Que­da de bra­ço po­de le­var a ‘apa­gões’

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A pro­pos­ta da pre­si­den­te Dil­ma Rousseff de re­du­zir os cus­tos das contas de ener­gia foi uma res­pos­ta às crí­ti­cas re­la­ci­o­na­das aos tri­bu­tos que são pa­gos por to­dos os con­su­mi­do­res e que ser­vem de ba­se pa­ra co­ber­tu­ra, prin­ci­pal­men­te dos usuá­ri­os das co­mu­ni­da­des que uti­li­zam a ener­gia, mas não pa­gam o va­lor cor­res­pon­den­te a es­se uso.

Com es­sa si­tu­a­ção, o mai­or pre­ju­di­ca­do é qu­em efe­tua o pa­ga­men­to, as­su­min­do a res­pon­sa­bi­li­da­de de pagar al­go que não con­su­miu, ar­can­do com a des­pe­sa do usuá­rio que não efe­tua qual­quer de­sem­bol­so.

Co­mo al­guns con­tra­tos de con­ces­são de ser­vi­ços ven­ce­rão nos pró­xi­mos me­ses, o go­ver­no faz pres­são pa­ra re­du­zir o pre­ço co­bra­do nas ta­ri­fas dos con­su­mi­do­res, che­gan­do a di­vul­gar uma re­du­ção mé­dia de 20% quan­do, após as ne­go­ci­a­ções com as con­ces­si­o­ná­ri­as, con­se­gue so­men­te o be­ne­fí­cio de 10%.

O fa­to é que não exis­te mi­la­gre re­la­ci­o­na­do à re­la­ção re­cei­ta ver­sus cus­tos ver­sus in­ves­ti­men­to. A re­du­ção da ta­ri­fa cer­ta­men­te acar­re­ta­rá uma re­du­ção dos in­ves­ti­men­tos, in­cor­ren­do no ris­co de no­vos apa­gões e pre­ju­di­can­do ain­da mais a si­tu­a­ção de de­pen­dên­cia da ener­gia elé­tri­ca, tan­to pe­los con­su­mi­do­res re­si­den­ci­ais co­mo pe­las em­pre­sas de for­ma ge­ral.

A pre­si­den­te, em mais um ca­pí­tu­lo da que­da de bra­ço, com­pa­rou a si­tu­a­ção das con­ces­si­o­ná­ri­as com os ban­cos e ga­ran­tiu que a re­du­ção, con­for­me pro­me­ti­do por ela, se­rá de 20% pa­ra os con­su­mi­do­res. Res­ta sa­ber de on­de ela vai sub­trair a di­fe­ren­ça pa­ra equi­li­brar a si­tu­a­ção das con­ces­si­o­ná­ri­as sem au­men­tar o for­ne­ci­men­to de ener­gia atra­vés de usi­nas tér­mi­cas, cu­jo cus­to na ge­ra­ção é su­pe­ri­or. Al­guém aca­ba ten­do de pagar es­sa con­ta!

To­da es­sa si­tu­a­ção po­de ge­rar um co­lap­so no sis­te­ma elé­tri­co e pro­vo­car fal­ta de ener­gia na in­dús­tria, tra­zen­do co­mo con­sequên­cia ne­fas­ta o de­sem­pre­go por re­du­ção da ati­vi­da­de pro­du­ti­va.

In­fe­liz­men­te, es­sa área es­tá su­ca­te­a­da e ne­ces­si­ta de me­lho­ri­as con­tí­nu­as. Es­ta­mos em um mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te di­fí­cil e es­tá cla­ro que não bas­ta a re­du­ção sem li­mi­tes dos cus­tos sem a com­pa­tí­vel mo­der­ni­za­ção da re­de ge­ra­do­ra de ener­gia. A par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da é im­por­tan­te e a pre­si­den­te Dil­ma pre­ci­sa pen­sar em me­di­das es­tru­tu­rais. Dis­cus­sões pa­ra­le­las e crí­ti­cas só de­mons­tram en­fra­que­ci­men­to da ba­se econô­mi­ca. O mo­men­to é de bom sen­so, pa­ra que ha­ja sus­ten­ta­bi­li­da­de nas ações. Os pre­ços pra­ti­ca­dos no se­tor elé­tri­co re­fle­tem a fal­ta de res­pon­sa­bi­li­da­de e aban­do­no,por par­te do go­ver­no, de in­ves­ti­men­tos no se­tor há mais de 30 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.