Be­los li­vros, mes­mo fe­cha­dos

CARTONERISMO Com viés eco­ló­gi­co e ar­te­sa­nal, edi­to­ra não ape­nas pe­lo con­teú­do, mas pe­la ar­te pro­du­zi­da na ca­pa in­de­pen­den­te de Lon­dri­na pro­duz li­vros úni­cos, va­lo­ri­za­dos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

es­ta­gi­a­rio.re­da­cao@odi­a­rio.com Ser uma al­ter­na­ti­va pa­ra o mer­ca­do editorial e de­mo­cra­ti­zar a li­te­ra­tu­ra. Es­ses são os prin­ci­pais ob­je­ti­vos que unem os pro­je­tos de cartonerismo que vem se es­pa­lhan­do pe­lo mun­do e an­ga­ri­an­do es­cri­to­res e lei­to­res. A ideia cri­a­ti­va e co­ra­jo­sa de pro­du­zir li­vros de au­to­res in­de­pen­den­tes com ma­te­ri­al re­a­pro­vei­ta­do e ofe­re­cer ao pú­bli­co com pre­ço aces­sí­vel sur­giu na Ar­gen­ti­na, em meio à crise econô­mi­ca de 2001, quan­do um gru­po de ami­gos se jun­tou pa­ra cri­ar a co­o­pe­ra­ti­va Eloi­sa Car­to­ne­ra. O pri­mei­ro li­vro pu­bli­ca­do “Pen­de­jo”, de Gabriela Be­jer­man, ti­nha o mi­o­lo fei­to em im­pres­so­ra ca­sei­ra e a ca­pa con­fec­ci­o­na­da de pa­pe­lão re­ci­clá­vel com­pra­do direto dos car­to­ne­ros – fun­ção equi­va­len­te aos ca­ta­do­res de pa­pel aqui no Bra­sil.

A pro­pos­ta da par­ce­ria deu tão cer­to que o mo­vi­men­to ga­nhou for­ça nos paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos. A par­tir da co­o­pe­ra­ti­va ar- gen­ti­na, sur­gi­ram cer­ca de 30 edi­to­ras com o mes­mo viés eco­ló­gi­co e so­ci­al, das quais pe­lo me­nos qua­tro são bra­si­lei­ras: Dul­ci­néia Ca­ta­do­ra e Se­reia Ca(n)ta­do­ra, em São Pau­lo, Ka­ta­ri­na Kar­to­ne­ra, em San­ta Ca­ta­ri­na, e a ini­ci­a­ti­va pi­o­nei­ra no Pa­ra­ná, a Ru­bra Car­to­nei­ra, de Lon­dri­na (distante 100 quilô­me­tros de Ma­rin­gá).

“Achei aqui­lo ma­lu­qui­ce. Só depois per­ce­bi o quan­to o pro­pó­si­to era ma­ra­vi­lho­so”, con­ta Be­a­triz Ba­jo, es­cri­to­ra e ide­a­li­za­do­ra do Ru­bra Car­to­nei­ra, so­bre a pri­mei­ra vez que en­trou em con­ta­to com o cartonerismo. Por in­ter­mé­dio do ami­go e es­cri­tor Mar­ce­lo Ari­el, ela re­ce­beu o con­vi­te pa­ra tra­du­zir o po­e­ta me­xi­ca­no Ma­rio Pa­pas­qui­a­ro, pe­lo co­le­ti­vo Dul­ci­néia Ca­ta­do­ra, em 2009. En­can­ta­da com o tra­ba­lho, Be­a­triz de­ci­diu in­ves­tir no ni­cho li­te­rá­rio em ju­nho­des­te ano, emLon­dri­na.

Ape­sar de re­cen­te, a edi­to­ra Ru­bra Car­to­nei­ra já pu­bli­cou seis li­vros iné­di­tos. No ca­tá­lo­go, além de Be­a­triz Ba­jo, com “O do­min­go em Nós”, e “Cos­mo­gra­ma”, de Mar­ce­lo Ari­el, es­tão o ven­ce­dor do Prê­mio Ja­bu­ti de po­e­sia em 2009 Rey­nal­do Bes­sa com “Não Te­nho Pe­na do Po­e­ma”; “Rio Sou Francisco”, do mú­si­co e po­e­ta Chi­co Cé­sar; “Prosa de Pa­la­vras”, da cro­nis­ta lon­dri­nen­se Ka­ren De­bér­to­lis, e “As Trans­li­te­ra­ções do Ópio”, do pau­lis­ta Maick­nu­cle­ar, com pre­fá­cio de Ma­rio Bor­to­lot­to.

