Mo­ra­do­res en­fren­tam fal­ta de água em Sa­ran­di

O pro­ble­ma é mais crí­ti­co no la­do nor­te da ci­da­de, on­de a água não che­ga às tor­nei­ras du­ran­te o dia e a que che­ga à noi­te não tem for­ça pa­ra en­cher os re­ser­va­tó­ri­os

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Sair do tra­ba­lho e ir pa­ra ca­sa não sig­ni­fi­ca ho­rá­rio de des­can­so pa­ra Francisco Bar­ros, que tra­ba­lha em Ma­rin­gá e mo­ra em Sa­ran­di. Depois de che­gar em ca­sa e pre­pa­rar o jan­tar, ele mon­ta em sua mo­to­ci­cle­ta e vol­ta a Ma­rin­gá pa­ra to­mar ba­nho na ca­sa de al­gum pa­ren­te ou ami­go. Depois, re­tor­na a Sa­ran­di e fi­ca acor­da­do até a ma­dru­ga­da, es­pe­ran­do a tor­nei­ra co­me­çar a pin­gar pa­ra ten­tar jun­tar um pou­co de água em bal­des pa­ra as ati­vi­da­des do­més­ti­cas do dia se­guin­te.

A fal­ta de água atin­ge cen­te­nas de mo­ra­di­as e es­ta­be­le- ci­men­tos co­mer­ci­ais em vá­ri­os bair­ros da ci­da­de des­de o co­me­ço do mês e a in­for­ma­ção da au­tar­quia Águas de Sa­ran­di é que o pro­ble­ma não te­rá so­lu­ção en­quan­to não cho­ver em vo­lu­me su­fi­ci­en­te pa­ra nor­ma­li­zar o ní­vel do len­çol freá­ti­co.

A si­tu­a­ção pi­o­rou nes­ta se­ma­na, com a con­fir­ma­ção de que dois po­ços se­ca­ram. A si­tu­a­ção le­vou a au­tar­quia a per­fu­rar dois no­vos po­ços emer­gen­ci­al­men­te. Um de­les en­trou em ope­ra­ção on­tem à noi­te e o ou­tro es­ta­rá pron­to no fi­nal de se­ma­na.

“Es­ta­mos to­man­do ba­nho de ca­ne­qui­nha du­ran­te a ma­dru­ga­da”, dis­se a do­na de ca­sa Cleu­za Moreira de Oli­vei­ra, mo­ra­do­ra na Rua Du­que de Ca­xi­as, no Jar­dim Pa­no­ra­ma. Se­gun­do ela, “tudo es­tá pa­ra ser fei­to, pois não te­mos água pa­ra la­var rou­pa, ar­ru­mar co­zi­nha e até mes­mo pa­ra fa­zer co­mi­da”.

“A gen­te es­tá apren­den­do a re­ci­clar água”, brin­cou Kelly Cris­ti­na de Al­mei­da Ro­cha, vi­zi­nha de Cleu­za. “A gen­te la­va lou­ça e guar­da a água a água su­ja pa­ra lim­par o pi­so, dar des­car­ga, mo­lhar plan­tas”. Kelly, o ma­ri­do e os fi­lhos to­das as noi­tes sa­em de ca­sa pa­ra to­mar ba­nho na ca­sa da avó de­la, que es­tá em uma área da ci­da­de que se res­sen­te me­nos da fal­ta de água. “Pa­ra be­ber a gen­te com­pra água do mer­ca­do.” A fal­ta de água nes­ta épo­ca acon­te­ce em vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os e es­ta­mos tra­ba­lhan­do pa­ra au­men­tar a ofer­ta. Nes­ta se­ma­na es­ta­mos en­tre­gan­do dois no­vos po­ços e há pro­je­to pa­ra a per­fu­ra­ção de ou­tros. É pre­ci­so um bom vo­lu­me de chu­vas. São ne­ces­sá­ri­os pe­lo me­nos três di­as pa­ra re­com­por o len­çol, ga­ran­tin­do um ní­vel sa­tis­fa­tó­rio. Chu­vas cal­mas e con­tí­nu­as são me­lho­res do que chu­vas pe­sa­das.

Ricardo Lo­pes

Cleu­za, mo­ra­do­ra do Jar­dim Pa­no­ra­ma, diz que al­ter­na­ti­va é to­mar ‘ba­nho de ca­ne­qui­nha’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.