ba­lhis­ta dei­xou a vi­da pa­ra en­trar pa­ra a his­tó­ria. Depois dis­so, Ni­e­meyer aju­dou a cons­truir Brasília, inau­gu­ra­da quan­do ele con­ta­va 52 anos. Em se­gui­da, vi­veu a es­pe­ran­ça da lu­ta pe­las re­for­mas de ba­se, viu o co­lap­so da república fun­da­da em 1945, a ins­tau­ra­ção da di­ta­du­ra mi­li­tar, seu re­cru­des­ci­men­to, a aber­tu­ra po­lí­ti­ca e a re­a­li­za­ção, sob os aus­pí­ci­os da no­va cons­ti­tui­ção de 1988, de seis elei­ções con­se­cu­ti­vas pa­ra pre­si­den­te da República, que le­va­ram ao poder Col­lor, FHC, Lu­la e Dil­ma. Ni­e­meyer ti­nha qua­se 7 anos quan­do se ini­ci­ou a I Gu­er­ra Mun­di­al, co­nhe­ci­da em seu tem­po co­mo “A Gran­de Gu­er­ra”. Em 1939, com pou­co mais de 21 anos, as­sis­tiu à ex­plo­são da II Gu­er­ra Mun­di­al. Em me­a­dos da dé­ca­da de 1930, de­ve ter acom­pa­nha­do as pri­mei­ras no­tí­ci­as so­bre o fenô­me­no Hi­tler e pô­de, ano após ano, co­nhe­cer o de­sen­la­ce da­que­la li­de­ran­ça ca­ris­má­ti­ca e as atro­ci­da­des que co­me­teu. De­ve ter exul­ta­do a par­ti­ci­pa­ção da URSS na der­ro­ta do na­zis­mo. Pou­cos anos depois, foi tes­te­mu­nha do iní­cio da Gu­er­ra Fria e co­nhe­ceu to­dos os seus des­do­bra­men­tos. Não sei quan­do ade­riu ao par­ti­do co­mu­nis­ta, mas ti­nha qua­se 10 anos quan­do hou­ve a re­vo­lu­ção so­vié­ti­ca (1917), 15 anos quan­do o PCB foi fun­da­do (1922). Viu o nas­ci­men­to da URSS e sua as­cen­são à con­di­ção de po­tên­cia mun­di­al. Cer­ta­men­te, foi im­pac­ta­do pe­la mor­te de Sta­lin, ocor­ri­da quan­do con­ta­va 45 anos. Três anos depois, em 1956, foi cho­ca­do pe­lo Re­la­tó­rio Krus­chov, que de­nun­ci­ou Sta­lin. Viu o au­ge da in­fluên­cia do PCB no iní­cio da dé­ca­da de 1960, a per­se­gui­ção à es­quer­da depois de 1964. Em 1985, quan­do ti­nha 77 anos, viu Gor­ba­chov anun­ci­ar a Pe­res­troi­ka, des­per­tan­do a ex­pec­ta­ti­va de re­no­va­ção do pro­je­to so­ci­a­lis­ta. No fi­nal de 1991, aos 83 anos de ida­de, tes­te­mu­nhou o fim da URSS. Os­car Ni­e­meyer vi­veu mais 21 anos, sem abrir mão de seu ideá­rio. Es­te tex­to foi es­cri­to usan­do co­mo re­fe­rên­cia gran­des fa­tos da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal e mun­di­al. O le­que de acon­te­ci­men­tos é im­pres­si­o­nan­te. Mui­to mais fa­bu­lo­sa de­ve ter si­do sua vi­da co­ti­di­a­na, pen­sa­da em es­ca­la cen­te­ná­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.