Cri­ar pa­ra (so­bre) vi­ver

NA AR­GI­LA Ex­po­si­ção que co­me­ça ho­je na bi­bli­o­te­ca da UEM reú­ne es­cul­tu­ras em ar­gi­la fei­tas por mo­ra­do­res de rua, de­pen­den­tes quí­mi­cos e alu­nos com pa­ra­li­sia ce­re­bral

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com Um gru­po de pe­lo me­nos seis pes­so­as se aten­ta­va ao exer­cí­cio da tar­de: trans­for­mar ar­gi­la em al­gum ob­je­to, sem a pre­o­cu­pa­ção es­té­ti­ca e com o re­sul­ta­do fi­nal. Con­ver­sa­vam, ri­am e dan­ça­vam, mas sem­pre aten­tos aos di­re­ci­o­na­men­tos do pro­fes­sor. É nes­se rit­mo que os fre­quen­ta­do­res do Ser­vi­ço de Abor­da­gem e Aten­di­men­to So­ci­al de Ma­rin­gá, da Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia (Sasc), de­di­cam al­gu­mas ho­ras por se­ma­na, nos úl­ti­mos qua­tro me­ses, na cri­a­ção de es­cul­tu­ras em ar­gi­la, nas ofi­ci­nas mi­nis­tra­das no lo­cal.

Co­mo uma es­pé­cie de co­ro­a­ção dos tra­ba­lhos, uma sur­pre­sa es­ta­va re­ser­va­da aos alu­nos em es­ta­do de vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al: a ar­te ali pro­du­zi­da vai com­por uma ex­po­si­ção que co­me­ça ho­je em par­ce­ria com o Por­tal da In-

Trans­for­ma­ção so­ci­al

clu­são e alu­nos com pa­ra­li­sia ce­re­bral. A mos­tra “Es­cul­tu­ra em Ar­gi­la – Ar­te­te­ra­pia e Neu­ro­plas­ti­ci­da­de” se­rá aber­ta na bi­bli­o­te­ca da UEM com 50 es­cul­tu­ras em ar­gi­la, pro­du­zi­das por apro­xi­ma­da­men­te 20 alu­nos. A en­tra­da é fran­ca.

A ar­te em ar­gi­la vem dos tem­pos mais ar­cai­cos, vi­de os va­sos ex­pos­tos em mu­seus por to­do o mun­do. Re­me­te ao co­me­ço da hu­ma­ni­da­de, e per­du­ra tra­zen­do o be­ne­fí­cio tam­bém da ar­te­te­ra­pia. Tra­ba­lhan­do na área des­de 1998, o psi­có­lo­go e ar­tis­ta plás­ti­co Val­mir Ba­tis­ta da Sil­va diz que o exer­cí­cio é ca­paz de de­sen­vol­ver a cri­a­ti­vi­da­de do pra­ti­can­te, com­ba­te ten­sões, me­lho­ra o re­la­ci­o­na­men­to in­ter­pes­so­al, o de­sen­vol­vi­men­to neu­rop­si­co­mo­tor, além de dar au­to­no­mia pa­ra o alu­no. “Eles che­gam aqui com a au­to­es­ti­ma di­la­ce­ra­da e qual­quer coi­sa que res­ga­te is­so é po­si­ti­vo. Quan­do eles fa­zem o tra­ba­lho manual, tem co­mo iden­ti­fi­car al­go de be­lo den­tro de­les”, diz. O pro­je­to é uma ini­ci­a­ti­va da Sasc, que, com re­cur­sos fe­de­rais, dis­po­ni­bi­li­za o ma­te­ri­al pa­ra o “Es­pa­ço Te­ra­pia”, que vi­sa a res­so­ci­a­li­za­ção dos par­ti­ci­pan­tes. Não é a pri­mei­ra vez que Sil­va tra­ba­lha com mo­ra­do­res de rua e de­pen­den­tes quí­mi­cos. Se­gun­do ele, é uma área que o fas­ci­na pe­lo poder de trans­for­ma­ção do es­ta­do so­ci­al dos en­vol­vi­dos. As ofi­ci­nas fi­xas acon­te­cem du­as ve­zes por se­ma­na. Mas a ro­ta­ti­vi­da­de das tur­mas foi gran­de pe­la fal­ta de com­pro­mis­so de al­guns alu­nos, que, por es­ta­rem li­ga­dos ao

