Nos­tra­da­mus e o fim de Ma­rin­gá

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

uni­ver­si­da­de, que fi­ca em um platô, es­tá há pou­cos quilô­me­tros de nos­so va­le na­tu­ral, que é o Par­que do In­gá.

“Tan­to o apoio co­mo o cré­di­to di­mi­nui­rão re­pen­ti­na­men­te”.

Se­gun­do o SPC, mi­lha­res de ma­rin­ga­en­ses per­de­ram apoio e cré­di­to após se tor­na­rem in­sol­ven­tes.

“Aque­le que foi en­ter­ra­do sai­rá da co­va”.

Há al­guns me­ses, fa­mi­li­a­res acom­pa­nha­ram a exu­ma­ção do ca­dá­ver de um jo­vem ma­rin­ga­en­se no ce­mi­té­rio mu­ni­ci­pal. E, de­ta­lhe es­tar­re­ce­dor, en­con­tra­ram uma te­sou­ra na­qui­lo que um dia foi a bar­ri­ga do de­fun­to.

“O es­plen­dor do tra­du­tor fa­lha­rá”.

Es­sa é bem pes­so­al. Ten­tei usar o Go­o­gle Trans­la­tor pa­ra de­co­di­fi­car um tex­to em ale­mão e apa­re­ce­ram ca­rac­te­res ir­re­co­nhe­cí­veis. Lem­bran­do que eu mo­ro em Ma­rin­gá!

“O Pás­sa­ro Re­al so­bre a ci­da­de so­lar; se­te me­ses an­tes fa­rá no­tur­no presságio”.

Acom­pa­nhem a in­ter­pre­ta­ção. A pri­mei­ra fra­se in­di­ca um uru­bu que vi so­bre­vo­an­do à noi­te na ci­da­de (es­ta­va um ca­lor dos di­a­bos em Ma­rin­gá, por is­so o pro­fe­ta usou a ex­pres­são “ci­da­de so­lar”), exa­ta­men­te se­te me­ses an­tes do tem­po­ral de on­tem, que che­gou a der­ru­bar um mu­ro em al­gum lu­gar da ci­da­de. Aliás, Nos­tra­da­mus pre­viu os ja­cu­mó­veis (car­ros com sons po­ten­tes li­ga­dos no úl­ti­mo) de nos­sa re­gião com sur­pre­en­den­te exa­ti­dão. Os ver­sos são acom­pa­nha­dos pe­las

in­ter­pre­ta­ções, en­tre pa­rên­te­ses.

“Jun­to às por­tas e den­tro de du­as ci­da­des Es­ta­rão dois fla­ge­los nun­ca vis­tos an­tes

(Ma­rin­gá e Sa­ran­di);

(maus mo­to­ris­tas e mú­si­ca no úl­ti­mo vo­lu­me);

fo­me, den­tro pes­te, não por fer­ro gen­te gol­pe­a­da

(sin­to­mas fí­si­cos ex­pe­ri­men­ta­dos por qu­em não tem ne­nhum pro­ble­ma de saú­de, mas é acor­da­do pe­lo ba­ru­lho dos tri­os elé­tri­cos em ple­na ma­dru­ga­da, gol­pe­a­dos pe­lo som dos al­to­fa­lan­tes);

pe­dir so­cor­ro ao Gran­de Deus imor­tal

(é só o que nos res­ta nes­ses ca­sos). É ou não é o fim do mun­do? E, pe­lo jei­to, a he­ca­tom­be já co­me­çou, aqui em nos­sa be­la ci­da­de. Cor­ram pa­ra as mon­ta­nhas, 21 de de­zem­bro es­tá pró­xi­mo!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.