Dis­cri­mi­na­ção con­tra o Pa­ra­ná

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O Pa­ra­ná é dis­cri­mi­na­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral. Em 2013, por con­ta dis­so, se na­da for al­te­ra­do, te­re­mos per­das ab­sur­das, da or­dem de R$ 1 bi­lhão.

Cu­ri­o­sa­men­te is­so ocor­re quan­do te­mos a mais ex­pres­si­va re­pre­sen­ta­ção da his­tó­ria em Brasília. Três mi­nis­té­ri­os, to­dos ocu­pa­dos por mi­li­tan­tes do PT, par­ti­do da pre­si­den­te, es­tão nas mãos de pa­ra­na­en­ses.

Gil­ber­to Car­va­lho ocu­pa a es­tra­té­gi­ca Se­cre­ta­ria-Ge­ral da Pre­si­dên­cia; Pau­lo Ber­nar­do, o im­por­tan­te Mi­nis­té­rio das Co­mu­ni­ca­ções; e Glei­si Hoff­mann es­tá ins­ta­la­da na an­tes­sa­la da pre­si­den­te Dil­ma Rousseff, na Ca­sa Ci­vil.

Pois é jus­ta­men­te nes­se mo­men­to que amar­ga­mos os mai­o­res pre­juí­zos em nos­sa re­la­ção com Brasília. As per­das vêm das mu­dan­ças de re­gras do se­tor elé­tri­co, que de­vem pro­vo­car uma re­du­ção de R$ 450 mi­lhões em ICMS; com o ve­to a dis­tri­bui­ção dos royal­ti­es do pe­tró­leo, com per­das R$ 150 mi­lhões, e o pi­or de tudo, por mi­rar di­re­ta­men­te o Pa­ra­ná, com a re­du­ção da or­dem de R$ 400 mi­lhões nas trans­fe­rên­ci­as da União.

O Pa­ra­ná so­fre pre­juí­zos bru­tais com os royal­ti­es e com mu­dan­ça das re­gras do jo­go com as elé­tri­cas. Uma po­lí­ti­ca te­me­rá­ria, que ten­de a de­sor­ga­ni­zar a pro­du­ção de ener­gia. Uma es­tra­té­gia que de­ve co­lher os mes­mos re­sul­ta­dos de­sas­tro­sos ob­ti­dos na pro­du­ção e pros­pec­ção de pe­tró­leo. A Petrobras, trans­for­ma­da em ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca econô­mi­ca e de pro­mo­ção po­lí­ti­ca, es­tá à bei­ra do co­lap­so. A com­pa­nhia não con­se­gue mais aten­der à de­man­da na­ci­o­nal e te­ve per­das bru­tais em seu va­lor de mer­ca­do. E sem con­tar os al­tos va­lo­res co­bra­dos pe­los com­bus­tí­veis.

A dis­cri­mi­na­ção do Pa­ra­ná na dis­tri­bui­ção de re­cur­sos é fá­cil de de­mons­trar. Na Lei Or­ça­men­tá­ria da União pa­ra 2013, o fi­ca­mos em an­te­pe­núl­ti­mo lu­gar. Só es­ta­mos à fren­te do Rio de Ja­nei­ro e São Pau­lo. A pre­vi­são do Or­ça­men­to é in­ves­tir R$ 805.542.595 no Pa­ra­ná em 2013. Is­so cor­res­pon­de a R$ 76,15 por ha­bi­tan­te.

A dis­cri­mi­na­ção fi­ca evi­den­te quan­do con­si­de­ra­mos nos­sos vi­zi­nhos do Sul. Ca­da gaú­cho re­ce­be­rá do go­ver­no fe­de­ral R$ 170,41 no ano que vem e ca­da ca­ta­ri­nen­se R$ 238. Ou se­ja, pa­ra o go­ver­no Dil­ma, um gaú­cho va­le mais que do­bro que um pa­ra­na­en­se e um ca­ta­ri­nen­se qua­se qua­tro ve­zes mais.

Nos úl­ti­mos 2 anos, 39 de 69 mu­ni­cí­pi­os pa­ra­na­en­ses que re­ce­bem re­cur­sos do SUS pa­ra aten­di­men­tos de mé­dia e al­ta com­ple­xi­da­de não ti­ve­ram um úni­co cen­ta­vo de re­a­jus­te dos va­lo­res re­pas­sa­dos pe­lo go­ver­no fe­de­ral.

O Pa­ra­ná é pe­na­li­za­do ape­sar - ou qu­em sa­be, por cau­sa - da ex­pres­si­va re­pre­sen­ta­ção em Brasília e da ex­ce­len­te per­for­man­ce do Es­ta­do em to­dos os in­di­ca­do­res econô­mi­cos e so­ci­ais. En­quan­to a pre­si­den­te já con­ta­bi­li­za um bi­ê­nio per­di­do, com PIB pí­fio, o “pi­bí­cu­lo”, o Pa­ra­ná cres­ceu, no pri­mei­ro se­mes­tre, 4 ve­zes mais que o Bra­sil.

A ca­pi­tal do Es­ta­do, se­gun­do o ín­di­ce Fir­jan, li­de­ra o ran­king na­ci­o­nal de de­sen­vol­vi­men­to mu­ni­ci­pal e o Pa­ra­ná re­gis­trou no ano pas­sa­do seu me­nor ín­di­ce de mor­ta­li­da­de ma­ter­na. Uma re­du­ção de 21,4% em re­la­ção a 2010.

Por trás des­sa po­lí­ti­ca sor­ra­tei­ra con­tra o Es­ta­do pa­re­cem es­tar in­te­res­ses po­lí­ti­cos me­no­res, co­mo a ten­ta­ti­va de im­pac­tar ne­ga­ti­va­men­te a atu­al ad­mi­nis­tra­ção es­ta­du­al, mi­ran­do a dis­pu­ta elei­to­ral de 2014 e ain­da lan­çar uma cor­ti­na de fu­ma­ça pa­ra os es­cân­da­los es­pan­to­sos que atin­gem o go­ver­no fe­de­ral e o Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res.

O PT, que che­gou ao poder co­mo o arau­to da éti­ca, pro­du­ziu o es­cân­da­lo do men­sa­lão, o mai­or ca­so de cor­rup­ção da his­tó­ria da República, que es­tá pres­tes a le­var pa­ra a ca­deia al­gu­mas das prin­ci­pais li­de­ran­ças do par­ti­do.

No mo­men­to em que es­se pa­re­cia ser o pon­to mais bai­xo da his­tó­ria do PT, sur­ge o es­ca­bro­so ca­so Ro­se­mary, em que se des­co­bre que até os mais ín­ti­mos recôn­di­tos do poder pe­tis­ta fo­ram con­ta­mi­na­dos pe­la cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.