Mé­di­cos pes­si­mis­tas com Chá­vez

O Diario do Norte do Parana - - INTERNACIONALGERAL - Das agên­ci­as

re­da­cao@odi­a­rio.com O cân­cer do pre­si­den­te Hu­go Chá­vez é pro­va­vel­men­te ter­mi­nal, ten­do em vis­ta as re­ci­di­vas da do­en­ça. Em­bo­ra ele pos­sa apre­sen­tar re­cu­pe­ra­ção em al­guns pe­río­dos, sua saú­de es­tá ca­da vez mais em ris­co, afir­ma­ram vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas em cân­cer que não es­tão en­vol­vi­dos no tra­ta­men­to do lí­der ve­ne­zu­e­la­no.

Chá­vez es­tá em re­cu­pe­ra­ção em Cu­ba, após a ci­rur­gia re­a­li­za­da nes­ta se­ma­na. No sá­ba­do, o pre­si­den­te in­for­mou aos ci­da­dãos de seu país que cé­lu­las ma­lig­nas ha­vi­am re­a­pa­re­ci­do pe­la ter­cei­ra vez em seu abdô­men e que ele re­tor­na­ria a Cu­ba pa­ra uma no­va ope­ra­ção.

O go­ver­no ve­ne­zu­e­la­no não di­vul­gou qual é o ti­po de cân­cer que o pre­si­den­te tem. A ci­rur­gia foi des­cri­ta co­mo “com­ple­xa e de­li­ca­da” e te­ve du­ra­ção de seis ho­ras. Au­to­ri­da­des ve­ne­zu­e­la­nas dis­se­ram que ele po­de não es­tar de vol­ta a Ca­ra­cas pa­ra a pos­se de um no­vo man­da­to pre­si­den­ci­al, em 10 de ja­nei­ro.

Na quin­ta-fei­ra, o go­ver­no ve­ne­zu­e­la­no dis­se que os mé­di­cos ele­va­ram o es­ta­do de saú­de de Chá­vez de “es­tá­vel” pa­ra “fa­vo­rá­vel”. Mais ce­do, afir­mou que hou­ve “com­pli­ca­ções” du­ran­te a ci­rur­gia e que “fo­ram ne­ces­sá­ri­os pro­ce­di­men­tos em ra­zão de uma he­mor­ra­gia”.

Ape­sar dis­so, os mé­di­cos di­zem que o cân­cer é um jo­go de pro­ba­bi­li­da­des e que Chá­vez po­de se re­cu­pe­rar to­tal­men­te. “A úni­ca coi­sa que sa­be­mos é que não so­mos bons com pre­vi­sões”, de­cla­rou J. Ran­dolph He­cht, di­re­tor de on­co­lo­gia gas­troin­tes­ti­nal da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, em Los An­ge­les.

Ana­lis­tas de in­te­li­gên­cia e mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas em cân­cer di­zem que po­dem jun­tar al­gu­mas pe­ças pa­ra fa­zer um prog­nós­ti­co ge­ne­ra­li­za­do, com ba­se nas in­for­ma­ções pú­bli­cas dis­po- ní­veis, em­bo­ra não te­nham co­nhe­ci­men­to direto so­bre o ca­so. A ope­ra­ção mais re­cen­te su­ge­re que as pro­ba­bi­li­da­des de so­bre­vi­vên­cia do pre­si­den­te es­tão pi­o­ran­do, di­zem os mé­di­cos.O fa­to de que o cân­cer vol­tou du­as ve­zes após ele ter pas­sa­do por três ci­rur­gi­as e pe­lo tra­ta­men­to de ra­di­o­te­ra­pia e qui­mi­o­te­ra­pia in­di­ca que o cân­cer é agres­si­vo e com bai­xa pro­ba­bi­li­da­de de cu­ra. “Qual­quer pro­ce­di­men­to adi­ci­o­nal é pa­li­a­ti­vo e tem co­mo ob­je­ti­vo im­pe­dir que os sin­to­mas pi­o­rem e não tem a cu­ra co­mo al­vo nes­te es­tá­gio”, dis­se Mi­cha­el Pish­vai­an, on­co­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de de Ge­or­ge­town.

A re­cu­pe­ra­ção da úl­ti­ma ci­rur­gia é po­ten­ci­al­men­te pe­ri­go­sa, de­cla­rou Thi­er­ry Jahan, on­co­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, em São Francisco. O uso ex­ces­si­vo de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os es­te­roi­des du­ran­te o tra­ta­men­to po­de pro­vo­car en­fra­que­ci­men­to mus­cu­lar.

Após a ci­rur­gia há o au­men­to da pos­si­bi­li­da­de de in­fec­ções que le­vem à sep­ti­ce­mia - in­fec­ção ge­ne­ra­li­za­da que po­de le­var à mor­te -, ao sur­gi­men­to de coá­gu­los, he­mor­ra­gia gas­troin­tes­ti­nal, além da ele­va­ção do ris­co de au­men­to do ní­vel de açú­car no san­gue, o que po­de cau­sar di­a­be­tes, dis­se o dou­tor Jahan.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.