Gil­da

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ha­bi­tu­a­dos mo­ra­do­res da ca­pi­tal se di­ver­ti­am le­van­do pa­ra ali os de­sa­vi­sa­dos pés-ver­me­lhos ou ou­tras va­ri­a­ções de cai­pi­ras que vi­nham do in­te­ri­or ten­tar a vi­da e re­ce­bi­am co­mo ba­tis­mo um bei­jo ou um sus­to de ter uma en­co­men­da­da Gil­da pe­la fren­te. As mo­e­das iam fá­cil pa­ra as mãos da­que­la Gil­da mus­cu­lo­sa e im­pe­tu­o­sa, que dan­ça­va com ale­gria sua vi­da nas ru­as de Cu­ri­ti­ba, co­mo se fos­se um Zor­ba, o Gre­go, per­so­na­gem do ro­man­ce de Ka­zant­za­kis, per­so­ni­fi­ca­do ma­gis­tral­men­te por An­tony Quinn. Es­sa ale­gria ga­nha­va cor­po no car­na­val, o fa­mo­so car­na­val que sem­pre se dis­se que não exis­te em Cu­ri­ti­ba, trans­for­ma­do em mi­to co­mo o do Vam­pi­ro e ou­tros, aos quais se so­ma Gil­da, que já foi mo­ti­vo de mui­tos re­la­tos de es­cri­to­res, re­por­ta­gens, no­tí­ci­as em jor­nal e até fil­me, um do­cu­men­tá­rio di­ri­gi­do por Yan­ko Del Pi­no. Gil­da pre­fe­ria sair na Ban­da Po­la­ca e seu su­ces­so foi cres­cen­do a pon­to de ofus­car o bri­lho das “po­la­cas”, na ver­da­de ho­mens em seu mo­men­to de fran­ga per­mi­ti­do pe­lo car­na­val. Gil­da cres­ceu de­mais e o pre­si­den­te da im­pro­vá­vel mas exis­ten­te de fa­to As­so­ci­a­ção Bo­ca Mal­di­ta, An­frí­sio Si­quei­ra, con­se­guiu que ela fos­se pre­sa. Foi as­sim que o car­na­val de 1981 per­deu a gra­ça, ou, nou­tro sinô­ni­mo, o en­can­to gay, com Gil­da na gai­o­la. Is­so cau­sou um gran­de es­tar­da­lha­ço na im­pren­sa e en­tre os que res­pei­ta­vam Gil­da e seu di­rei­to de ser o que qui­ses­se. Dois anos depois ela morreu, vi­ti­ma­da por cir­ro­se he­pá­ti­ca, me­nin­gi­te e bron­cop­neu­mo­nia, na mi­sé­ria, po­den­do se di­zer que tan­to o car­na­val co­mo os gays cu­ri­ti­ba­nos fi­ca­ram ain­da mais sé­ri­os do que a fa­ma já anun­ci­a­va. Pa­ra re­me­di­ar a mi­sé­ria, os mais ha­bi­tu­ais do­a­do­res de mo­e­das pa­ga­ram um fé­re­tro de­cen­te pa­ra Gil­da e ela foi en­ter­ra­da num ce­mi­té­rio cu­ri­ti­ba­no, num curioso lo­cal em que fi­cam la­do a la­do 18 tran­se­xu­ais his­tó­ri­cos da ci­da­de. Lá es­tão Mar­ti­nha Flo­ren­ça, o pri­mei­ro tran­se­xu­al da ca­pi­tal; Le­an­dra; Da­ni­e­la Cris­ti­na, a pri­mei­ra ope­ra­da da ci­da­de; Pri­ma­ve­ra Bol­can; Ve­rus­ca Faus­ti­na e ou­tras, coi­sas de um tem­po em que as bi­chas eram mais uni­das, hu­ma­nas e fa­zi­am va­qui­nhas, co­mo diz uma de­las, aloi­ra­da e con­tem­po­râ­nea. O tú­mu­lo de Gil­da foi to­ma­do por ex-vo­tos e seus bi­lhe­tes e ob­je­tos, e os ca­tó­li­cos, hor­ro­ri­za­dos com o te­mor de Gil­da se tor­nar uma san­ta po­pu­lar, acha­ram mo­do de aba­far sua au­ra. Uma es­cul­tu­ra, pi­las­tra de con­cre­to, foi co­lo­ca­da na Bo­ca Mal­di­ta com uma pla­ca de bron­ze, des­sas que ve­re­a­dor ado­ra. Os ex-vo­tos co­me­ça­ram a co­brir o mo­nu­men­to de bi­lhe­tes e lo­go os or­ga­ni­za­do­res de fo­fo­ca aca­ba­ram com a fes­ta su­min­do com ela. Cu­ri­ti­ba, des­de en­tão, veio fi­can­do mais cha­ta e cir­cuns­pec­ta e nin­guém acre­di­ta que um dia aque­la rua vol­te a ser fes­ti­va, sem lou­cos co­mo Gil­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.