Be­bê ga­ran­te su­ces­so na lu­ta da mãe pe­la vi­da

Com leu­ce­mia, bió­lo­ga de­ci­diu re­ti­rar cé­lu­las-tron­co do cor­dão um­bi­li­cal da fi­lha re­cém­nas­ci­da; exa­mes com­pro­va­ram com­pa­ti­bi­li­da­de par­ci­al

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ro­sân­ge­la Gris

odi­a­rio.com Quan­do olha pa­ra o ros­ti­nho da fi­lha Liz, que com­ple­ta 2 me­ses ho­je, a bió­lo­ga Fa­bri­cie Mar­ce­le Wil­bert, 39 anos, vê mui­to mais do que uma ra­zão pa­ra vi­ver. Ela vê uma es­pe­ran­ça de vi­da. On­tem a ma­mãe re­ce­beu a no­tí­cia de que as cé­lu­las-tron­co do cór­dão um­bi­li­cal da re­cém­nas­ci­da, co­le­ta­das mi­nu­tos após o nas­ci­men­to, po­dem ser uti­li­za­das ca­so Fa­bri­cie pre­ci­se re­cor­rer a um trans­plan­te de me­du­la ós­sea pa­ra se cu­rar de uma leu­ce­mia lin­foi­de crô­ni­ca. “Es­tou mui­to fe­liz. O re­sul­ta­do do exa­me me trou­xe tran­qui­li­da­de, por­que ago­ra eu sei que se a me­di­ca­ção não der re­sul­ta­do, eu te­nho pa­ra on­de cor­rer”, diz, emo­ci­o­na­da, a bió­lo­ga.

O di­ag­nós­ti­co de leu­ce­mia, da qual a in­ci­dên­cia em adul­tos é de dois ca­sos a ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes, veio na pri­mei­ra con­sul­ta pré-na­tal, na sé­ti­ma se­ma­na de ges­ta­ção. Pas­sa­do o sus­to, Fa­bri­cie ini­ci­ou uma pes­qui­sa so­bre o uso de cé­lu­las-tron­co, e di­an­te da efi­cá­cia do uso no tra­ta­men­to de vá­ri­as do­en­ças - en­tre elas a leu­ce­mia -, não te­ve dú­vi­das em op­tar pe­la co­le­ta do san­gue do cor­dão um­bi­li­cal da fi­lha. O pro­ce­di­men­to foi fei­to pe­lo Cen­tro de Te­ra­pia Ce­lu­lar CordCell, de São Pau­lo, tam­bém res­pon­sá­vel pe­lo ar­ma­ze­na­men­to do ma­te­ri- “Es­tou bem e mui­to fe­liz com a mi­nha fi­lha. A Liz é um an­ji­nho.” al co­le­ta­do.

As cé­lu­las-tron­co co­le­ta­das do cor­dão um­bi­li­cal de Liz fo­ram sub­me­ti­das a inú­me­ros tes­tes, que com­pro­va­ram a com­pa­ti­bi­li­da­de par­ci­al com a me­du­la de Fa­bri­cie. “Os es­tu­dos do sis­te­ma HLA (Hu­man Leu­kocy­te An­ti­gens, na si­gla em in­glês) apon­ta­ram que dos seis an­tí­ge­nos ana­li­sa­dos, ape­nas dois não são com- pa­tí­veis. Por is­so cha­ma­mos de com­pa­ti­bi­li­da­de par­ci­al. A com­pa­ti­bi­li­da­de to­tal ocor­re quan­do os seis são com­pa­tí­veis”, ex­pli­ca o he­ma­to­lo­gis­ta e di­re­tor ci­en­tí­fi­co da CordCell, Elí­sio Se­kiya, re­for­çan­do que mes­mo com o re­sul­ta­do par­ci­al, o trans­plan­te é pos­sí­vel e li­vra Fa­bri­cie da bus­ca por um do­a­dor.

“Sem as cé­lu­las-tron­co do san­gue do cor­dão um­bi­li­cal de sua fi­lhi­nha, a ma­mãe te­ria que ime­di­a­ta­men­te re­cor­rer ao ban­co pú­bli­co, on­de a chan­ce de se en­con­trar uma me­du­la com­pa­tí­vel po­de che­gar a ser de uma em 1 mi­lhão. Va­le des­ta­car que o trans­plan­te é a úl­ti­ma fa­se do tra­ta­men­to, por­tan­to es­se pro­ce­di­men­to só se­rá in­di­ca­do ca­so a mãe não te­nha boa res­pos­ta ao tra­ta­men­to qui­mi­o­te­rá­pi­co”, des­ta­ca Adel­son Al­ves, mé­di­co e fun­da­dor da CordCell.

Quin­ze di­as após dar à luz, Fa­bri­cie ini­ci­ou o tra­ta­men­to via oral pa­ra com­ba­ter a do­en­ça. Por ora, a me­di­ca­ção tem apre­sen­ta­do re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. Já a res­pos­ta me­du­lar só se­rá ava­li­a­da nos pró­xi­mos me­ses. “Se­gun­do os mé­di­cos, a me­di­ca­ção de­mo­ra en­tre 3 e 6 me­ses pa­ra apre­sen­tar re­sul­ta­dos na me­du­la”, diz a bió­lo­ga, afir­man­do es­tar bem, ape­sar dos efei­tos co­la­te­rais da qui­mi­o­te­ra­pia. “As ve­zes sin­to en­jo­os e do­res de ca­be­ça e nas per­nas, coi­sas nor­mal do tra­ta­men­to. No mais es­tou bem e mui­to fe­liz com a mi­nha fi­lha. A Liz é um an­ji­nho”, con­ta, acres­cen­tan­do es­tar oti­mis­ta quan­to ao su­ces­so do tra­ta­men­to via oral, que a li­be­ra­ria de um pos­sí­vel trans­plan­te.

Ricardo Lo­pes

Fa­bri­cie com a fi­lha Liz; fe­li­ci­da­de du­pla após o par­to da ga­ro­ti­nha

Jo­nas Oli­vei­ra/ae­pr

Blitz re­a­li­za­da pe­la Ope­ra­ção Nha­pe­ca­ni; fo­co no com­ba­te ao trá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.