Sur­pre­sa e apro­va­ção

con­su­mo de dro­gas e so­bre­vi­ven­do às ru­as da ci­da­de, não ti­nham uma ro­ti­na a cum­prir. “Mas per­ce­be­mos uma mu­dan­ça dos que per­sis­ti­ram, con­se­gui­mos ava­li­ar me­lhor. Eles de­sen­vol­vem a ex­pres­si­vi­da­de e con­se­guem ma­ni­fes­tar a po­ten­ci­a­li­da­de que tem, a au­to­ex­pres­são”, des­ta­ca o psi­có­lo­go­e­ar­tis­ta­plás­ti­co. Exem­plo dis­so é o alu­no Re­gi­nal­do Perez Na­var­ro, 39 anos, que es­tá há um mês fre­quen­tan­do as ofi­ci­nas. Ele co­me­çou mo­de­lan­do uma ar­ma de fo­go, deu for­ma de mons­tros na ar­gi­la e en­tão pas­sou a pro­du­zir um bar­co à ve­la e um avião, guar­da­dos em uma pra­te­lei­ra de me­tal no can­to es­quer­do da sa­la uti­li­za­da pa­ra as au­las. No mo­men­to em que con­ver­sou com a re­por­ta­gem, es­ta­va con­cen­tra­do, fa­zen­do uma vu­vu­ze­la, que dis­se nun­ca ter to­ca­do. O bar­ro, ain­da em seu es­ta­do bru­to, per­mi­te que as pes­so­as pro­je­tem os sen­ti­men­tos, o pró­prio es­ta­do de es­pí­ri­to na obra. O psi­có­lo­go Sil­va in­ter­pre­ta que tan­to o bar­co quan­to o avião re­pre­sen­tam a li­ber­da­de pa­ra Na­var­ro.

Quan­do o alu­no, que mo­ra so­zi­nho em Ma­rin­gá e faz al­guns bi­cos de pin­tor, fi­cou sa­ben­do da ex­po­si­ção, sua re­a­ção não po­de­ria ter si­do me­lhor:“Fi­quei­sur­pre­so­que­a­sou­tras pes­so­as vão ver o que es­tou fa­zen­do. Tra­ba­lhan­do aqui eu es­tou com a ca­be­ça em ou­tro mun­do, pa­re­ce que es­tou me­di­tan­do”, ob­ser­va. Ele con­ta que, no úl­ti­mo do­min­go, al­mo­çou na ca­sa da mãe, e es­tá an­si­o­so pa­ra con­vi­dar to­da a fa­mí­lia, que é da­qui, pa­ra con­fe­rir­su­a­so­bras­de­ar­te­na­mos­tra.

Ou­tra vi­são

Pa­ra o co­or­de­na­dor do Ser­vi­ço de Abor­da­gem da Sasc, Adau­to Ce­za­rio, o prin­ci­pal ob­je­ti­vo das ofi­ci­nas é per­mi­tir a in­te­ra­ção en­tre os usuá­ri­os do ser­vi­ço. “Nos­sa in­ten­ção é so­ci­a­bi­li­zá-los pa­ra que eles bus­quem as pró­pri­as ex­pres­sões nes­sas ati­vi­da­des”, afir­ma. É pos­sí­vel, ex­pli­ca ele, a par­tir dos re­sul­ta­dos, tra­çar um pla­no in­di­vi­du­al de­a­ten­di­men­to­pa­ra­ca­daum.

“O pro­je­to tam­bém é fun­da­men­tal pa­ra que o pú­bli­co ex­ter­no te­nha uma vi­são di­fe­ren­ci­a­da des­sas pes­so­as, mos­tran­do que elas po­dem su­pe­rar es­sas con­di­ções e trans­for­mar a pró­pria re­a­li­da­de”, diz. Ce­za­rio ain­da res­sal-

Re­ve­la­ção da tur­ma

ta que a si­tu­a­ção de rua e o con­ta­to fre­quen­te com as dro­gas não são con­di­ções de­fi­ni­ti­vas. Quan­do Wuil­ler Al­ves de Oli­vei­ra, 21, co­me­çou a par­ti­ci­par, há du­as se­ma­nas, não es­pe­ra­va con­se­guir o re­sul­ta­do que al­can­çou, uma vez que nun­ca ti­nha li­da­do com ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas. “Gos­tei da ex­pe­ri­ên­cia pe­la pos­si­bi­li­da­de de cri­ar, pe­la li­ber­da­de de ex­pres­são que eu te­nho ao fa­zer um tra­ba­lho”, diz. Pa­ra o pro­fes­sor Val­mir Ba­tis­ta da Sil­va, ele é a gran­de re­ve­la­ção da tur­ma.

Oli­vei­ra é de Quin­ta do Sol, re­gião Cen­tro-Oes­te do Es­ta­do, ci­da­de on­de vi­veu até a ado­les­cên­cia, quan­do con­cluiu o en­si­no mé­dio e veio a Ma­rin­gá. A sau­da­de da in­fân­cia fi­ca evi­den­te em uma de su­as es­cul­tu­ras: uma bi­ci­cle­ta. “Eu cos­tu­ma­va pe­da­lar com os meus ami­gos lá e ho­je não te­nho mais con­ta­to com ne­nhum de­les”, re­ve­la. Em Ma­rin­gá, fre­quen­ta o cen­tro de abor­da­gem qua­se to­dos os di­as. Quan­do um ami­go o con­vi­dou pa­ra par­ti­ci­par das ofi­ci­nas, tam­bém não sa­bia que as pro­du­ções se­ri­am ex­pos­tas. “Es­pe­ro que as pes­so­as apre­ci­em as obras e pres­tem aten­ção na for­ma que es­tá­va­mos pensando quan­do re­a­li­za­mos o tra­ba­lho.”

Fo­tos: Ra­fa­el Sil­va

Na tar­de de on­tem, na ofi­ci­na do Ser­vi­ço de Abor­da­gem da Sasc, alu­nos da­vam os úl­ti­mos re­to­ques em es­cul­tu­ras que iri­am com­por a ex­po­si­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.