Ir­mãs dei­xam o al­ber­gue

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

exis­ten­tes. Ao che­gar, dom Jai­me en­con­trou fun­ci­o­nan­do na ci­da­de um ‘al­ber­gue’; na ver­da­de, mo­des­ta hos­pe­da­ria de ma­dei­ra sem con­for­to, man­ti­da pe­lo poder pú­bli­co es­ta­du­al, on­de os ne­ces­si­ta­dos re­ce­bi­am aten­di­men­to so­frí­vel. Con­doí­do des­sa par­te in­fe­liz do seu re­ba­nho, em 1958 ini­ci­ou en­ten­di­men­tos com os res­pon­sá­veis do FATR – Fun­do de As­sis­tên­cia ao Tra­ba­lha­dor Rural, pre­cur­sor do FUN­RU­RAL, so­bre a pos­si­bi­li­da­de de trans­fe­rir pa­ra a Igre­ja Ca­tó­li­ca o cui­da­do da ins­ti­tui­ção. Em 27 de mar­ço de 1959, as Fi­lhas da Ca­ri­da­de de São Vi­cen­te de Pau­lo vi­e­ram di­ri­gir a obra que, por cau­sa da co­fun­da­do­ra da con­gre­ga­ção (jun­to com São Vi­cen­te de Pau­lo), re­ce­beu o no­me de Al­ber­gue San­ta Lui­za de Ma­ril­lac. O pri­mei­ro gru­po era for­ma­do por ir­mãs Se­bas­ti­a­na Do­min­gues, Ivo­ne Na­za­ri e Del na Gret­ter. Ao lon­go de seus qua­se 50 anos nas mãos da Igre­ja, foi re­ce­ben­do re­for­mas e me­lho­ra­men­tos, am­pli­an­do-se sem­pre mais, a pon­to de ho­je ofe­re­cer ins­ta­la­ções e aten­di­men­to di cil­men­te igua­la­dos por ins­ti­tui­ção o ci­al des­ti­na­da à mes­ma cli­en­te­la” - tre­cho do li­vro des­te cro­nis­ta “A Igre­ja que Bro­tou da Ma­ta – Os 50 anos da Di­o­ce­se de Ma­rin­gá” (pág.190-191, Den­tal Press Edi­to­ra, 2007). Por mais de cin­co dé­ca­das o al­ber­gue pres­tou “aten­di­men­to aos po­bres, ofe­re­cen­do cui­da­dos de hi­gi­e­ne, ali­men­ta­ção, per­noi­te, rou­pas, cal­ça­dos, me­di­ca­men­tos, além de as­sis­tên­cia so­ci­al pa­ra en­ca­mi­nha­men­to na so­lu­ção de pro­ble­mas in­di­vi­du­ais co­mo saú­de men­tal, in­ter­na­men­to hos­pi­ta­lar, pro­cu­ra de fa­mi­li­a­res, re­tor­no à re­gião de ori­gem etc. São ain­da pro­por­ci­o­na­dos ser­vi­ços de acon­se­lha­men­to em si­tu­a­ções di­fí­ceis, e ori­en­ta­ção es­pi­ri­tu­al. Com uma cli­en­te­la diá­ria gi­ran­do por vol­ta de 100 pes­so­as, ou mais de 2.500 po­bres aco­lhi­dos por mês, o al­ber­gue vem ul­ti­ma­men­te as­sis­tin­do uma mé­dia su­pe­ri­or a 30.000 cli­en­tes/ano” (id. ib.). A alma do al­ber­gue e a ra­zão da cre­di­bi­li­da­de do tra­ba­lho ali de­sen­vol­vi­do sem­pre fo­ram as pres­ti­mo­sas ir­mãs Fi­lhas da Ca­ri­da­de de São Vi­cen­te de Pau­lo, a mes­ma con­gre­ga­ção que cuida do Nú­cleo So­ci­al Pa­pa João 23, on­de so­mam es­for­ços tam­bém os Irmãos Ma­ris­tas das Es­co­las, atra­vés do Cen­tro So­ci­al Ma­ris­ta Ir­mão Be­no To­ma­so­ni. Qu­em qui­ser co­nhe­cer o amor des­sas ir­mãs aos po­bres pe­ça a dom Jai­me que fa­le so­bre ir­mã Sa­lo­mé Dets, au­tên­ti­ca ir­mã Dul­ce ma­rin­ga­en­se, que aqui tra­ba­lhou na dé­ca­da de 60, fa­zen­do sem­pre ques­tão de aten­der os mais mi­se­rá­veis e des­pre­za­dos de to­dos. Não é ver­da­de, co­mo ale­gam al­guns, que as ir­mãs não fa­rão fal­ta. Fa­rão, sim, e mui­ta. Foi pe­lo seu exem­plo que cen­te­nas ou mi­lha­res de vo­lun­tá­ri­os se sen­ti­ram es­ti­mu­la­dos a co­la­bo­rar pa­ra que o al­ber­gue che­gas­se àqui­lo que é ho­je. Por 20 anos, eu mes­mo in­cen­ti­vei os éis da Pa­ró­quia San­ta Maria Go­ret­ti a co­la­bo­rar com o al­ber­gue. A res­pos­ta sem­pre foi ad­mi­rá­vel. Não se­ria por­que a to­tal en­tre­ga das ir­mãs mos­tra­va de for­ma cla­ra co­mo os po­bres de­vem ser tra­ta­dos?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.