Pres­são atra­pa­lhou ti­me na es­treia, ava­lia Ti­te

Co­rinthi­ans te­ve di­fi­cul­da­des pa­ra su­pe­rar os egíp­ci­os do Al Ahly na par­ti­da des­ta qu­ar­ta-fei­ra por 1 a 0, mas téc­ni­co não viu ris­co de re­sul­ta­do di­fe­ren­te

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES - Da Agên­cia Es­ta­do

re­da­cao@odi­a­rio.com Em sua en­tre­vis­ta pós-jo­go, o téc­ni­co Ti­te ba­teu di­ver­sas ve­zes na te­cla de que a pres­são de ven­cer o Al Ahly pe­sou ne­ga­ti­va­men­te pa­ra o Co­rinthi­ans na es­treia no Mun­di­al, nes­ta quar­ta­fei­ra, em Toyo­ta, no Ja­pão. Pre­ci­san­do man­ter a vi­tó­ria par­ci­al de 1 a 0, ob­ti­da aos 29 mi­nu­tos de jo­go, o ti­me bra­si­lei­ro re­cu­ou de­mais no se­gun­do tem­po, er­rou mui­tos pas­ses e aca­bou le­van­do pres­são dos egíp­ci­os. Mes­mo as­sim, ven­ceu e as­se­gu­rou um lu­gar na de­ci­são, con­tra Chel­sea ou Mon­ter­rey.

“O fa­tor emo­ci­o­nal aca­ba pe­san­do. A im­por­tân­cia do Mun­di­al, a im­por­tân­cia do jo­go, o his­tó­ri­co de to­do o Mun­di­al mos­tra que é as­sim”, co­men­tou o trei­na­dor do Co­rinthi­ans, ad­mi­tin­do a in­fluên­cia da “pres­são psi­co­ló­gi­ca” na que­da de ren­di­men­to da sua equi­pe na se­gun­da eta­pa.

“O pri­mei­ro tem­po foi to­do nos­so. O se­gun­do, de­les. Se ti­ves­se o pro­ces­so in­ver­so, tal­vez não ti­ves­sem si­do is­so (vi­tó­ria do Co­rinthi­ans). Mas jo­ga­mos com a res­pon­sa­bi­li­da­de. Em to­do jo­go de Mun­di­al é as­sim. Qu­em jo­ga com a pres­são jo­ga pi­or. O Al Ahly jo­gou mais ho­je (qu­ar­ta-fei­ra) do que con­tra o San­frec­ce (no úl­ti­mo do­min­go), por­que tam­bém ti­nha a pres­são de pas­sar da pri­mei­ra eta­pa”, co­men­tou.

Ti­te res­sal­tou, po­rém, que em ne­nhum mo­men­to do jo­go o Co­rinthi­ans cor­reu ris­co re­al de ce­der o em­pa­te ao ti­me egíp­cio, ape­sar do do­mí­nio do Al Ahly na pos­se de bo­la du­ran­te qua­se to­do o se­gun­do tem­po. “Erramos pas­ses ex­ces­si­vos na tran­si­ção pa­ra o ata­que, dan­do a pos­se de bo­la. Eles do­mi­na­ram o se­gun­do ter­ço do gra­ma­do, mas não o úl­ti­mo”, ava­li­ou.

Ele tam­bém fez uma aná­li­se tá­ti­ca da par­ti­da. Pa­ra ele, o téc­ni­co do Al Ahly, Hos­sam El Ba­dry, fez a es­co­lha por co­lo­car em cam­po no se­gun­do tem­po o meia Abou­tri­ka e, com is­so, con­se­guiu con­tro­lar mais a pos­se de bo­la. Mas a al­te­ra­ção ma­tou jo­ga­das im­por­tan­tes do ti­me egíp­cio.

“Ele ti­nha dois ata­can­tes agu­dos de in­fil­tra­ção, mas aí ele co­lo­cou o Abou­tri­ka e o ti­me per­deu a con­tun­dên­cia, ro­dou bo­la de um la­do pra o ou­tro. Te­ve al­gu­ma in­fil­tra­ção? Não te­ve. Ele abriu mão de ter um jo­ga­dor efe­ti­vo, de área, fi­na­li­za­dor”, ana­li­sou Ti­te. “O pri­mei­ro tem­po foi to­do nos­so. O se­gun­do, de­les. Se ti­ves­se o pro­ces­so in­ver­so, tal­vez não ti­ves­sem si­do is­so”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.