Ca­pas úni­cas

Ao to­do, fo­ram con­fec­ci­o­na­dos 350 ti­ra­gens com ca­pas úni­cas e nu­me­ra­das, fei­tas a par­tir de cai­xas de lei­te. Os ar­te­sãos, que co­la­bo­ram com o pro­je­to, cor­tam e pin­tam o pa­pe­lão em co­res. Depois, o tí­tu­lo do vo­lu­me e o no­me do au­tor são pin­ce­la­dos. O tex­to se­le­ci­o­na­do é im­pres­so em co­pi­a­do­ra com pa­pel re­ci­cla­do e cos­tu­ra­do à mão. To­do pro­ces­so de pro­du­ção con­ta com a co­or­de­na­ção de Je­sus Ba­jo, pai de Be­a­triz. “Uti­li­za­mos téc­ni­ca de tex­tu­ra e co­la­gem. Fa­ze­mos as ca­pas com bas­tan­te cui­da­do por­que não qu­e­re­mos ofe­re­cer

Ca­ta­do­res

só um li­vro ba­ra­to, mas que tam­bém se­ja bo­ni­to e que te­nha con­teú­do”, des­ta­ca ele.

Pa­ra Be­a­triz, por ser per­so­na­li­za­do, o re­sul­ta­do do tra­ba­lho é mais do que um li­vro. “É um ob­je­to de de­co­ra­ção e de co­le­ção, uma for­ma de ma­ni­fes­ta­ção de ca­ri­nho com a li­te­ra­tu­ra”, acres­cen­ta. O pre­ço de ca­da li­vro va­ria en­tre R$ 15 e R$ 25 e po­de ser ad­qui­ri­do por meio do blog da Ru­bra Car­to­nei­ra (ru­bra-ce­di­to­ri­al.blogs­pot.com.br) ou pe­la pá­gi­na da edi­to­ra no Fa­ce­bo­ok. A pró­xi­ma obra es­tá mar­ca­da pa­ra ser lan­ça­da da­qui du­as se­ma­nas, no dia 28. “Li­vre Ar­bí­trio”, de Wen­der Montenegro, se­rá lan­ça­do vir­tu­al­men­te pe­la edi­to­ra e con­ta com ca­pa ar­te­sa­nal pro­du­zi­da por Jenny Bor­go­no­vi. Mes­mo sem tra­ba­lhar es­pe­ci­fi­ca­men­te com ca­ta­do­res de pa­pel, a ide­a­li­za­do­ra con­si­de­ra que o pro­je­to não fo­ge do ob­je­ti­vo ide­a­li­za­do pe­lo mo­vi­men­to car­to- ne­ro. “Não dei­xa­mos de ser ca­ta­do­res, re­co­lhe­mos cai­xas de lei­te nas ca­sas, te­ci­dos em ba­za­res e ca­sas as­sis­ten­ci­ais. De cer­ta for­ma, tam­bém te­mos um ape­lo so­ci­al e eco­ló­gi­co.”

Se­gun­do Be­a­triz, o sal­do mais va­li­o­so do tra­ba­lho é a de­mo­cra­ti­za­ção da li­te­ra­tu­ra. “Pos­so pu­bli­car al­guém em qu­em acre­di­to que te­nha va­lor ar­tís­ti­co. Is­so é o mais gra­ti­fi­can­te.” O gru­po se dis­po­ni­bi­li­za a ler to­dos os tex­tos que re­ce­bem, se­ja a pes­soa um es­cri­tor con­sa­gra­do ou só al­guém que quei­ra se aven­tu­rar no mun­do das le­tras.

Mar­ce­lo Ari­el é exem­plo de que a divulgação por meio das edi­to­ras car­to­ne­ras fun­ci­o­na. Ele es­tre­ou na po­e­sia com o li­vro “Me En­ter­rem com a Mi­nha Ar-15”, em 2007, pe­la Dul­ci­néia Ca­ta­do­ra. Depois, pu­bli­cou mais cin­co tí­tu­los por meio das edi­to­ras ar­te­sa­nais. O tí­tu­lo mais re­cen­te do po­e­ta é “Po­e­sia pa­ra o Fim do Mun­do”, lan­ça­do pe­la Ko­da­ma Car­to­ne­ra, na ci­da­de me­xi­ca­na de Ti­ju­a­na. Ari­el já te­ve li­vros pu­bli­ca­dos por edi­to­ras con­ven­ci­o­nais, mas, mes­mo as­sim, dá pre­fe­rên­cia pa­ra o mo­vi­men­to car­to­ne­ro. “A vi­são mer­ca­do­ló­gi­ca so­bre os li­vros de po­e­sia é um fi­as­co. Um li­vro de po­e­mas só ven­de depois que o po­e­ta mor­re. O que mais gos­to nas car­to­ne­ras é a aces­si­bi­li­da­de da­da aos li­vros”, de­cla­ra.

Divulgação

“Li­vre Ar­bí­trio”, de Wen­der Montenegro, com ca­pa de Jenny Bor­go­no­vi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.