‘Não que­ro mais ser fo­fo’

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

tam­bém fi­cou ad­mi­ra­do com o pre­pa­ro de Gi­a­nec­chi­ni, que ape­sar da do­en­ça gra­ve, não apa­ren­ta­va fra­que­za. “Nas ses­sões, eu fu­ma­va. Fi­ca­va per­to da ja­ne­la ten­tan­do aba­nar a fu­ma­ça, mas ele não es­ta­va nem aí.” Mes­mo com em­pe­nho em re­la­tar su­as ex­pe­ri­ên­ci­as, Rey­nal­do Gi­a­nec­chi­ni re­lu­tou em fa­lar so­bre a in­ter­na­ção. “Deu pre­gui­ça por­que eu ti­nha aca­ba­do de sair de uma on­da opos­ta, de re­cu­pe­ra­ção, de ser pa­ra ci­ma. Mas é sem­pre bom re­lem­brar o que vo­cê pas­sou pa­ra co­lo­car em or­dem na sua ca­be­ça e ti­rar as con­fu­sões que pre­ci­sam ser re­ti­ra­das”, fi­lo­so­fa. O li­vro ci­ta sua es­treia na Glo­bo, em “La­ços de Fa­mí­lia” (2000), em que não se sen­tia se­gu­ro co­mo ator. “Com o tem­po, vo­cê con­se­gue con­tar com dis­tan­ci­a­men­to. Eu as­sis­tia à no­ve­la pra­ti­ca­men­te com um chi­co­ti­nho nas cos­tas. Depois, vi

REY­NAL­DO GI­A­NEC­CHI­NI –

Eu ia fa­zen­do os exa­mes e es­ta­vam óti­mos. En­tão, mi­nha mé­di­ca foi dei­xan­do. Mas eu não ti­nha vol­ta­do pa­ra a ‘vi­da lou­ca vi­da’. de no­vo, mais con­des­cen­den­te co­mi­go mes­mo, ten­tan­do achar os acer­tos e en­ten­der a mi­nha tra­je­tó­ria. Ho­je, dá pa­ra fa­lar do pas­sa­do sem fi­car me co­bran­do. O que ti­nha de ser foi, era o que da­va pa­ra fa­zer na­que­la épo­ca. É mui­to bom ho­je em dia fa­lar sem dor.”

Acho que foi tudo no tem­po cer­to. Eu ja­mais fa­ria se achas­se que es­ta­va ex­tra­po­lan­do. Que­ria es­tre­ar em mar­ço, mas, quan­do saí do hos­pi­tal, em ja­nei­ro, achei que já fos­se cair nos exer­cí­ci­os. Eu vol­tei ab­so­lu­ta­men­te de­bi­li­ta­do. Mal con­se­guia sair da ca­ma de tão fra­co. Vi que o ne­gó­cio se­ria de­va­gar. Eu es­ta­va mui­to em­pe­nha­do. Acho que a for­ça de von­ta­de tem re­al­men­te um poder que a gen­te des­co­nhe­ce. Quan­do es­tre­ei, já es­ta­va bem pa­ra fa­zer aqui­lo. A voz se al­te­rou mui­to du­ran­te o tra­ta­men­to, fi­cou uma voz fra­ca e foi vol­tan­do. Tem um col­chão­zi­nho lá, on­de dou uma des­can­sa­da en­tre uma ce­na e ou­tra. O per­so­na­gem é le­ve, não des­gas­ta tan­to. Se fos­se um dra­ma, se eu es­ti­ves­se em Ave­ni­da Bra­sil, no lu­gar da Adri­a­na Es­te­ves, ave-maria! Mas eu fa­lei tchau pa­ra os ami­gos, mui­to ra­ra­men­te saio pa­ra to­mar uma cer­ve­ji­nha. Não es­tou proi­bi­do de na­da. Pos­so tudo na vi­da. Te­nho de me cui­dar mui­to mais. Qu­em fez um trans­plan­te (de me­du­la) tem mui­to mais ris­co de pe­gar uma gri­pe, uma bac­té­ria. Eu não de­ve­ria fi­car abra­çan­do tan­to as pes­so­as que pe­dem pa­ra ti­rar fo­to. Mi­nha mé­di­ca fi­ca bra­va, mas não con­si­go. As pes­so­as vêm e fi­co cons­tran­gi­do em di­zer que não pos­so. Is­so eu re­al­men­te não po­de­ria es­tar fa­zen­do. Se hou­ver al­guém com uma virose, eu pos­so pe­gar. Não sei di­zer se tem mais (pro­cu­ra). To­da vez que vo­cê con­se­gue uma comunicação for­te, vi­ra al­vo dos anun­ci­an­tes. Foi uma fa­se em que ti­ve mui­ta comunicação, re­ce­bi mui­to ca­ri­nho das pes­so­as, me ex­pus, fa­lei o que acha­va ne­ces­sá­rio. Tal­vez te­nha si­do is­so que os anun­ci­an­tes te­nham vis­to. Não acho que es­tá over. Es­tou mais ele­ti­vo com as pes­so­as e com o que fa­zer. Não que­ro fa­zer as coi­sas que eu não que­ro vi­ver. Não que­ro mais ser fo­fo pa­ra agra­dar às pes­so­as. Eu que­ro me agra­dar Co­mo es­tou so­zi­nho, não te­nho de ne­go­ci­ar na­da. Quan­do vo­cê es­tá ca­sa­do, é sem­pre uma ne­go­ci­a­ção. Não pen­so nis­so, vão ter de es­pe­rar eu mor­rer. Não sei se con­cor­do se al­guém qui­ser fa­zer. É mui­to es­tra­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.