MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

Ca­sa em re­for­mas

A Câ­ma­ra co­me­ça a ana­li­sar a pro­pos­ta de re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va pro­pos­ta por Sil­vio Bar­ros em fa­vor do su­ces­sor, Ro­ber­to Pu­pin, na pre­fei­tu­ra. Na­tu­ral que o no­vo ges­tor quei­ra im­plan­tar seu mo­de­lo de ges­tão pa­ra o man­da­to que ini­ci­a­rá em ja­nei­ro e, den­tro da par­ce­ria de oi­to anos da du­pla, Sil­vio faz sua par­te e ajei­ta o ter­re­no pa­ra Pu­pin go­ver­nar. O fu­tu­ro pre­fei­to agra­de­ce. E vai mos­tran­do, pe­la pro­pos­ta en­ca­mi­nha­da, o que pre­ten­de de seu go­ver­no. Es­pe­ci­al­men­te por du­as al­te­ra­ções pon­tu­ais no con­jun­to de mu­dan­ças que de­se­ja: a pri­mei­ra é a ex­tin­ção da Ur­ba­mar. Cri­a­da por Said Fer­rei­ra em seu pri­mei­ro man­da­to pa­ra co­or­de­nar e fis­ca­li­zar o pro­ces­so do No­vo Cen­tro, a au­tar­quia re­ce­beu ou­tros en­car­gos ao lon­go da sua exis­tên­cia, co­mo o acom­pa­nha­men­to das obras do Con­tor­no Nor­te. Bem, tan­to o con­tor­no quan­to o re­bai­xa­men­to da li­nha fér­rea já es­tão em su­as fa­ses fi­nais. Pa­re­ce ló­gi­ca a ex­tin­ção do ór­gão – co­mo Sil­vio Bar­ros fez com o Sa­op, lem­bra? - pe­la re­so­lu­ção de seus ob­je­ti­vos. A se­gun­da é a cri­a­ção de uma se­cre­ta­ria de com­pras, cha­ma­da Se­cre­ta­ria de Ma­te­ri­ais.

O olho

Num ór­gão pú­bli­co com atri­bui­ções tão vas­tas co­mo é uma pre­fei­tu­ra – e com um or­ça­men­to que vai pu­lan­do pa­ra a ca­sa dos dez dí­gi­tos – as com­pras po­dem tan­to ser a so­lu­ção quan­to o pro­ble­ma pa­ra uma ad­mi­nis­tra­ção efi­caz. Com­prar bem, por pre­ços jus­tos – e no ca­so do poder pú­bli­co, den­tro da lei – é o pri­mei­ro pas­so pa­ra uma boa ges­tão. Is­so por­que qu­em com­pra bem pou­pa e, pou­pan­do, cria re­cur­sos pa­ra au­men­tar os in­ves­ti­men­tos. Cen­tra­li­zar to­da a com­pra em um de­par­ta­men­to só já ha­via si­do fei­to por Sil­vio Bar­ros. Ago­ra, es­ta re­par­ti­ção am­plia seus po­de­res e se ga­nha o sta­tus de se­cre­ta­ria. Qu­em não co­nhe­ce Ro­ber­to Pu­pin mui­to bem, tal­vez não com­pre­en­da es­ta mu­dan­ça de sta­tus. Na ver­da­de, aqui­lo que pa­re­ce uma po­si­ção mais gla­mou­ro­sa, é mes­mo mais pro­xi­mi­da­de com o pre­fei­to. Pu­pin é da­que­les ita­li­a­nos que não ti­ra os olhos do seu ne­gó­cio. Na le­va do “é o olho do do­no que en­gor­da a por­ca­da”, o pre­fei­to elei­to é da­que­les que quer sen­tir o pul­so o tem­po to­do do pa­ci­en­te. Na sua vi­da pes­so­al, o mo­de­lo deu mui­to cer­to. De um ga­ro­to que só foi co­nhe­cer o pri­mei­ro cal­ça­do aos no­ve anos, Pu­pin se tor­nou num dos ho­mens mais ri­cos da ci­da­de. Res­ta sa­ber se no poder pú­bli­co a re­cei­ta se re­pe­te.

Pes­so­al

Há mais al­te­ra­ções, co­mo a ex­tin­ção da Se­cre­ta­ria de Ad­mi­nis­tra­ção, com su­as atri­bui­ções con­cen­tra­das na Se­cre­ta­ria de Ges­tão – o que pa­re­ce mais ló­gi­co, já que ges­tão e ad­mi­nis­tra­ção são sinô­ni­mos - e cri­a­ção de uma Se­cre­ta­ria de Re­cur­sos Hu­ma­nos. Aí a apos­ta é mui­to in­te­res­san­te. Nu­ma or­ga­ni­za­ção com 10 mil pes­so­as, va­lo­ri­zar um de­par­ta­men­to de pro­mo­ção des­ses re­cur­sos pa­re­ce de­ci­são acer­ta­da. Em ver­da­de, a pre­fei­tu­ra tem qua­dros mui­to bons que pre­ci­sam ser es­ti­mu­la­dos. Se a se­cre­ta­ria se ar­vo­rar a es­ta ta­re­fa, te­rá cri­a­do as con­di­ções pa­ra um gran­de sal­to de qua­li­da­de nos ser­vi­ços que a pre­fei­tu­ra pres­ta.

No­mes

Já quan­to a no­mes, Pu­pin vai man­ten­do o si­gi­lo. Até aqui con­fir­mou ape­nas José Luiz Bo­vo no no­vo se­cre­ta­ri­a­do. Não dis­se em qual pos­to, mas pe­lo de­se­nho do or­ga­no­gra­ma, a pas­ta de­ve ser a de Ges­tão. Os de­mais no­mes o ma­rin­ga­en­se de­ve­rá co­nhe­cer de uma vez. Pro­va­vel­men­te na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, se até lá a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va es­ti­ver apro­va­da. Nes­te pe­río­do de de­fi­ni­ção da equi­pe, Pu­pin agiu com mui­ta as­tú­cia não dei­xan­do va­zar no­mes, não in­cen­ti­van­do o fra­tri­cí­dio de seus ali­a­dos nem aço­dan­do o mo­men­to. Depois da divulgação dos no­mes, to­da­via, te­rá a de­cep­ção dos que fi­ca­ram de fo­ra pa­ra ad­mi­nis­trar. Não é tão pou­co as­sim. E pa­ra is­so, não há re­for­ma que dê jei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.